Sexta-feira, 31 de Março de 2006

Contra Couves & Alforrecas


“A escritora Margaria Rebelo Pinto e a editora Oficina do Livro interpuseram uma providência cautelar no sentido de impedir a publicação do livro Couves & Alforrecas, Os Segredos da Escrita de Margarida Rebelo Pinto, no qual o crítico João Pedro George analisa a obra da autora de Não há Coincidências.”
 

In Diário de Notícias
 


 


Cara Margarida, estou solidário consigo. Apoio incondicionalmente a sua moção! O que esse senhor fez, não se faz!

Revelar os segredos recônditos da escrita de Margarida - permita-me a intimidade - é um ultraje! Um atentado! Impedir a publicação de tamanha afronta é escasso. Deviam queimar todos os exemplares de "Couves & Alforrecas" em praça pública!

Se por algum acaso ou clarividência, eu tropeçasse nessa verdade universal, nesse devir, que são os segredos da escrita de Margarida, faria um voto de silencio, cortaria a minha própria língua ou metia-me na banheira com uma torradeira eléctrica, antes de divulgar ao mundo tamanha revelação.

Para João Pedro George, a penosa tarefa de ler, reler, transcrever, passar a pente fino todas as subtis e as grosseiras incoerências desse riquíssimo ecossistema literário, não foi flagelo suficiente! Não contente com a sua própria comiseração, João Pedro George, resolve lança-la sobre todos nós na forma de “Couves & Alforrecas”.

Este senhor, para além de masoquista inveterado, revela um incomensurável sadismo e um total desprovimento de sentido de responsabilidade cívica.

Tornar públicos os segredos da escrita de Margarida, é abrir a caixa de Pandora. É o equivalente literário a oferecer à Al-qaeda, de uma só vez, a fórmula e os ingredientes da bomba de neutrões.
 

Qualquer aspirante a escritor com menos escrúpulos seguirá a palavra de “Couves & Alforrecas” como se de uma bíblia se tratasse. Na busca do sucesso alcançado pela obra de Margarida, copiará as suas fórmulas, as suas personagens, o seu vazio, as suas repetições, as suas incoerências… Em suma, teremos uma multiplicação de Margaridas.

Couves & alforrecas é um autêntico manual do terrorismo literário que deve ser travado a todo o custo. Nas mãos erradas, Couves & Alforrecas, será a aniquilação total e imediata do panorama literário português.


Juntem a vossa à nossa indignação
Digam NÃO às “Couves & Alforrecas”!

Texto escrito por: Bruno Candelária Santos.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:36
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 29 de Março de 2006

Um Poema Abstracto

Na leitura de Nietzsche na esplanada de um bar,
Fica a vontade imensa de quebrar barreiras.
Interrompe-se a leitura descuidada,
E inveja-se a alegria de outra caras
Estampadas em fileiras.

Da leitura de Nietzsche pesarosa
E da espera pela cara que há-de vir
No fim da espera, a determinada hora,
Nasce este conceito de ideias menos claras
Causando esta vontade de partir.

Com a leitura de Nietzsche desviada,
E os olhos perdidos pelo bar,
Aprendo as coisas a que os outros mais reagem,
E com a Verdade e a Mentira programadas,
Nasço da minha Tragédia Vascular.

(Lisboa, 13/11/98)

Nota Sobre o Título (Algo Vago):

Todos os poemas são abstractos. O concreto não existe na linguagem. Toda a poesia é subjectividade, divagação, absurdo. A poesia que faço é resultado do jogo linguistico de mim. A poesia de Shakespeare era resultado do seu absurdo subjectivo associado ao absurdo social de precisar de dinheiro para viver. Isso é concreto. Então, se A Mid Summer Night’s Dream ou Romeo and Juliet, etc., são resultado da fome de Shakespeare, do concreto do corpo, a poesia de Shakespeare é concreta. Não. Não devemos confundir a origem com a consequência. A origem concreta da fome de Shakespeare, deixa de existir como concreta na consequência da abstracção subjectiva que são os seus poemas. O mal social ou do corpo que obrigam o autor a escrever, nada têm a ver com… Por exemplo: Felicidade… Sonho da infância… abstracção completa da linguagem e de mim… Se num acaso eu disser que sou feliz… estou a mentir. Subjectivo, objectivo, abstracto, concreto, que me importa? Comprem o livro, façam-me rico, gastem dinheiro comigo, venerem-me: resolvam o problema da minha fome concreta: por comida, por glória, por dinheiro, por ovações, por mim, e a minha poesia é o que quiserem. Eu sou o que quiserem. POSSO SER O QUE QUISEREM, por inveja ou negação: Proxeneta, prostituta, poeta castrado… Não… não posso, afinal. Ser pelos outros é o supremo mal, ser pelos outros é… Se ao menos Ary soubesse que… Estar morto: A mais triste e confortável condição… Estar vivo: o seu contrário, A MINHA NEGAÇÃO.

