Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

É Gordinho e Quer Seguro! Mas Brincamos???

Com base no Diário Digital que se baseou no Diário de Notícias que se baseou no Diário da República que se baiseia normalmente no Diário dos Parvos, o distintíssimo Sr. André Antunes brindou o Gume com mais uma pérola de investigação social:

 

Nos primeiros seis meses deste ano, a Deco recebeu 241 queixas contra seguros de vida, sendo que 90% destas reclamações dizem respeito ao seguro associado ao Crédito à Habitação. Isto foi dito ao Diário de Notícias por Graça Cabral, porta-voz da associação de defesa do consumidor.

A maior parte destes casos está relacionada com pessoas com «doenças crónicas, do foro oncológico e com deficiências físicas».

De acordo com o jornal, são várias as pessoas que não podem comprar casa devido à impossibilidade de fazer um seguro de vida, por motivos ditos de "saúde".

O que o Gume crê dever fazer notar é a evidência da discriminação descarada das Seguradores, que, de tão confiantes, entendem não ser necessário esquivarem-se aos maiores absurdos. O mais insólito de entre eles deu-se quando um jogador da selecção nacional de râguebi foi pedir um crédito à habitação: A seguradora recusou-lhe o seguro de vida, porque... ele era... obeso...

Sim, é verdade, coisa anormal num jogador de raguebi, o visado nao segurável pesava uns horripilantes 110 quilos, com apenas 1,70m de altura, tamanho, como se sabe, típico de meia-leca, ainda para mais num país como Portugal em que somos todos muito, mas mesmo muito grandes.

A discriminação, já se sabia, é imagem de marca no nosso país tacanho. Mas este caso, que relfecte em pleno a realidade nacional de acesso a empréstimos (através dos seguros de vida) é um verdadeiro hino à patetice. A Banca vai apertando cada vez mais o cinto, com o aval do Governo, das suas leis estapafúrdias que apenas visam o lucro sem olhar a meios. São, cada vez mais visivelmente (e é esta visibilidade despreocupada que para nós é tão extraordinária), autênticas sangussugas. E o requintado snobismo com que agora escolhem os alvos que vão sugar é uma curiosidade digna de Museu. O candidato a creditado deve pois, agora, para além da apresentação da sua árvore genealógica, da família até à terceira geração, dos amigos até ao quarto distrito, dos vizinhos até ao quinto andar, dos documentos até à sexta repartição administrativa e dos 1001 fiadores, estar dentro dos parámetros físicos e estéticos pré-delimitados de acordo com o Regime-de-Avaliação-Bancária-Por-Parâmetro-Artístico, em que se aconselha, para senhor ou senhora, a silhuieta 86-60-86 e, em caso de impossibilidade, e por Benesse Especial, total elegância Gúmea.

Em última análise, por pensarmos na Economia Nacional, com estas medidas de exclusiva protecção empresarial, tudo estaria bem... Não fosse dar-se o caso de... a grossa parte da Comunidade Directiva e Gestora do nosso distinto país ficar, devido às suas medidas típicas de classe bem alimentada (e seguindo-se a regra à letra), autimaticamente excluída da possível obtenção do Seguro e, como tal, do pretendido crédito... E isto sim é grave; pois, a este ritmo insalubre, dentro em pouco, ninguém tem onde morar...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Magro e com esperanças! Feliz/
Sem Som: Fat Bottomed Girls
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:26
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 30 de Julho de 2008

A Confissão do Desejo

Sou arrogante, confesso-o. Chego a ser um bruto. Sou orgulhoso e soberbo; sem justificações convincentes e regradas, declaro-me genial. Sou teimoso, sou felino, sou irónico, sou sarcástico, sou cáustico, sou cruel e sou mau. A minha unicidade é um assombro! Sou interminavelmente inteligente e apático, intratavelmente humano e louco, incompreensivelmente além e deslocado de tudo! Ah, Humanidade! Alguém que me açoite! Sim, batam-me, batam-me! Rufem-me como um bombo! As minhas orelhas são timbalões abanando, as minhas costas são de lona sêca, os meus membros são pratos e a minha cabeça é uma tarola agastada. Batam-me com força! Musiquem-me! Orquestrem em mim o vosso ódio por moer do corpo e o vosso tédio por queimar! Dêm largas em mim à vossa raiva por deitar ao lixo e à vossa frustração de falhar em tudo! Eu quero expiar a Humanidade inteira por ser maior do que ela! Eu quero que me aniquilem! Eu quero que me amem! EU NÃO SEI O QUE QUERO! Eu quero que pudesse querer querer o que quisesse e que tudo o que quisesse se fizesse de facto! Eu quero que me anulem, me neguem e me contrariem! E que depois me exaltem e glorifiquem e me achem o maior dos maiores, o deus dos deuses supremos e absolutos. Eu quero que me matem por inteiro deste espaço mesquinho e prático da vida e que depois me renasçam como a Fénix, e que depois me consolem com um sem fim de beijos, e que depois me abracem com um não poder de saudade, e que depois me reclamem e me adorem, e que depois me idolatrem, e que concordem comigo…
 

 


 

(Lisboa, 28/12/99)
Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: O Colosso d Rodes, d Lisboa, d
Sem Som: Pathéthique, Piotr Ilyitch Tchaykovsky
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:48
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Terceira Sessão -Crime e Castigo

A Sessão de hoje (vaticinou-me o Tomé) é inteiramente didáctica. Comecemos por este quadro:




 

 (Será que o mafarrico, já fingia aqui ler a Bíblia, para estar afinal a ler a Alexandra Solnado? Rafael, neste retrato que tirou, não nos esclarece...)
  
Bem se vê uma cena plácida, com a virgem emoldurada numa bela paisagem, sustendo no colo um ternurento Cristo que, apesar de uma expressãozita algo traquina, promete obediência, diligência e respeito. Ora, reza a lenda, porém, que, a dado ponto da sua juventude, o Cristo encrava incautamente na idade dos namoricos e das paixonetas descabidas. Por força disto, começou a frequentar locais mais duvidosos, e a dar-se com as piores meninas do bairro, as mais lascivas, as trapaceiras, as sanguessugas! E, entre esta mulherada da má vida, o bomdo Cristo vai de se pôr à conversa, veja-se bem, com a Alexandra Solnado! A notícia, como é óbvio, chegou depressa aos ouvidos da Virgem sua mãe, que, rubra de natural indignação, mal deitou garras ao malfadado catraio, achou por bem impôr a disciplina, através de um tradicional correctivo. O fotógrafo Max Ernst registou o momento:
  


 
(Breton e Éluard também estão a assistir. Abstiveram-se porém de testemunhar on the record para o Gume...)

 Ora então - gritava a Virgem, desvairada, -ora então, meu mafarrico, a andar pela noite, nos bares, nos copos, na canabis, e a dares-te com essa lambisgóia da Solnado?! De tanta mulher rameira, tens de escolher a pior, meu doidivanas?! Meu devasso?! Ora toma! - e era ver a vigorosa virgem a arrear o pobre cotomiço... - E então a falares-lhe do Mundo?! - continava a mãe, indignada, - E a recomendares a Bertrand?! A Bertrand, meu burro?! E do Chiado?!!! Ora anda cá que eu já tas canto! - E, dito isto, enfiou mais umas chibatadas no gaiato que chorava a bom chorar. - Lágrimas de crocodilo! - repreendia-o a santa, inamovível, - pensa no choro antes de asneirares, meu bronco!!! - E tumba! Mais uma vergastada fervorosa... Enfim, meus amigos, não quero entrar em pormenores desagradáveis. O que sei (porque o vi com estes dois que a terra me há-de comer...), é que, depois do castigo dado pela Virgem ao crime irresponsável do gaiato, ele ficou neste estado lastimoso, como tão bem representou Rembrandt (que também esteve lá):




 
(Os amigos mais chegados, alguns deles habitués da noite, ajudam, com esforço, à recuperação do maltrapilho...)
 
Ora, dado isto, é esta, irmão, a lição de hoje:
 
VÊ BEM QUEM SÃO AS TUAS COMPANHIAS.
 
O Mundo é um antro agreste, e cada gesto teu tem consequências que podem ser bem desagradáveis: a melhor delas é apanhares uma boa surra. A pior... nem é aqui mencionável... Pois que se o próprio Cristo leva tamanho enxerto, imagina tu, ò desgraçado!, que não tens a benção de uma cunha!
 