P.S.: Agradeço a Lili Caneças, notável filósofa da Modernidade, a formidável lição há uns tempos pronunciada em público, em que clarifica (e com exemplar distinção e clareza) que estar vivo é o contrário de estar morto, não é?. É. De facto. Os críticos, de humor azedo e tacto agreste, não viram na pergunta a entoação retórica. Lili afirmou pela interrogação, levando o ouvinte a questionar-se. Este é já, aliás, um método antigo das filosofias. Depois de lavada a cara com uma plástica, Lili procura lavar a percepção das massas. Sócrates não tentou tanto, e foi grande, porque teve Platão a compreendê-lo. Mas Lili, não tem ninguém. Por este motivo, intervenho, eu, o admirador humilde e modesto, num esforço que espero não ser vão, de ser o platónico discípulo deste novo e inigualável Sócrates. Lili, pela sua unicidade absurda, merece a imortalidade. Por isso, eu, o taciturno escrivão das coisas e dos dias, venho, por meio deste post scriptum, fazer a apologia de quem mais a merece. A apologia de uma Imperatriz do saber, de uma Imperatriz do ridículo (todos os visionários são ridículos), de uma Imperatriz da estupidez (toda a inteligência é imperceptível aos olhos dos idiotas), de uma Imperatriz do desconhecimento (toda a sabedoria é vã perante os infindáveis segredos do gigantesco Universo). Por isso, eu venho registar na memória da Humanidade esquecida, esta figura imensa que é Lili Caneças. Sim, Lili, magestática figura da Verdade e da Ciência, divindade erótica e sublime que me ocupas as reflexões e os sonhos, EU DAR-TE-EI O MUNDO. E o Mundo é o Amanhã, a promessa do sempre, do depois, impondo-se perante os outros do Futuro. EU DAR-TE-EI A ETERNIDADE. Para tal, minha Raínha da Calamidade, minha sublime Dominadora do Nulo, do Vácuo, da Estupidez, não tens de esforçar-te, não tens de pagar-me, não tens de fazer absolutamente nada, senão isto, um pormenor, um detalhe, uma coisa ínfima, quase sem importância, mas fundamental, absolutamente indispensável (glorioso, impressionante paradoxo!): fecha os olhos. Não fales. Não fales nunca: a tua sabedoria infindável não deve nunca ser dita. Pega neste copo que te dou. Leva-o à boca que deve sempre, constantemente estar fechada. Abre-a apenas para isto: para o copo que te dou, humilde, inocente, admiravelmente. Abre-a, abre-a, mais, mais, mais, abre a maior boca que conseguires, abre-a como nunca a abriste até hoje, como nunca nenhum homem (e também tu és um homem, virago impressionante!) como nunca um homem antes de ti a abriu! E bebe, Lili, bebe de um só golo esse cálice, digno de um deus da tua dimensão! Bebe esse néctar do Olimpo como tanto deus igual a ti deveria beber, como tanto sábio como tu deveria tomar! Ah, Lili! Bebe, bebe, bebe essa cicuta!, e eu louvar-te-ei até me cansar…

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:45
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Poema de Amor da Mais FIna Flor dos Poetas Modernos

Ardo.
Estou em chamas. Olha;
Olha o meu braço –
Que fogo!
Que calor, socorro,
Que padeço
Neste espaço
E não mereço
Tal fim!
O amor é pirómano.
Tu és pirómana –
Deitaste-me fogo! –
Grito: «Ah, morro!» –
E morri –
Triste fim…

(Lisboa, 03/05/99)


Post Scriptum de Análise Literária (o Vaticínio do Crítico Anódino, perdão Antónimo, quero dizer, Anónimo, isto é...):

Os poetas modernos não merecem este achincalhamento. São modernos, o que lhes permite estar de bem com o Progresso, e são poetas, o que lhes permite estar de bem com eles mesmos: o delírio que a sua poesia lhes confere torna-os capazes de suportar as maiores atrocidades, até de si próprios, e, por consequência, de obter a Paz. O facto de serem, incontestavelemente, maus poetas não deveria sujeitá-los a este vil tratamento. Veja-se a Convenção de Genebra, artigo x/y de 19xx: «Todo o homem tem direito a ser mau e, mesmo assim, ser feliz (…)»… Veja-se a História – Nero, Barroso, Bush, por exemplo…
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:12
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 28 de Março de 2006

Um Pensamento Moderno...