Salvé!
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:10
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

No Divã de Sigmund Freud – Opiologia:

È verdade, senhor Freud. Estava para lhe falar há há muito tempo, mas penso que nunca tive coragem. O que se passa é isto : tenho sido um menino terrível. O senhor, claro está, vê em mim o corpo do adulto que eu sou, apesar, ainda, deste rosto imberbe. (Com certeza, aqui tem o tabaco, sim, bem sei, falar-lhe dos meus pais…). No entanto, este homem exterior esconde, como um vestido muito espesso e comprido que fica muito abaixo dos pés e muito acima do pescoço, um menino pequeno, traquinas, infantil, ingénuo e amedrontado. Pequeno porque é, no seu íntimo, a mais insignificante das criaturas na Terra; traquinas porque nasceu com este defeito diabólico da hiper-actividade na alma, com esta irritante ebolição ininterrupta do intelecto; infantil, porque cede muito aos caprichos do desejo que é, como se sabe, um capricho, exactamente por se negar o prazer de ser desejo após a consumação - isto é: quer o longe mas desdenha o perto, estando sempre longe o que deseja, a sua louca vontade inconsumada. Estou a fazer-me entender? (Não. Estou bem assim. Não quero por agora encostar-me. O seu divã, se me permite, também parece muito confortável. Talvez um dia possamos conversar sobre os seus pais para variar…). Onde é que eu ia? Ah! Ingénuo… Ingénuo porque se deixa enganar facilmente pela verdade que já há muito conhece. Penso neste caso que tal absurdo sucede porque, conhecendo a razão das coisas, pretendo ser descartiano e socrático e acabo, como São Tomé, por tocar a pele da verdade e continuar, ainda assim, sem querer (por capricho, uma vez mais por capricho) acreditar nela. Porfim, amedrontado, porque a relação indisfarçável que qualquer ser vivo tem com a natureza, a relação mais básica, mais animal, é, por força deste maldito instinto de sobrevivência, de puro terror. O ser que vive vive na eterna expectativa de um qualquer mal exterior lhe surgir do vácuo para lhe cortar a cabeça. Conhece o senhor situação mais ridícula? Se sim, não ma conte. Não tenho qualquer vontade de aniquilar o meu sistema… (Sim, por favor, um pouco de água). Quer então que lhe fale dos meus pais… Da mãe em particular… Bom… Era uma pessoa famosa, por isso faço por não falar muito dela. Vem na Bíblia, inclusive, o livro mais lido do Mundo, sabia? Quem é? Pois não se está mesmo a ver? A Virgem? Que disparate, senhor Freud! Eva? Não, também não, era demasiado púdica para fazer de Eva. O senhor tem ideias brilhantes sobre a sua mãe, mas já vi que não percebe nada das mães dos outros. Não. A minha mãe, senhor Freud, era a serpente. Não podia ser outra aliás. Na verdade é louca. Teve um pesadelo depois de ver a Branca de Neve e não pára de dar maçãs às pessoas. Foi por isso que a Humanidade se perdeu. Quer um culpado? Deixe o Diabo em Paz! Que tem ele com isso? Culpe, pelo interminável sofrimento do Mundo, esse feiticeiro pérfido que foi Walt Disney e os abomináveis Grimm que engendraram o conto do terror popular. Só uma mente sórdida a um grau infinito poderia conceber uma bruxa que é uma feia velha com verrugas, capaz, por simples vaidade e inveja, de matar uma criança através de um gesto de amor: oferecer-lhe um fruto… Foi assim, senhor Freud, que eu vi a Branca de Neve: através daquela oferta singular, representativa do afecto que uma geração mais velha nutre pela outra mais nova, representativa do amor de um avô por um neto, representativa, enfim, da oferta que perpetua o sangue de uma família ou de um grupo particular, Walt Dinsey, e os Grimm antes dele e a tradição germânica de contextos negros, destruiram um símbolo: o símbolo da felicidade possível, da simplicidade das coisas, da placidez perfeita do Universo por meio da honestidade básica das relações humanas. A maçã da bruxa má veio dizer que não era uma maçã mas um coração humano que fôra fechado num frasco e que azedara por ter estado lá dentro, sem respirar o ar da natureza. Nesse dia eu percebi que há uma sombra por detrás de cada coisa, que se chama maldade. E essa coisa é a projecção de um coração que foi deliberadamente (por loucura, por simples loucura) deixado a azedar dentro de um frasco. Foi nesse dia que a minha inocência se perdeu.
Sim, claro, a minha mãe… Se a vi nua? Não sei dizer-lhe… Lembro-me de lhe ter visto o corpo nu por de dentro da pele, isto é, eu vi-lhe aquele interior de ossos e artérias e de nervos a que os espiritualistas gostam de chamar de alma. Talvez seja por ela ter enlouquecido, mas nesse corpo por debaixo das roupas por debaixo da pele, só consegui ver ódio e dôr. Soube assim que a minha mãe era uma serpente em cujo interior vivia outra serpente que a roía com tanta voracidade que a cada ano encolhia mais um pouco. Eu sei assim que ela um dia vai simplesmente desaparecer, como um gaz que se evapore pela atmosfera…
Enfim, era o que lhe dizia… Sou um menino difícil e, como é natural, por consequência disso, os meus pais estão tristes. A rigor, eu não conheço, mas amo muito os meus pais. O amor é algo de espontâneo, instintivo e incontrolável. É uma manifestação empírica do corpo que não pede comprovações para além da manifestação evidente e involuntária de si mesmo. O conhecimento, pelo contrário, pede já que se afira e que se prove e tal objectividade é manifestamente impossível seja para quem fôr. Nem tampouco os objectos podem ser reclamados como entidades sobre as quais se produziu um juízo objecitvo. O senhor também o sabe, senhor Freud, que sem os delírios que oferece o seu cachimbo o mundo não tem outras medições que não a do seu observador. Em delírio, claro está, já o caso muda de figura: um delírio tem regras muito próprias e não precisa de um observador para se manifestar. Porque ele é em simultâneo o olho que vê e a coisa observada, o dentro e o fora, o aqui e o ali, o depois e o antes, o nunca e o já. O delírio é o cruzamento irresponsável (e por isso feliz) de todas as dimensões e é no seu absurdo injustificável que reside a sua lógica perfeita e inabalável. É por causa do seu delírio, senhor Freud, que o senhor é tão incisivo nas suas apreciações. O seu valor não está portanto no que diz mas na sua capacidade de suportar o delírio. Porque o único problema do delírio é a dificuldade que há em suportá-lo. Imagine, por exemplo, que aquele que delira perde definitivamente o contacto com a realidade… Imagine, por hipótese absurda, que não deixava de falar da sua mãe… Não iria o doente pensar que era na realidade o médico quem estava a precisar do fútil e inconsequente tratamento da Psicanálise? (Sim, serei breve e regressarei depressa ao tema dos meus pais. Uma última abstracção antes disso, não obstante):
Que acontecimento trágico marcou a sua infância para que se tornasse dependente de ópio e cocaína e vivesse assombrado pelo complexo de Édipo? E se Édipo é para si tão importante, o anti-herói trágico por excelência, como explica que a sua cegueira seja simplesmente metafísica? (Dou-lhe a liberdade de me responder a isto mais tarde…)
Continuemos então. Expliquei-lhe já que tenho uma mãe e um pai. O fenómeno é, à primeira vista normal, comum a qualquer um dos mortais, não fosse dar-se este caso:
A minha mãe têm existência apenas na sua vida artística, no palco das suas manifestações e não na realidade palpável da minha vida quotidiana. Isto é: ela surge na Bíblia e no filme de terror de Walt Disney, como já lhe contei, e, para além disso, no meu album de fotografias. Lá, aparece com uma expressão teatral de alegria e amor. A expressão é tão perfeitamente teatral que se torna falsa demais, até para o teatro. É deveras impressionante e admirável, senhor Freud, o seu rigor artístico. É por isso que ela é, inegavelmente, uma grande estrela. Aliás, a maior de que me lembro. Conhece outra maior? (Não. Aqui não tenho mais tabaco. Experimente aí desse lado, dentro da escrivaninha. Eu já me levanto para ir buscar mais ao quarto).
O meu pai… É um sujeito com uma altura razoável, acima da média, eu diria… Quase nórdico. Quase, porque nasceu cá e não lá. Se lá tivesse nascido, sê-lo-ia, creio eu, inteiramente. Ele é importante porque paga as contas. Foi assim que eu distingui o seu afecto: o dinheiro é uma manifestação de afecto na nossa sociedade. Creio bem que a única manifestação possível. Gostar muito de alguém reflecte-se então por se lhe oferecer muito dinheiro e o contrário disto também se comprova na proporção inversa: detetestar alguém é levar essa pessoa à miséria. É curioso, todavia, constatar que se eu roubo muito dinheiro a alguém estou a fazer dessa pessoa um miserável, mas se lhe dou muito não consigo, jamais, enriquecê-la o suficiente. Este é o grande paradoxo da matemática do afecto. Esta é, também, mais uma consequência clara do síndroma da Branca de Neve e da Loucura da minha mãe. Demasiadas pessoas comeram a maçã e ficaram com a alma envenenada…
O meu pai tem então assegurada, por via financeira, a sua importância extrema na minha sensibilidade poética de filho pródigo por vontade alheia. Assim sendo, não faz diferença que não surja, por uma única vez, no album de fotografias. Não é que ele não esteja lá, senhor Freud. Por via do seu afecto económico, ele está presente no meu coração e nas minhas recordações e, consequentemente, no meu album fotográfico. Limita-se, porém, a passar discreta, invisivelmente pelo album, como um vampiro passa diante de um espelho.
Como lhe disse, não conheço, mas amo os meus pais. Eles, pelo contrário, conhecem-me mas não me amam. E é nesta combinação de opostos que jaz todo o equilíbrio da nossa relação perfeita. Eu sou o eixo por onde eles se balançam no seu jogo de forças, no seu confronto de verdades escondidas e de amarguras por raspar de um Passado distante e inútil. O meu pai é a Estátua da Dignidade, a Perene Efeméride da Boa Aparência. A minha mãe é o Desejo de Nero personificado, a imagem da Hierarquia Superior com a sua horda de escravos, a inspiração da lira do artista mortal sem a boa sorte do talento. Ele projectou a aparência e deu-lhe uma impressão de verdade. Ela queimou essa cidade exterior para lhe investigar arqueologicamente os destroços. Ambos se dizem amantes da arte. E no entanto, senhor Freud, uniram-se para criar um monstro. Sim. Sou eu. Eu, o adulto de rosto imberbe que é uma criança por detrás do rosto e corre aflito pela estrada dos sonhos a gritar pelo brinquedo de Ser que deixou esquecido num desejo antigo. Eu, que me reinvento na sua Psicanálise. Eu que o reinvento para gostar de mim. (Dê-me um instante, já venho).

(…)

O seu tabaco. Bom, a conclusão é esta:
A minha infância, senhor Freud, é filha da Psicanálise.
A minha adolescência é enteada da Psiquiatria. (Alguns psicólogos também fizeram questão de vir visitar-me. Ou foi o contrário? Agora, confesso, não tenho bem a certeza… Adiante.)
A minha maturidade é orfã.
EU SOU UM ADULTO APARENTADO. Quer isto dizer no meu neologismo semântico, sem progenitores. Está a ver a razão da minha dôr?
Há já alguns dias que venho sonhando com lobos. Eu visto um capuchinho vermelho e passeio no bosque das minhas invenções quando ouço uma voz de fauve que me chama. «Quem é? Quem está aí? Que queres?» Pergunto aterrado. Mas o vento traz-me um uivo colossal. E neste momento eu abro os olhos. Que quer isto dizer? Que quer isto dizer?! Não diga nada, pois já achei eu mesmo a resposta do sonho. O sonho quer apenas mostrar-me que eu ainda consigo abrir os olhos quando, na verdade, o Universo exige que os meus olhos se fechem. Está a ver este alfinete-d’ama? Encontrei-o outro dia entre as páginas finais da tragédia do Édipo. Foi com isto que ele viu a verdade e com isto verei eu a minha. Porque a cegueira, senhor Freud, não está no que não se vê, mas, precisamente, naquilo que os olhos vêm e não podem ou não querem compreender. Todas as vistas são uma nuvem que esconde a essência das visões. A verdadeira face do vento que me uiva durante o terror dos sonhos só pode aparecer-me quando eu não puder mais abrir os olhos e eles se acharem completamente fechados. A noite aproxima-se. Tenho algum medo. Não do que me espera mas do que não estou à espera de esperar: da desilusão de um imprevisto. O que está por detrás do lobo? O sono, o sonho, o bosque, o uivo, o vento, o lobo, a névoa… eu.
Como é isto senhor Freud? É possível que o meu espelho seja a única originalidade da Psicanálise?
Que frustração! Isto é afinal um meio como qualquer outro de matar o tédio! O senhor não é um homem excêntrico e singular, nem tampouco um investigador, um cientista, um médico, um intelectual, mas, tão só, um pobre velho mortalmente aborrecido! Que consternação! E esses subterfúgios da paternidade, são o quê afinal? Um banal tema de conversa? Um quid pro quo das genealogias da espécie? Pura quadrilhice? Não tinha um tema mais interessante para chegar ao tutâno da alma, isto é, a si próprio?! Ora francamente! Que vergonha!
Vejo que se mantém a olhar-me com o seu ar intelectualmente superior, como um médico seguro olha um louco. E é talvez nisso que reside toda a sua sabedoria: nessa segurança arrogante e suprema que só um bom delírio pode conseguir. De facto, senhor Freud, vejo (sem o ver fisicamente, o que é melhor) que tem toda a razão. O delírio é a lógica elementar do Universo e a mais íntima e sólida razão que há no corpo. A paternidade é uma questão trivial sobre a evolução a partir da génese cuja importância reside em abrir portas à regressão à genese permitindo assim que se fale de tudo. Eu sou o Sistema Solar e Lunar e Terrestre e Infinitesimal de mim mesmo multiplicado num sem fim de consciências, que se justifica pela simples circunstância de ser; isto é, filosoficamente falando, de se aperceber de qualquer coisa a partir de si mesmo (que não tem forçosamente de ser a afirmação de que é). E é a manifestação de tudo isto que forma um momento perfeito. Efectivamente, senhor Freud, o senhor é um sábio… Mais ópio?

(Lisboa, 12/12/99)
Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Under the White Light
Sem Som: De Câmara
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:53
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 29 de Julho de 2008

Sonho?! Eu Adoro A Realidade! O Que Há de Mais Risível???

Graças ao meu colega e espero que futuro amigo André Antunes, que vai agora dar o grande passo do casamento e a quem desejo sinceramente as maiores felicidades (o Gume, é verdade, tem destes momentos de sentimentalismo) posso partilhar convosco este Hino ao absurdo e à Estupidez Humana, em que, a única vítima na história, inteiramente desprovida de culpa é... um gato...

 

E reza assim:

 

 «O indivíduo que baleou os vizinhos por acreditar que um deles, pelo facto de ser homossexual, estaria a sodomizar o seu gato foi hoje condenado, no Tribunal

São João Novo, Porto, a cinco anos e seis meses de prisão efectiva.

José Maria Correia, 53 anos, empregado de mesa há 32, foi condenado pelos crimes de homicídio na forma tentada e detenção de arma proibida.

O tribunal deu como provado que, em 27 de Outubro de 2007, José Correia pediu a Anabela Cruz Silva (atingida pelos disparos), que se encontrava no pátio das

habitações, que a ajudasse a resgatar o seu gato que havia fugido para um terreno contíguo.

Na impossibilidade de Anabela Silva poder responder à solicitação do arguido, o vizinho José Pedro Macedo, que estava à janela da sua habitação e se

apercebeu da situação, prontificou-se a ajudar no resgate.

Quando José Correia viu José Pedro a tentar apanhar o gato começou a proferir expressões injuriosas sobre a sua orientação sexual.

Assim que consegue capturar o animal, o vizinho de José Correia desloca-se para a habitação do arguido, ficando Anabela Cruz no pátio, onde foi atingida pelos

disparos de uma pistola Browning, de calibre 6.35, pertencente ao arguido.

Provou-se ainda que José Correia acreditava que a pessoa no pátio era José Pedro e estava convicto de que «este era homossexual e que pudesse ter havido

contactos de natureza sexual entre o vizinho e o gato».

No seguimento dos disparos, Anabela Cruz, professora de ensino secundário, foi transportada para o hospital de São João onde foi submetida a uma intervenção

cirúrgica da qual resultou uma cicatriz de 23 centímetros.

O tribunal deu ainda como provado que José Correia agiu deliberada e conscientemente com o propósito de tirar a vida a José Pedro, considerando a sua postura

durante o julgamento «profundamente desconcertante» e com um «comportamento homofóbico».

Durante as buscas policiais foram encontradas 38 munições em casa do arguido, conhecido por «Zé Pistoleiro», como contou Maria da Conceição Volta, tia da

ofendida.

O juiz-presidente, João Amaral, considerou que o motivo que desencadeou os factos «é torpe».

«Dar um tiro em alguém por ser homossexual e por supostamente ter tido relações sexuais com um gato que ajudou a resgatar, e por isso o animal ter ficado

paneleiro, é talvez o motivo mais torpe que eu já vi na minha vida», frisou o magistrado.

Esse motivo é revelador «de uma insensibilidade atroz pela pessoa humana», referiu João Amaral lembrando o caso do transexual Gisberta que morreu às mãos

de jovens menores e comparando o comportamento destas com o do arguido.

José Correia foi ainda condenado ao pagamento de mais de 22.000 euros pelos danos patrimoniais e não patrimoniais causados a Anabela Silva.

À saída da sessão Luís Manuel Silva, advogado do arguido, referiu ainda ser prematuro exprimir qualquer opinião sobre a sentença, admitindo porém que «se

não houver matéria suficiente para recorrer parece que a pena é equilibrada».

José Luís Quelhas, advogado da assistente Anabela Silva, admitiu que a cliente possa achar que a pena devesse ser superior mas não pensa recorrer da

sentença».

 

Diário Digital / Lusa

 

 

 

 

 Portugal já há muito não nos habituou a este circo. Não fosse tão triste ao nosso quotidiano, tudo isto inspiraria as maiores gargalhadas. Mas o maior escandalo com que o Gume se defronta é que, entre preocupações de professora secundária, Gilbertas ou lá como é, e homofobias, ninguém se tenha preocupado em defender a honra manchada do gato.

 

Por muito menos do que isto já ganhou milhões o Sr. Robert Murat...

Enfim, é o Mundo que temos...

 

                                      

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:12
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 28 de Julho de 2008

Todo o Mal Está Na Génese...

Deus rezangou-se com a Humanidade e decidiu quebrar a antiga promessa (que originou o arco-iris) e desencadear novo Dilúvio. Chamou Noé Conceição da Silva e mandou-o fazer uma arca, o que Noé, obediente, fez:

 

                              

 

Deus percebeu o seu erro e disse a Noé: Não, o que quero é isto: ... E apresentou o desenho:

 

                                 

 

 

Compreendido o engano, Noé fez o tipo de arca encomendado e apresentou-a a Deus que, ainda assim, encontrou motivos para críticas:

 

                             

 

- Olha lá, ò Noé, esta merda parece mais uma caravela do que uma arca! Eu não quero conquistar o Mundo (que já tenho!) mas guardar os portugueses que ainda valem a pena, percebes? E um ou dois animais, aos casalinhos, para poder divertir-me na banheira! Onde é que tiraste o teu curso de carpinteiro pá?!