É hoje! Barcelona! Barcelona! Os sinos batem nas igrejas! As mulheres vêm às janelas agitar as tampas dos tachos e os trapos da cozinha e do chão! Os vendedores de hortaliças, os afiadores do aço, os homens do gaz, os polícias, os bêbados, todos saiem à rua com pífaros, apitos, bandeiras, lança-chamas! É sublime! Todo o país se prepara para o triunfo final da noite mágica!
Já vejo o Estado do Tempo: Hoje o céu estará vermelho, a humidade será pouca, a temperatura alta, os termómetros vão registar uma explosão, a terra vai tremer com intensidade...
 


Já vejo o Estado do Homem: Hoje o delírio vai assaltar a cidade, os hospitais estarão cheios, os loucos hão-de trepar às chaminés das casas, o país vai rebentar de uma euforia, os manicómios vão estar sobrelotados...
 


Já vejo o Estado do Sonho: Depois de arrasar com Barcelona, o Benfica monta o seu ginete andaluzio e derruba os moínhos das paisagens da Europa até conquistar a Champions, recebendo o troféu das próprias mãos da Estátua da Liberdade...
 

 

Já vejo o Estado da Morte: Depois de uma goleada histórica indescritível, o Benfica, esse modesto clube de um pequeno país do confim europeu, arrastou-se vergonhoso até casa, e pediu desculpa ao mundo por ainda ousar existir. Os 15 a 0 que o Barcelona lhe aplicou foram vistos pelo treinador do Benfica como uma graça do Céu por não terem sido trinta e cinco, dado o elevado número de ocasiões falhadas pelos catalães, inclusive, os dezassete penalties que Eto'o, Messi, Deco e Gaúcho generosa e compassivamente atiraram à barra. Os jogadores explicaram mais tarde em conferência de imprensa, e em lágrimas, que não conseguiram marcar mais golos depois do décimo quinto, por mero princípio moral, por entender que, ninguém neste mundo, nem mesmo Bush, por exemplo, merecia tamanha humilhação, por maior que fosse o seu crime. Num último soluço, os artistas confessaram ainda que se sentem profundamente arrependidos pelos golos que marcaram, pedem desculpas pelos danos físicos e morais, e prometem fervorosamente acender, à noite, uma vela, em Fátima, em nome da alma moribunda do Benfica. Os jogadores da instituição nacional, por sua vez, estão ainda em coma, devido ao severo choque sofrido, e não há prognósticos de recuperação.
 


No final da noite, Freddy Mercury ressuscitou com o assombro do resultado e veio entoar o glorioso Barcelona com uma Monserrat magra e jovial. Esta chorou com o dueto e, no final da actuação, agraciou ainda a assistência com uma última surpresa encantadora:


 
 

Bamboleando-se airosa e tímida por entre os presentes, acentuando ligeiramente o decote até mais ou menos à zona do umbigo, subindo a renda da saia e mostrando a pernita bem torneada até um pouco mais abaixo da anca e mais acima da coxa, chegou-se ao bem dentado Ronaldinho e, mirando com gula acentuada o pézinho de oiro com que ele, após 175 toques bem medidos, marcou o seu 11º e último tento da noite, pediu, ao excepcional atleta, o referido pé em casamento...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:56
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Um Pensamento Antigo...

Benfica vence Sporting por 1-0 a uma jornada do fim. Adeptos, numa histeria, entoam cedo demais as notas da Celebração. Hordas de formigas sobem pelas estátuas, povoam rotundas, buzinam nas ruas. Uma euforia delirante e fútil espalha-se como um presságio. Os Homens sem posses e sem esperanças, cansados e vencidos por uma estafa diária, cravam as unhas roídas nesta alegria vã. Talvez aqui a Fortuna, que tem o seu modo de brincar com os simples, não os desiluda: O Benfica será campeão. O Sporting vencerá a Uefa no seu próprio estádio. O país pára por inteiro e é de súbito uma nação perfeita: Portugal está no topo do Mundo!
Começa então a dança das bandeiras, como um baile de infelizes, a procissão dos incapacitados que corre as avenidas, enche as varandas e as janelas das casas, enfeita os automóveis, veste os corpos… De novo gritos de júbilo, palavras de ordem, os carros que fazem festa nos semáforos, as gentes que se falam como se fossem irmãs naquela hora, para não se conhecerem de novo na manhã seguinte: «Viva! Sou grande, sou o maior, sou português! Viva! Somos um povo completo! Estamos juntos!»
E passado o efeito desta espécie de álcool, regressar à miséria deste país lento que pede a toda a Europa (que digo eu?!, ao Mundo!) a dignidade vital para existir… (Lisboa, 14/05/05)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:21
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 26 de Março de 2006

Então, Senhor Ministro?