- Mas, ò Altíssimo, eu não sou carpinteiro, a minha profissão é lava-tachos no Restaurante «O Palheiro»!

- E eu com isso?! Como não sabes tu montar uma arca? No meu tempo toda a gente trabalhava a madeira!

- Pois, Altíssimo, mas o Progresso...

- Olha lá, meu parvo, então porque achas tu que eu vou lançar o Dilúvio?!!  Eu odeio o Progresso! Por isso mesmo decidi salvar exclusivamente os portugueses, o povo mais estúpido do globo! Mas tu abusas! É evidente que foste demasiadamente abençoado! São todos como tu, no teu trabalho?

- Eu sou o mais inteligente lá do Restaurante, Senhor...

- Meu Eu! Afinal sou Eu o imbecil! Que fui fazer???? E Eu que me julgava tao cool!!!!

 

 

 

                                                 

 

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:03
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 27 de Julho de 2008

E Depois de Catilina...

... O Cícero Moderno lamenta-se dos seus padecimentos no insossego do lar... 

 

" Ò têmporas!, Ò 'môres, dai-me um descansozinho, dai!

Mais silêncio minhas pombas! Dispersai, dispersai!

 

(Mulheres...)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:30
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 26 de Julho de 2008

2 Hinos ao Burlão Prático - Engana Tu Também A Vida!!

1º Hino:

 

O SUICIDA: Por certo hoje decidiria matar-me não fosse a minha falta de coragem.

O HOMICIDA: Por certo hoje decidiria matar-te não fosse a minha falta de coragem.

O BURLÃO PRÁTICO: Olha uma mosca! (Zás!) Para matar moscas não é precisa coragem!

 

2º Hino:

 

O PREGUIÇOSO: Não custasse tanto ao corpo, mataria esta mosca.

O ACTIVISTA ANIMAL: Não custasse tanto à culpa, mataria esta mosca.

O BURLÂO PRÁTICO: Matei-te porque foi preciso.

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:47
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 25 de Julho de 2008

Beware or "Bedead"?

Gonçalo Amaral lançou esta quinta-feira, dia 24 de Julho, às 18h30, no Restaurnte do Piso 7 do El Corte Ingles, em Lisboa, o polemicíssimo livro: Maddie, A Verdade da Mentira. O livro, como nao podia deixar de ser nestes casos, está cheio de revelaçoes, suspeitas, implicaçoes.

Os McCann, inocentes como a Virgem (que pecou, como se sabe, imaculadamente), numa reacçao natural de quem nao tem qualquer culpa, vieram já advertir:

 

"Ele que tenha cuidado com o que diz!"

 

Cuidado, ò Amaral! Se estes senhores, apesar de serem anjos, despacharam sem piedade (em teoria, claro está, em teoria) o corpo inerte e frágil da sua própria filha, que dificuldade poderao vir a ter em despachar um enfadonho, incoveniente e já gordinho ex-inspector de polícia?

 

Ainda p'ra mais português! O Sr. anda a brincar com a vida, Sr. Amaral, anda a brincar...

Mas um dia...

 

 

  You can not grasp what a McCann can do!
Our heart's of
can - and it will pierce you through!

 

HooHooHooHooHoo...

 

 

 

 P.S:

 

Este disparate completamente infundado foi o Gume encontrar na Biblioteca Municipal de Sobral de Monte Agraço (e pensar que tudo começou com um Parque Infantil e com um detergente que lavasse tudo!!) e diz, como é evidente, muito respeito (e em exclusividade) a uma aventura de piratas inglesas que apoquentavam marinheiros Sobralmontagralences no século XVI, no tempo em que a auga marítima achegava às ribas desse bonito lugar.

O resto do poema fala em Ho Ho Hos e bottles of rum.

 

Sem interesse...

 

P.S.Numar2: Se os Srs. Maken e McBarbie, poderem agora fazer o favorzinho de ameaçar também o Gume, o circo agradece.

 

                                  

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:19
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Muito Mesmo... - De Uma Entrevista

Fernanda Freitas, entrevistada no Sexta, esta sexta,  na qualidade de "membra" da Fundaçao Gil, diz que...

 

"Os portugueses sao um povo muito solidário,

Digo, solitário,

Digo, otário...

 

Muito mesmo..."      (Iú txéque má brêins!)

 

P.S:

 

Por a ter levianamente adulterado (mais exactamente às suas palavras), Fernanda, o Gume pede desculpas...

 

Muitas mesmo...

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:15
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Arrisca Um Prognóstico...

 

 

Unidos Pelo Pitróilio...

E por uma ambiçaozinha piquinina, estes dois senhores, confraternizarão sempre...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:38
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Porque No Te Callas?! 2

 

- «Porque não vamos à praia?», - (Chavez a Juan Carlos - Semanário Sol)

- Porque não vais à mXXXX? Nem a minha mulher fala tanto!, - (Juan Carlos - SegundoGume).

 

(O Gume, pior do que Deus, está mesmo em todo o lado...)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:30
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Breve Retrato Mais ou Menos Parvo (de Pequenino) do Chefe Moderno Que Por Acaso Aqui é Uma Mulher...

Estava com uma sensação de esquecimento.

Faltava-me fazer algo importante.

Vi a Agenda:

 

Despir a máscara de ET, dar corda ao cérebro mecânico, confirmar as pilhas - já está.

Dar graxa ao Dr. que é só licenciado e não é médico - já está.

Ajustar a bota à eng.ª - já está.

Moer o juízo ao subalterno - já está.

Dizer por mail, telefone e nos corredores: «Tenho muito trabalho, tenho muito trabalho ai já estou atrasada, (ai já sou atrasada!)», para que ninguém repare que estou a falar de jantares particulares e que ando a limar as unhas - já está.

Sair às 16h30, e dizer bom fim de semana - ...

 

Será que é isto que me está a faltar? Porque é que não risquei isto ainda? Ah! Ha ha ha ha ha!! Que disparate! Sou mesmo tonta! Ainda só são as 14h30, eh eh eh eh eh, faltam ainda duas horas, hi hi hi hi, que tolinha, oh oh oh oh, eu às vezes, uh uh uh uh, já viste Rita, eu às vezes, já viste Sandra, eu às vezes, já viste Sílvia, eu às vezes, já viste oh...

 

Perdão engª, com certeza, era isso, lembrei-me agora, estava com uma sensação de esquecimento... Pois com certeza, era isso, era isso, o relatório, prazos, prazos, não é? Pois, então era isso... Com certeza, engª, vou já trabalhar... o esquecimento, sabe, a sensação...

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:25
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Alguém Avise o Nuno Markl!!!

Agora sim O Homem que Mordeu o Cão:

 

Brasil: «Rapaz morde pit-bull para se defender do ataque» - (Diz que a notícia surge em vários jornais).

 

Os Cães estão de luto. O Homem já não é o seu melhor amigo.

 

(Texto de Carla Morais).

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:04
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Quando Mais é Menos, I

 

 

Eu não me esqueço do que deve ser lembrado. Limito-me a lembrar-me de o esquecer...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:50
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Da Corrupção: Porque foi que "A Montanha Pariu um Rato!"

 

Fiz-me um rato para surpreender o gato na hora de o comer...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:40
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Das Fórmulas...

 

 As fórmulas têm o dom, em Ciência, de sintetizar a essência das coisas. Daí ser importante não falhar a fórmula, para não falhar a essência...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:44
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Foi Ver... Batman, The Dark Night.

Se Heath Ledger não vencer o Oscar (que vai vencer) mesmo que post-mortem, é o Gume quem tem uma overdose. De fúria!

Tim Burton é Tim Burton, Jack NIcholson é extraordinário e o primeiro Batman da Saga nunca deixará de ser uma referência. Mas este Joker é um verdadeiro assombro e este Dark NIght é, em todos os aspectos, o melhor de sempre. Batman e os seus inimigos (interiores e exteriores) são exactamente o que deveriam ser: Complexos, complementares, torturantes, perturbados, perturbantes e... NEGROS.

 

Parabéns a Chris e Jonathan Nolan por realização e argumento.

O fã agradece. O Cinema exulta.

 

O Inconsciente é Negro.

Esta é a Fantasia da Realidade.

                                         

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Escuro, muito escuro...
Sem Som: Violinos, violinos, por favor!
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:46
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 24 de Julho de 2008

Da Pertinência de um Traço Impertinente

Na ficção fica bem o exagero, tal como na realidade, aliás. O exagero tem a faculdade poética de realçar o essêncial de um sentido. É o exagero que torna Alice especial ou, uma figura banal, heróica e carismática. Falar ou agir com exagero é, muitas vezes, adequado.

 

«E quando não é o exagero exagerado?», perguntará o sofista céptico. 

 

É muito simples: a medida do exagero está no contexto, e não na quantidade (de outro modo não seria exagero).

 

Como tal, como em tudo o que conta, aplicar bem o exagero à realidade é saber escolher a altura certa.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:57
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 23 de Julho de 2008

Outra Vez Do Amor...

Ultrapassando as dificuldades da sua relação Física, o Gume descobriu em laboratório a facilidade da sua fórmula Química:

 

2+3=5= AMOR (ao cubo!).

É evidente que não podia ser lógico.