Observei hoje, isto é, ontem, um curioso acontecimento:
Por mero acaso, fortuitamente, pude achar, com os meus olhos de lince, em certa livraria de Lisboa, cujo nome, por pudor, não menciono, o nosso distinto ministro da Admnistração Interna, o Exmo. Sr. Dr. (e eventualmente Professor) António Costa. Ele, tentando, eu bem vi!, ser escorregadio e discreto, veio adquirir comercialmente (um preciosismo linguístico com que pretendo dizer comprar), um guia... não, não político, não económico, não jurídico, não laboral, não admnistrativo, não interno, mas... turístico... para (pasme-se!, ericem-se os cabelos e as espinhas!, caiam os pêlos!)... o Egipto.
Selvagem! Cão tinhoso! Como é isto possível?!
Eu fiquei, confesso, cabisbaixo e parvo. A perplexidade amarrou-me, deixou-me paraplégico, imbecil...
Pois então, pensei eu, o povo aperta o cinto e o ministro passeia?
Mas logo, arrependido, considerei:
«Disparate! Que má língua! Com certeza que o ministro ia em trabalho, em negócios de Estado, em nome do páís! »
Talvez... Mas porque era, então, o guia, turístico?
«Francamente, Miguel! Era um presente!»
Talvez... Mas porque não pediu para embrulhar?
«Mas ora essa! Fazia um favor a outrém!»
Talvez... Outrém que não pôde ir comprá-lo porque estava, por certo, a trabalhar. Que fazia então o ministro, alí, naquele lugar, em hora de expediente?
«Convenhamos: um ministro é uma pessoa normal. Tem direito à vida privada»
Talvez... mas confesso que ainda lhe vejo uns tentáculos marcianos que me apoquentam de noite e não acredito na privacidade em hora de trabalho. O marciano devia estar a defender os interesses dos terráqueos que jurou defender. Porque não estava ele a trabalhar?
O arrependimento calou-se e o meu eu social e consciêncioso não achou justificação que me desse.
Postas, assim, as dúvidas, e dadas as respostas, não me resta mais que concluir:
Senhor ministro, o senhor é um facínora!
Com que direito?!
E arremeto contra ele, em privado, com insultos do cariz mais feroz...
(...)
Agora, mais calmo, acrescento:
Senhor ministro, perdoe-me se o injusticei ou difamei. Longe de mim tal intenção:
O Gume não busca mais do que a verdade.
Mas eu sei que o senhor me compreende. Afinal, por experiência, o senhor sabe bem melhor do que eu que não se pode confiar num político. Se não é impossível, por rejeição natural do corpo e da mente que lhe está associada, será, pelo menos, suicida. Não é verdade?
Esclarecidos que estamos, não me resta mais do que saudá-lo:
Bem haja e boa viagem!
E traga de lá umas lembranças para o povo português!
Que tal, por exemplo, à falta de melhor, um pequeno alaúde e um saquinho de areia, para disfarçar, com boa música (e deitando boa areia para os olhos clarividentes) a lástima infeliz do seu governo?

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:47
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 25 de Março de 2006

O Manifesto do Segundo Gume


 