 

A Física, por ser demasiado concreta, tem o condão de nos criar dificuldades. Não penses sobre o irracional. Isso é o princípio da Loucura.

 

(Afinal estar louco é um bálsamo. O Gume quer ir para Arkam - Chamem Joker e Lovecraft -

Internem-nos aha ahahha ahha ha ah ahha ha ha ha ha ahaha haaa....)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:03
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 22 de Julho de 2008

Grandes Frases, Pequenos FIlmes 2, "Big Trouble in Little China": Good Life, Bad Life?

 

Então, tu queres vencer na vida?

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:07
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Isto Dava Uma Série de TV...

Arquivado o caso Maddie. ´De novo o alarido. Os media aproveitam o último lampejo de história para tentar vender. Neste "Circo de Feras" só distingui uma vítima: A Desaparecida.

 

 (Onde está o Wally?

Shiu, descansa, é só o Wally,

É só um jogo,

Só um jogo,

Só um jogo,

É só o Wally...)

 

Nao é Wall.E?

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:00
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 21 de Julho de 2008

"A Minha Pátria [Era] A Língua Portuguesa" - Agora Já Não Sei Bem o Que É...

 

 Foi aprovada a Estupidez Ortográfica. O Gume está de...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:58
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 20 de Julho de 2008

E Se Fosse Verdade? Sim, sim...

- Entao vai caçar?

- Sim, sim...

- E vai caçar o quê?

- Sim, sim...

- Como?

- Sim, sim...

- Mas você está bem, homem?

- Sim, sim...

- Bom, nesse estado, já não lhe vendo as armas...

- Sim, sim...

- Mas o que quer você tanto fazer com isso tudo, homem de Deus???

- Eu tenho um plano para acabar com a Humanidade... Sim, sim...

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:42
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 19 de Julho de 2008

Grandes Frases, Pequenos Filmes 1, "Big Trouble in Little China": Only Dreaming...

 (De John Carpenter, 1986)

 

 

It takes a dream to kill a dream and today the bad dream will die...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:03
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 18 de Julho de 2008

Corrupto, Eu??

 

«É bom que esse senhor não se meta comigo!!!!»

 

Valentão Loureiro explica, seguido pel'"A Bola", a Luís Filipe Vieira e aos Juízes, que é um senhor íntegro, honesto e inocente, só com uma pontinha de mau feitio...

 

(Breve Nota Sobre a Imagem: Em recente Conferência de Imprensa tirámos uma fotografia ao Major Valentao. Nao sei porém se, por dano do rolo, má revelaçao ou, como disseram uns gatos, "taxa de bazófia", a fotografia arruinou-se, resultando neste resultado. O bode que nos perdoe...).

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:55
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 17 de Julho de 2008

Com a Fiscalização É Que Se Faz Oposição! Com Fiscalização É Que Se Faz Oposiçao! Com Fiscalizaça...

Manuela Ferreira Leite veio dizer numa recentissima reuniao do PSD que...

 

«Há quem pense que fazer oposição é apresentar propostas alternativas. Nao é. O papel da oposição é fiscalizar a acçao do Governo!»

 

Oposição portanto, de acordo com a nossa candidata a Primeira-Ministro/a, é uma espécie de Polícia do Governo ou de Professor no Ensino Primário (no tempo em que quem dava aulas eram os padres e os familiares dos padres): Vigia e dá umas palmadas.

 

Ajudar a construir, é óbvio, nao é preciso. Necessário é ter olho de lince, topar o cábula na sala d'aula e... zás!, descer a régua felina sobre o aluno inssurecto!

 

Ora, com esta qualidade de ângulos obtusos na geometria intelectual portuguesa, poderá ser de espantar o nosso nível de progresso? Iisto é, o nosso "desprogresso"? 

E, mais divertido (ou não) é constatar que algumas das posições mais brilhantes na escala da obtusidade pertencem a membros (ditos) cimeiros da sociedade portuguesa: da elite política, económica e so... (se existir) social.

 

O Gume, que tem como se sabe opiniões muito estranhas, estava em crer que o papel da Oposição era, precisamente, obrigar o Governo a governar ... com precisão... dando-lhe todos os meios para o fazer, retirando-lhe todas as desculpas para não executar o que deve.

 

Ou seja, por meio da acção, opor-se à incompetência.

 

Manuela Ferreira Leite entende o contrário. Segundo ela (mas não segundo o Gume), toda a acção opositiva deve centrar-se na passividade inquisistiva e fiscalizadora. Talvez deva então começar por se inquirir  e fiscalizar a si mesma. Quem sabe conseguisse apurar a pertinência das suas angualres observações?

 

P.S: Manuela Ferreira Leite faz tudo à imagem do seu ídolo Cavaco:

 

Tem quase o mesmo corte de cabelo e o mesmo fato. Usa o mesmo nariz e a mesma cara fechada. Quase, quase, o mesmo tom de voz, a mesma virilidade mais ou menos delicada. O mesmo gosto pelo silêncio prolongado antes de qualuquer declaração; a mesma capacidade de coroar tal silêncio com uma rotunda gaffe...

 

 

                                               

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Parvo, sinto-me parvo!
Sem Som: De Ordem
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:21
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume É Tão Ingénuo!!!

Condoleezza Rice veio anunciar (viu o Gume na Sábado desta semana) que os Estados Unidos retiraram da sua lista de terroristas (onde estava desde os anos 60) o Humanista Nelson Mandela.

 

O Gume fez entao contas à vida. Ora, Nelson Mandela... Preso e torturado pela Igualdade, Liberdade e Etc., descriminado e maltratado apenas por ser preto, perdao negro que preto é muito feio, era terrorista???... Quer dizer que os EUA suportaram o Apartheid???!!! Até 2008????!!!!

 

O Gume reiira-se para ir chorar para o quarto (Snif!) e curar com duas grades de cerveja e uma garrafa de Eristoff (Snif!)esta desilusao amarga (Snif, Snif!).Como sabem, os Estados Unidos da América (do Norte) sempre foram para nós um ídolo (Snif!).

 

Que desilusao quando os ídolos nos desapontam!

 

                                                 

                                                         (Grande Snif...)

 

Provavelmente o problema estava no Etc...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:32
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 16 de Julho de 2008

PSP...Etiqueta...

Paula Bobone falou com o Ministro da Administração Interna. Na sequência dessa intervenção pertinente a PSP tem agora de aprender ballet e outras habilidades indispensáveis:

 

Tem de cortar, limar, pintar as unhas.

Não pode proteger com pastilha elástica - pode impressionar negativamente os ladrões. Tem de agir com rapapés.

O cacetete já é vulgar que chegue. Se quem o carrega não tem modos, que é feito da imagem nacional?

Não, não, não: quer ser agente da autoridade, coma banana de faca e garfo e caviar com a mão (se puder pagar o caviar).

Não se importe com o colete, que não faz falta.

Tem de calçar luvas, passar o fato, engraxar as botas, aprumar o boné, polir a arma, lavar a cueca, coçar a micosa, mas por dentro do bolso para nao se notar.

Nao pode ter piercing (que é muito feio)

Nem tattoo (que é muito ordinário)

Nem o cabelo penteado fora da geometria dos quatro ângulos e meio ou da careca reluzente.

Barba é feita colada à pele e o agente tem de agradecer por escrito o deixarem que a pele fique intacta.

Finalmente medidas para pôr a preceito (e em boas condiçoes) a nossa grande polícia!

 

Vivam as novas normas, em que o parecer vale tudo! Louvemos a chegada da nova...

 

PSP:

 

POLÍCIA SUJEITA A PANELEIRICES...

 

O novo símbolo já está no prelo...

  

 

 

 

 

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:13
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Novas da SIC Notícias II - Como É Que É???

"Foram roubadas duas metralhadoras da esquadra da Bela Vista em Setubal..."

 

Aumentei o volume. Esfreguei os olhos. Acabei com o stock de cotonetes para tirar a cera. Mergulhei a cabeça no aquário. Mordi o peixe (por acidente). Larguei o peixe. Mordi o dedo (para ver se estava acordado). Belisquei, belisquei. Ai vírgula chiça ponto de exclamçao doeu com maíscula ponto de exclamaçao. ERA A SÉRIO:

 

Portugal é doido, está doente o Mundo. Traz um penso, Mafalda!

 

AGORA OS LADRÕES JÁ ROUBAM A POLÍCIA.

 

O Gume vai enforcar-se e já vem.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:07
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Novas da SIC Notícias I - Mal Cozinhado...

Agora mesmo vejo o Nuno Rogeiro (com um novíssimo e bonito corte de cabelo) discursar sobre o Líbano, Israel, as trocas de presos e mortos e o homem que Israel devolveu às hostes libanesas, que, segundo Rogeiro nos explicou...

 

...matou (...) num morticínio a sangue frio...

 

Caramba!

Que forma crua de se matar alguém!

 

(Chamámos o Truman Capote, mais habituado a estas lides, para esclarecer os pormenores mais soturnos desta frialdade sanguinária. O atraso na chegada deve-se a detalhes burocráticos [coisas de pormenor] que têm sido limados [negociaçoes, negociaçoes!] com a Direcção Geral do Hades - DGH.) 

 

Descansam-se os mais ansiosos:

 

Mais notícias chegarao em breve.

Sic, mas não na SIC, forçosamente...

 

A Direcção Geral do Gume (DGG).

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:56
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

The Lord of the Flies (No Comment)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:30
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 15 de Julho de 2008

Visão de Estado: Terrorismo.

 

 

 O Sonho é a Sabotagem do Real.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:22
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Secret Subtlety

Up on the cealings, beyond the sea,

Under the carpet, over the roof,

Inside the blue jarr (inside of me)

I constantly try to erase every proof;

 

Soaped in in acid, set up to flames,

Launched in deep water, filled with cement;

Tagus and Tamise and Tibre and Tames,

I constantly sink every small evidence:

 

I'm secretly hiding your name in the shade

To keep from the world I hope to get you someday,

For you are my loved one,

Tomorrow,

Today,

Yes, you are my loved one,

Tomorrow, today...

 

Sun comes to rain and rain comes to dry,

Love's just a meaning (n' so meaningless!),

My sadness, your sadness, they're clouds in the sky:

All passion's a word, and words are a mess.

 

But still this illusion, like wave over wave,

I swear I'm the White Knight in your Wonderland,

I will slay the Dragon of Fire and Fate,

Incertainty's certain for my kind of man!

 

N' keep secretly hiding your name in the shade

To keep from the world I hope to get you someday,

For you are my loved one,

Tomorrow,

Today,

Yes, you are my loved one,

Tomorrow, today...

 

(We are both asleep,

We'll wake up someday...)

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: I feel So so...
Sem Som: My own
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:40
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Remeber Churchill - O Gume Redescobre-se

"I know History wil be kind to me, because I intend to write it".

 

Winston Churchill, advogando pelo Gume e falando em nome gúmeo, naturalmente...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Tão Grande!!!!
Sem Som: De pompa, por favor (com dois dedos de circunstância...)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:38
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Quebra-Cabeças dos Quânticos 2 - Megalomanias (A Resposta de Einstein Antes de Morrer)

God doesn't play dice

But His mice:

Man.

Game-Life,

Game-Life,

End, End!

 

 

(But still I have a plan to conquer the world)...

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:35
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Quebra-Cabeças dos Quânticos 1 - O Que Matou Einstein

 A vida está tao cheia de improbabilidades que é altamente improvável que uma improbabilidade nao te aconteça.

 

(Carlos Corte).

 

Provavelmente já foste, com frequencia, vítima do improvável.

O que é entao o comum?

  

                                                                          

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 02:19
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): Post Scriptum

 OVER THE RAINBOW

 

(Arlen-Harburg)

 

Somewhere over the rainbow
Way up high
There's a land that I heard of
Once in a lullaby

 

Somewhere over the rainbow
Skies are blue
And the dreams that you dare to dream
Really do come true

 

Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

 

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?


Some day I'll wish upon a star
And wake up where the clouds are far behind me
Where troubles melt like lemondrops
Away above the chimney tops
That's where you'll find me

 

Somewhere over the rainbow
Bluebirds fly
Birds fly over the rainbow
Why then, oh why can't I?

 

If happy little bluebirds fly
Beyond the rainbow
Why, oh why can't I?

 

A Vida é mais, nao menos, do que o País das Fadas.

 

Fly over the rainbow...

 

O Gume hoje institui:

 

OBRIGATÓRIO SONHAR.

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's No Place Like Home?Ha!
Sem Som: Somewhere Over The Rainbow (Somewhere in My Mind)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 02:12
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): X, There's No Place Like Home 2 - Ruby Slippers

 

- Bate os pés...

 

 - There's no place like home,

There's no place like home,

There's no place like home...

 

- Cuidado com os tornados!

 

- There's no place like home,

There's no place like home,

There's no place like...

 

(...)

 

Merda! O Kansas fica em Lisboa??? Vim parar a Portugal!! Estou

completamente fo...XXXX!!!!!

 

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's No Place Like Home?Ha!
Sem Som: Somewhere Over The Rainbow (Somewhere in My Mind)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 02:07
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): IX, Feiticeiro e Actor - (Assim Nasci Para a Vida)

Sou tao impostor

Quanto tu és, leitor,

Que sempre finges ser outro.

 

Mas eu finjo diferente a cada dia,

Nao me repito igual na agonia

De ser por ser e ser pouco.

 

De nós os dois,

Qual de nós dois o louco?

Qual o mais patético?

De nós os dois

Qual o mais patético?

 

::::::::::::::::::::::::

 

Morreu atropelado por eléctrico

Tentando ser feliz.

Corria atrás do sonho sem olhar.

O eléctrico passou (alguém o diz)

E já nao quis parar.

 

Era domingo.

O dia estava lindo,

O sol subia.

 

As gentes estavam tristes,

Semblante sério em riste,

Mas eu? Eu nao! - Fingia...

 

Mas eu, eu nao fingia -

 

Era o que queria,

Era o que queria,

Era o que queria...

 

Todo o ser é um fingidor:

Finge tao completamente

Que chega a fingir valor

No que é um ar, simplesmente.

 

Sonha sempre em ter amor,

Sonha sempre em ser diferente...

Mas o que tem nao tem côr,

É uma linha transparente.

 

Fingiu ser Deus,

Nem é gente...

 

II

 

Fingi Fernando Pessoa

Ou Fernando Feiticeiro.

Chamei Oz à Madragoa,

Chamei arauto ao padeiro.

Fingindo perdi Lisboa

E este meu corpo trigueiro.

 

Perdi-me pois por inteiro...

 

III

 

Represento o sentimento, sou actor.

Mas ja nao sei a fala nem o gesto.

Se há público, que aplauda, por favor.

Já nao me manifesto:

 

Estar vivo é a minha forma de protesto!

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's No Place Like Home?Ha!
Sem Som: Somewhere Over The Rainbow (Somewhere in My Mind)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 01:55
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): VIII, There's No Place Like Home 1-Where is My Mind?

A Boa Fada com a sua varinha de condao é o produto sexual da imaginaçao do seu autor. Hás-de reparar que todas as Fadas têm algo de petulante e de provocador, por mais inocentes ou meigas que queiram parecer. Por isso, um erro comum de quem desenha ou representa uma Fada, é apresentá-la como figura para crianças ou com um grande vestido branco em vez de ter meia de liga. A Boa Fada de qualquer Fábula ou Conto, para ser coerente e corresponder à sua imagem interior, deve chegar à boca de cena já vestida para a cocoterie, preparada para os festins formidáveis do grande Trimalciao.

Dorothy confiou demasiado na suaFada Branca e, como Alice correu o risco sério de se perder para a Bruxa Malvada de Oeste ou a Raínha de Copas.(No caso de Alice, a Fada foi o Cheshire Cat e, o coelho, o tornado).

 

Perante isto, é evidente que o maior castigo de quem conhece tal mundo é abandoná-lo. É portanto maquiavélico e irónico que se inscreva em ambas as personagens a vontade constante de regressar. Tudo o que uma e outra fazem, Dorothy e Alice, todas as aventuras e desventuras em que se metem, é para encontrarem o caminho de casa, buscando conforto em Toto e Kitty, o animal de estimaçao que mantém o elo com o dito "mundo real".

O que eles intimamente desejam é perderem-se nesse fabuloso universo.

 

Como pode entao dizer-se There's no place like home, a nao ser que se pense que home é onde estamos e a protagonista tenha enviado nota aos Correios para trocar de morada?

 

There's no place like home é uma falsa afirmaçao de segurança, um falso conforto perante a adrenalina e o medo. O protagonista busca protecçao no reconhecivel. Mas uma vez ultrapassado esse obstáculo, o reconhecível pode até ser pernicioso, e a conclusao evidente é que nao há lógica realmente palpável neste mundo ou no outro e que a melhor repetiçao que um homem pode pedir é a da surpresa e da aventura, mesmo que isso, constantemente, coloque em perigo a nossa vida.

 

Mas como pode o absurdo de um mundo mágico ser mais perigoso do que o absurdo de se morrer atropelado ao atravessar a rua?

 

Dorothy e Alice foram atraiçoadas por quem as concebeu. Mas eu, que neste lugar de Sonho concebo quem concebe e reconcebo tudo, devolvo-as à consciência a que pertencem deveras:

 

O SEU INCONSCIENTE.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's No Place Like Home?Ha!
Sem Som: Somewhere Over The Rainbow (Somewhere in My Mind)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 01:09
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 14 de Julho de 2008

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): VII, Dorothy Confessa-se ao seu Cão -Faça o Mesmo

Oh, Toto, nós deviamos ter sido  portugueses, e o teu nome devia ser o meu... (com acentos).

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:00
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): VI, Dorothy VS Dorothy Parker

«Oh, aunty Am! Que farei com esta vida?!»  ...Dorothy...

 

«Oh, no, I am! - Aproveitemos...» ...Parker...

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:54
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): V, Note from d Wizard 2 d Wicked Wich of d West

(Remeber Bowie)

 

Let's dance!

Put on your red shoes, and dance the blues.

Let's swing!

Put on your red dress and let's fall in sin...]

 

(Love is in the air!)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:49
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): IV, Sobre o Caminho

It's a Trap For the Fools:

 

Don't follow the yellow brick road.

 

BUILD YOUR OWN!

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:41
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): III, Sobre o Leão Sem Coragem

"O cobarde é um homem que foge para trás;

O herói é um homem que foge para a frente."

 

A coragem não é portanto deixar de fugir, mas encontar o caminho:

 

COMPRA UMA BÚSSOLA.

 

(As minhas, infelizmente, acabaram...)