Anuncia-se orgulhosamente que o Gume nasceu e não chorou, nem berrou mas tinha a língua de fora e já fazia um manguito.
O Gume é o blog onde tudo é possível.
O Gume é o Futuro.
O Gume é Eterno.
O Gume é Supremo.
O Gume é Inteligente.
O Gume é Sarcástico.
O Gume é Irónico.
O Gume é Soberbo.
O Gume não é Moral, nem Imoral, mas Amoral.
O Gume é a Flor do Mal que quer o Bem.
O Gume é um ultrage,
E é ultrajante,
Mas nunca será ultrajado.
O Gume não publicita: faz.
O Gume não promete: cumpre.
O Gume não se conforma mas conforma, reforma, informa, deforma, dá forma.
O Gume não dá festas nem palmadinhas nas costas:
O Gume dá sôcos que parecem pedras atiradas de perto e de longe.
O Gume punge.
O Gume estoca.
O Gume fere.
O Gume não se mascara:
O Gume dá a cara e dá na cara.
O Gume não se coíbe,
Não se inibe,
Não se esconde.
O Gume tem espinha.
O Gume é Vertical,
O Gume é Vigoroso,
O Gume é Viril.
As mulheres do Gume são grandes Amazonas.
O Gume é Justo.
O Gume é Culto.
O Gume é Raro.
O Gume é Sério.
O Gume é Sóbrio.
O Gume é Sensual.
O Gume é um disparate pegado.
O Gume é Belo mas sabe ser Horrível.
O Gume é irresponsável mas assume o que diz.
O Gume não é de uma causa, mas tem causas.
O Gume não é Supersticioso mas é Precavido:
Não cruza facas, arremessa-as.
Não passa sob escadas: sobe-as.
Não avança por detrás de gatos pretos, mas pela frente. E não lhes liga quando usam gravata.
Não parte espelhos: atravessa-os.
O Gume é Arrebatador.
O Gume é Poético.
O Gume não tem vergonha por saber que a vergonha é um preconceito.
O Gume não se submete à vontade alheia. Pelo contrário:
O Gume institucionaliza uma vontade.
O Gume não acredita na liberdade de opinião nem tampouco na liberdade em geral, mas defende-as.
O Gume agradece a quem diz bem do Gume.
O Gume aplaude quem diz mal do Gume.
O Gume aniquila quem não sabe o que diz.
O Gume não é extremista nem maniqueísta:
Quem não é do Gume não tem de ser contra o Gume.
Quem é contra o Gume não tem de morrer, basta estar calado.
O Gume não se contraria, complementa-se.
Se defende dois pólos opostos, fá-lo em favor do ponto de vista.
O Gume é tolerante, mas não é parvo:
O Gume não tolera a estupidez.
O Gume tem académicos mas despreza as academias.
Os membros do Gume são, por natureza, GENIAIS.
O Gume é Segundo mas não está atrás de ninguém, antes, senta-se com pompa e arrogância sobre as cabeças ôcas dessas avestruzes engripadas da nossa Sociedade!
O Gume é Segundo porque traz à tona o que a poeira do tempo e a mentira do Homem querem há tanto esconder.
O Gume é Segundo porque corta e ataca dos dois lados da pena. O inverso de um rosto belo é o rosto normal do Gume: o Gume é o retrato da Sociedade Portuguesa, trazendo à luz do sol a alma desse Dorian Gray de palmo e meio.
O Gume é o Mr Hyde desses Jeckyll de condescendências, servidões, cinismos, hipocrisias, vassalagens.
Não se aproximem do Gume, porque ele morde!
O Gume tem dentes afiados e má digestão. Não queiram experimentar a bilis do Gume!
O Gume é polimorfo, poliglota, politeista, polígamo, poligráfico, político, polémico, plural.
O Gume diz sempre a verdade, mesmo quando está a mentir.
O Gume é acutilante e imesericordioso: perfura sem dó as bestas quotidianas e com os seus restos faz um arroz de cabidela que devora impiedoso lambendo, sem maneiras, mãos e beiços.
O Gume nutre uma paixão grotesca pelo sangue das suas vítimas descarnadas: não queiram ser inimigos do Gume!
O Gume vai dominar o espaço português e depois disso quer conquistar o Mundo! Acautelem-se: O Gume tem um plano!
O Gume é, sem escrúpulos, megalómano e magnânimo.
O Gume é um assombro.
O Gume mete medo!
O Gume não é Comunista mas come criancinhas!
O Gume não é de esquerda, nem de direita, nem do centro:
O Gume é de todo o lado e despreza democrática e plenamente todos os partidos políticos.
O Gume insulta sem modos por entender que os modos desprestigiam o insulto.
O Gume não tem religião mas todas as religiões incluem o Gume e se esventram, incautas, com os seus contrasensos.
O Gume diz que os Judeus deviam governar Portugal para acabar com o buraco financeiro.
O Gume é Fiel.
O Gume é Desportista.
O Gume é parcial por saber que a imparcialidade é o Mito de Couro com que se encobre o hipócrita.
O Gume não quer ser árbitro, quer ser carrasco.
O Gume tem sempre fome.
O Gume quer sempre mais.
O Gume é o pasquim do absurdo!
O Gume é ideologicamente pornográfico.
O Gume é sublimamente erótico.
O Gume é perfidamente obsceno.
O Gume não se lava para não se sujar continuamente com a podridão Humana.
O Gume é Venenoso.
O Gume é Bélico.
O Gume é Feliz.
O Gume não é nacionalista, é Nacional.
O Gume é o Gume.
O Gume tem bis,
Mas nunca se cansa,
Nunca se repete,
Nunca se curva,
Nunca está desprevenido,
Nunca aceita ordens,
Não tem hierarquias,
Não tem depressões,
Não tem fraquezas
Não tem falhas no rosto.
O Gume não tem papas na língua,
Não tem hesitações,
Não tem dúvidas,
Não se engana,
Não recua:
O Gume é Essêncial.
O Gume é Revolucionário,
O Gume é Puro,
O Gume é Inovador,
O Gume é Original,
O Gume é Perfeito,
O Gume é Brutal.
O Gume luta com cravos, com espadas, com penas, com o que tiver à mão.
O Gume é um Poema.
O Gume é um Incêndio.
O Gume é Único.
O Gume quer a discussão construtiva ou o vaticínio aniquilador, mas não tolera o debate vazio.
O Gume tem ideias, dá ideias, pede ideias, quer ideias, idealiza e impõe que não há ideia sem acção.
O Gume vai arrasar metaforicamente o Palácio de São Bento e o Palácio de Belém e o Palácio da Preguiça Universal.
O Gume vai arrasar fisicamente as banalidades do tédio, as casmurrices dos tolos, as ignorâncias do ódio, os estapafúrdios da lógica, as tiranias da lei, as cobardias da força, a mesquinhez da discriminação.
O Gume tem a cura para a estupidez: açoitar até à morte os idiotas.
O Gume é Inacabado e Inacabável.
O Gume é Fraterno.
O Gume não exclui, elimina.
O Gume quer,
O Gume pode,
O Gume manda.
O Gume veio,
O Gume viu,
E já venceu.
Celebrações!
Olha o Gume!
O Gume saiu à rua!
Viva o Gume,
Viva o Gume,
Acendam velas!
Toquem sanfonas!
Façam fanfarras!
Apaguem a luz ao dia!
É o Prometido!
É o Desejado!
É o Messias!
Nasceu o Gume! Nasceu o Gume!
O Gume nasceu!
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:04
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo

O Leão Sem Juba

Sopa de Facas, Chafurdar na Lama

 

Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

Gumoctopus

Últimos Golpes

É Oficial

O Gume Descansa

Fair-Pay (O L Perdeu-se N...

D' ETA Vez É A Sério!

E Depois Dos Votos, Obama...

Dióxido de Carbono Em Min...

Liberdade Individual A Vo...

BPN (The Bank Robbers)

White Out (Para o Fim do ...

Melancolia De Um Dia de I...

Das Lágrimas

The Book and The Cover

2010 - O Gume Está Lavado...

Adeus Ano Velho!

História de Família (De 1...

A Vantagem da Ingenuidade

Liliana (Um Livro Aberto)

Estranha Rábula

Do Medo (Livre/o Abordage...

Justiça Terrestre (À Falt...

Sras. E Srs., Parece Cert...

O Anticristo (Quase Liter...

Sonha E Serás Mestre!

Rouba em Paz E Que A Benç...

Lisboa Está de Luto (Temp...

Segundo Gume Apresenta......

O Que As Malvadas Nos Faz...

Mundo Binário

Senhoras e Senhores, Em E...

Borracha Sobre As Más Exp...

Um Manifesto Muito Sério ...

Denúncia De Uma Esteticis...

Mãe, Pisei Uma Pastilha E...

O Gume Reflecte - Fisio-P...

Algodão Doce (Memórias da...

Dia das Gomas (Recentemen...

Post Sentido (Come e Cala...

VENDE-SE: ÁGUAS FURTADAS ...

O SubConsciente Explicado...

Partilhou-se Na Net Esta ...

O Gume Lança O Mote Para ...

Twittership (Seja Lá Isso...

Andorra, Dezembro de 2009...

Um Mau Post Sobre um Mau ...

Sobre O Meu Melhor Romanc...

Prevenção Gripe A: Protej...

O Gume (Re)viu... Memento...

Brevíssimas Sobriedades (...

A Bíblia de Jerusalém Rec...

Pergunta do Dia Que Se Ag...

O Gume E O Tempo

Agosto 2012

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Que Farei Com Estes Gumes?

todas as tags

blogs SAPO

Roubar as Facas