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:28
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): II, Sobre o Espantalho Sem Razão

Dizes que não tens cérebro; e eu creio em ti, porque sou Feiticeiro, mas não sou médico. Não se confunda o potêncial anatómico com a habilitação para o usar. Também o corpo deveria ter carta e aulas práticas e de código, com exames finais. Tudo tem competência e performance. Precisas de acordar o raciocínio adormecido. Por isso, toma esta seringa: Em suaves doses, tens tudo o que precisas. Toma-as sem moderação:

 

O CÉREBRO É A DROGA QUE NOS LIVRA DA ESTUPIDEZ HUMANA.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:20
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Regressando a Oz (Com o Verdadeiro Feiticeiro): I, Sobre o Homem de Lata

Sei de um homem com um coração de ouro. Por o achar o bem mais valioso, investiu nele toda a riqueza que tinha. Mas investires tudo num ponto, por melhor que seja esse ponto, é esqueceres a importância do resto. Ele esqueceu-se dos pés, e das mãos e da cabeça, e os seus membros pararam, e a sua razão enferrujou... O homem que era tão rico e tão bom morreu esquecido e sozinho porque, no auge da sua bondade, era bom, mas não pensava, nem agia.

 

Não queiras ter um coração, homem de lata (e ser de lata é o mesmo que ter ossos). Tudo o que tens no teu corpo de metal é já motivo que chegue para sentires o que sentes e derramares o teu óleo. Não queiras dar pretextos à tristeza (a tristeza não precisa de pretextos).

 

Com ou sem coração, amarás por igual e sofrerás o mesmo.

 

I have spoken!

 

And...

Who needs a heart when a heart can be broken? (Tina Turner)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: There's no place like home?Ha!
Sem Som: Somewhere over the rainbow... (Somewhere in Your Life)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:11
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Remember Springsteen 2 (E Uma Homenagem a Sérgio Godinho)

Tu tens medo do escuro,

 Mas o escuro que temes nao te teme a ti.

Nao queiras abrir os olhos.

Para que servem os olhos quando tens de sentir?

Está escuro, é só escuro.

Deixa o escuro no escuro e nao te importes se o escuro consumiu toda a luz.

Tu estas aí,

Eu estou aí,

Os dois no escuro

E eu diante de ti.

Se é noite, é noite.

Outra luz há-de vir.

Até lá

Nao chores.

Poupa as tuas lágrimas.

Guarda-as para coisas úteis,

Como as alergias,

O sono,

Os risos

E as cebolas.

Estende-me o braço

(O coração)

Estende-me os braços...

Fogo e fagulha sao tu e em ti.

Sorri!

Sorri! 

 

"Dancemos no Mundo"...

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: De Pluma em Riste!
Sem Som: Ouve: Quase um Poema...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:42
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Remember Springsteen 1

"You can't start a fire

You can't start a fiire without a spark,

This gun's for hire

Even if we're just dancing in the dark..."

 

Bruce Springsteen, "Dancing in the Dark", in: Born in the USA, 1984.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: C luz-OndÔtroStaoÀScuras...
Sem Som: Dancing In The Dark
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:36
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Foi Ver: Hancock - (Do Maior Antagonismo)

Hancock tem superpoderes; mas é um super-herói sem auto-estima. Como tu e eu, precisa de afecto:

 

TODOS QUEREMOS QUE GOSTEM DE NÓS.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Humano, Demasiado Humano...
Sem Som: Melhor sem som, desta vez...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:04
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Foi Ver: Los Borgia - III, Da Beleza

 

"A Beleza é o que mais nos aproxima de Deus"

 

(Ou do Diabo, porque eles sao iguais...).

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:56
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Foi Ver: Los Borgia - II, Da Autoridade

 

"Há coisas que, para serem, nao precisam de autorizaçao".

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:52
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Foi Ver: Los Borgia - I, Do Amor

 

"Nao confundas casamento com amor..."

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:43
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 13 de Julho de 2008

Momento Zen: Nota ao Meu Napoleao

 

 

Conquista-te a ti mesmo

Ou serás escravo do Mundo...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:41
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Wax In, Wx Out, Miguel Son...

 Dois filmes, uma metáfora para a vida:

 

... Liberta essa energia concentrada. O relógio atormenta o que o tédio entorpece. Tanto tempo. TIC-TAC - Onde pôr tanto tempo? Tão pouco tempo. TIC-TAC - Se eu tivesse mais tempo... Tanto tempo. TIC-TAC - Onde pôr...? TIC- TAC - Se eu tivesse... Onde pôr se eu tivesse?

 

Não ter nada na vida nem nas prateleiras. Casa vazia, coração sem espaço - vai rebentar de tanto ar - Que faço? Vai rebentar, vai rebentar, que faço? Coração vazio, casa de aço...

 

Não ter nada na vida nem nas prateleiras. Ir ao supermercado. Pensar no necessário, trazer o supérfluo. Perder-me no desejo, concentrar frustraçoes.

 

12 horas é pouco para se viver -

 

E se eu nao dormisse?

 E se eu tvesse mais 12, 12 horas?

 

Energia concentrada, libertá-la, dominá-la.

Ter vontade de bater em alguém - porque não sei o que fazer com a minha vontade, porque a restante vontade se perdeu, porque não tenho aprovações de outrém, porque sou preguiçoso, porque desprezo as vontades, porque nada apetece, porque me desiludi, porque estou triste, porque deixei alguém, porque me deixaram, porque existo, porque respiro, porque sou, porque... Porque o quê? 

 

NADA TEM EXPLICAÇÃO, NEM A CIÊNCIA.

 

Perder 12 horas por dia,

Porque durmo pela falta de sono,

Pela falta de força,

Pela fala de coragem,

Pela falta objectivos,

Pela falta de amor (próprio ou alheio),

Pela falta... 

 

12 horas a mais, 12 horas a menos, o que são 12 horas? Como usar a vida?

 

Não tem rótulo.

Não tem posologia.

 

QUEM ROUBOU O MANUAL DE INSTRUÇÕES?

 

Querer por vileza bater em alguém. Vingar-me no outro de me sentir nada. De me ver inútil. De me achar um desperdício que a camâra se esqueça de vir buscar ao contentor.

 

Wax In, Wax Out, Yoga, Yoga, respira fundo.

Estar em harmonia com o Universo para espancar harmoniosamente...

 

Cashback for 12 extra hours.

O que fazer com o meu tempo?

 

Nao durmamos, nao domemos.

Não sejamos, nao sonhemos.

12 horas a mais para partir coisas e me vingar nos outros.

 

Cashback for waxing in and waxing out.

12 extra hours...

 

Que bom ser-se um filósofo, Mr Miyagi!

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Desafinado (Jobim, Era Eu!)
Sem Som: Mas eu ouço chorar o Pierrot de Shoenberg
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:20
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Gume Foi Ver...Wanted - (Procurado)

E nao critica. Reinventa, pensa, interpreta:

 

Ao matares alguém, tem sempre um cuidado: vê para que lado curva a bala. Onde está a verdade do alvo? Dar um tiro para matar alguém é antes de mais um risco de se matar a si próprio.

 

Rememeber Trainspotting: "Choose life, choose a job, choose a carrer, choose a fucking big television... (...) But why would I want to choose something like this?"

 

Se te aborreces com o teu quotidiano, a sociedade nao te serve nem lhe serves a ela, descomprime, desprende-te, descontrai. Canta Ornatos Violeta:

 

"Vim da rua de matar alguém"... E nao cantes só. Sê sincero no que cantas. Fá-lo de facto.

 

(O Outro existe para o teu prazer. Em cada um, o teu espelho. Dispara quanto quiseres. Mas nao percas de vista as balas...)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 00:32
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 11 de Julho de 2008

Ditos de Um Poeta de Uma Favela do Rio

Partilhando minha pobreza me fiz mais rico. Nao ha milionario no Mundo que tenha tanto quanto eu. Minha casa está cheia de gente. Violao e samba, a gente canta o amor. Tem feijao com arroz mesmo quando ele é pouco ou nos falta o feijao. Tem o forró. Tem o Vinicius e o Joao GIlberto. Tem a droga e a corrupçao e a tristeza que passa ao lado da gente, porque nao passa na gente, porque a gente nao tem grana para coser os sapato mas nao precisa de sapato nem de grana pra gostá de gostá... Em nossa favela o comércio prospera: Traficamo beijos...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: É Carnaval (Qd 1 Homem Quer)
Sem Som: Só Danço Samba
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:05
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 10 de Julho de 2008

Prece ao Santo António - Quadras ao Gosto Popular

 Ó meu rico Santo António,
 Meu santinho milagreiro,
Livra-nos deste demónio
Politicuvermiceiro!

 

Andamos a pão e água,

Penamos por dia e noite,
Cingimos cintos e mágoa,
Levamos com cada açoite!

 

Um socrático José
É Senhor do galinheiro.
Dita ditos do polé,
Pela Portugal inteiro!

 

Não há razão pra que haja
Um manda-chuva onde há sol.
 Se ninguém há, que reaja,
 Inspira o povo que é mole!

 

Dá-nos um cheiro, ò beato,
Do teu poder sobranceiro!
Dá-lhes um pouco do prato
Que provou o Sá Carneiro!

 

Os políticos sao brutos

Que entendem só tudo à bruta:
 Dá-lhes cinquenta escorbutos,
 Alimenta-os a cicuta!

 

Escut' estas nossas mezinhas,
Ouve os que choram, decano!
Com vinho tinto e sardinhas
Honramos-te a cada ano!

 

Nunca se abusa de um santo,
Não esquecemos essa lei.
 Mas António, sofro tanto:
Vislumbra o estado da Grei!

   

Assim, se vires que é possível,
Que não te é muito penoso,
Lava a nódoa imperecível:
Europeidurãoburroso!

 

E já que estás em limpezas,
Dá-nos mais essa benesse,
Limpa esse rol de tristezas
Que espalha ao vento, o PS!

 

Não deixes ninguém a rir!
Cerra o escárnio dos histriões!
Se a bem não marcha, é zurzir!
A todos dar com bastões!

 

PêÉsseDê, PêCêPê,
Os Verdes, Brancos, Vermelhos,
Os Filhos da Mãe Que Os Vê,
Esses Narcisos sem espelhos,

 

A todos esses, António,
Ministra a benção do murro!
Portugal é um pandemónio,
Era corcel, ficou burro...

 

PêPê, PêDê, PêPêQê,
Vão prá ursa que os pariu!
Crise, Dr., é você -
Ouço-a só s' abre o pio!

 

Ó imundície tamanha!
Nem chega a água de um rio!
Não há cu que vos sustenha,
Tudo em vós nos dá fastio!

 

Deus quer um mundo asseado,
Não esta pocilga imunda!
Ò meu santo bem amado!
Expurga-m'esta barafunda!

 

Falam muito, fazem nada,
São podridão na maçã.
Tira-a tu com uma facada!
A Leite, o Lima, o Louçã!

 

Progressos estão entupidos -
Podes ver se os desentopes?
Puxar, dos tubos comidos,
Morais, Jardins, Silvas, Lopes!

 

Se isto é uma democracia
Mesmo que o não pareça,
Por igual, tudo p'rá pia!
"Corta-lhe[s] logo a cabeça!"

 

São detritos concentrados -
 A merda cabe num ismo-
 Para os vermos reciclados
Puxamos o autoclismo:

 

Esta medida é urgente,
Não a seguir é fatal:
Só assim, radicalmente,

Se salvará Portugal!

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Ivan, O Terrível
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:22
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Redescoberta de Cristo - Para Que Servem os Mitos?

Humildade não é humilhação. Serei mais superior quanto mais for humilde. Foi por te amar no teu ódio que encontrei o meu perdão e porque o achei fui melhor do que tu. Relembro:

 

"Difícil não é que nos perdoem mas conseguirmos perdoar a nós próprios".

 

Agora sim sou cristão.

 

(Tolham-me as mãos, cortem-me a cabeça).

 

É oficial: O Gume é doente.

 

(Haverá doença mais bela?)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Imitando Cristo, só pela piada
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:13
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 9 de Julho de 2008

Why Worry? - Parte 2

As mulheres prezam a contradicçao. Negarem e negarem-se é o seu modo singular de se fazerem felizes. Publicitam que sonham com quem as ame, mas amam o desprezo e desprezam o amor. Amares uma mulher nao é recitares Brian Adams. É pores Brian Adams no radio (10 pontos pelo sacrifício) e amares a paisagem e o sol lá fora enquanto ela se despe a teu lado. Responderes com um "Ah sim?" casual ao "Quero-te" teatral e meloso. Saboreares o acre da indiferença onde ela talvez esperasse ter toda a tua atençao. Tudo é psicológico. Ela nao suporta nao ser o centro do teu mundo. Nao descansa enquanto nao o ocupa. Quando o consegue, repousa e manda-te a ti viajar. Nunca estejas atento a uma mulher. Presta atençao à vida e, da mulher que tens ou nao tens, distrai-te. Está atento a ti. Nada mais vale o que vale esse valor.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Quero lá saber!
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:04
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Why Worry? - Parte 1

"Why worry, there should be laughter after pain
There should be sunshine after rain
These things have always been the same
So why worry now?"

 

"Why Worry", Dire Straits, in Brothers in Arms, 1985.

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Quero lá saber!
Sem Som: Dire Straits
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:03
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Do Valor de Dois Tostoes...

O melhor da inutilidade é dar-nos a impressao de ser úteis. Nunca trabalhar das 9 às 5 me soube tao bem.

 

(Nao sei de nada com significado)

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: O que é o Mundo? (O que és no)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:55
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Sursum Corda - Versão Herética e Muito Parva

(...)

 

- Gumes ao Alto!

- O nosso facalhão está em Deus...

 

(...)

 

:::::::::::::::::::::::

 

A missa continua nos próximos posts.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:57
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

No Jardim de Gethsemani - Isto É, A Trabalhar...

Hoje vieram perguntar-me se eu dava dinheirinho para a prenda do Etezinho que está por nascer ainda alojado algures na farta pança da minha colega XYZ, boa colega, claro, daquelas que se destaca em meeting de alcoviteiras.

Eu disse que não.

Não passou muito tempo (nunca passa).

Ao longe vejo o Golgota que se alça, miro um sol poente, vislubro uns romanos, distingo uns pregos, enxergo umas tábuas, detecto umas cordas, miro uns açaimos, diviso uns martelos, avisto uns chicotes, contemplo umas pedras, observo uns espinhos, fito uns fariseus, descubro uns bancários, antevejo um susto!

Está, como o tempo, muito ao longe - ou seja, já aqui ao lado.

É a crucificação que vem a caminho...

 

Protejam-se meus amigos, que O Gume, está provado, é paranoico, não sensível...

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: com ganas de partir dentes
Sem Som: the spook one!
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:35
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 8 de Julho de 2008

É Nestas Alturas Que Eu Gostava de Ser Um Génio Informático...

Quando olho para um computador, mexo num programa e sinto, nao sei bem porquê, que o tipo anda a mancar comigo.


Questão a analisar quando vier a pachorra (e o técnico).

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Buro, chiça! Burro!
Sem Som: De Nervos
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:31
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 7 de Julho de 2008

Ainda Nao É Grave, Nao Chamem Já O INEM!

Para que nao pensem que o Gume desmaiou, venho aqui registar o meu cansaço:


 

 

E agora uma muito boa noite...

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 00:44
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 6 de Julho de 2008

O Que Faz o Desespero...

Para o Gume, estudar Código, é mais ou menos isto:

 

 

É assim que se criam psicopatas na Estrada...

Golpe por Miguel João Ferreira às 20:03
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 5 de Julho de 2008

Quando Rir Se Calhar Nao Convem

O grande problema do riso é que é ndependente: Trabalha em regime freelancer e nao passa sequer recibos verdes...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 06:05
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 4 de Julho de 2008

Quer Explicar?

Apos a injustissima conclusao do Tribunal de Contas, Pedro Serra, Administrador da Companhia das Águas, vem explicar a público que não não, que mentira, não há falências nem gestões mais deslavadas na Companhia que gere, mas más contas do Tribunal que as avalia. E, num brilhante remate retórico diz assim:

 

«Se a Companhia das Águas não estivesse bem financeiramente, não teriamos tanta facilidade junto da Banca a conseguir créditos».

 

O raciocínio é bom. Mas o Gume que, como Cristo, não percebe nada de Finanças (nem consta que tenha Biblioteca) ficou a martelar nesta ambidúvida:

 

a) Não será "fácil" por ser a Companhia do Estado?

b) O Gume achava que estar bem financeiramente era, precisamente, ter a capacidade de dispensar qualquer crédito. Então isto é errado? Crédito é bom?

Então estamos na crista do progresso!!!

Que bom e rebom ser português! Mas...

 

...Quer explicar?

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Com Sede de Logica
Sem Som: Abba - Money, Money, Money
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:07
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Depois dos Madame Tussauds...

O único bem que vejo ao Vaticano é o Patrocínio, mais ou menos legítimo, da Arte. Talvez que devesse isentar-se da sua inutilidade de manipular a Fé e limitar-se a trabalhar como Museu. Nao ha lugar no Mundo que concentre tanta relíquia por metro quadrado, inclusive o seu curador Ratzinger.


Talvez apenas, reflectindo melhor, o Palácio da Família Real Inglesa...

Aquela Isabel, suspeito às vezes, é contemporânea da do Milagre das Rosas...


E muito a despropósito uma singular comparaçao:

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 05:48
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

Frase do Dia Por... Charlize Theron...

"Sou uma criatura sexual. O que há de errado nisso?"

 

Nada, cara Charlize. Absolutamente nada. O Gume nao podia estar mais de acordo consigo...

 

Agora debatamos o tema um pouco mais intimamente...

 

 

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Zonzo
Sem Som: Para Os Meus Ouvidos...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:05
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (1) | Os Golpes Que Eu Amo

O Virus Vai Alastrando - Chegámos à Sapo!!! - Evacuem as Populações...

O Gume explora outros domínios e vai mais longe. Hoje vem conquistar a Sapo. Amanhã a Selva. Protejam-se, ò blogonautas, que vao vibrar as estocadas!

 

O Gume espalha-se:

Ninguem está seguro!

 

 

 

Manifesta-se pelo presente que O Gume é o pão dos pobres e a cicuta dos parvos:

 

Tomai e comei todos, este é o meu blog e será lido por vós -

 

Boa Sorte

Good Luck

Buena Suerte

Bonne Chance

Buona Fortuna...

 

(etc.)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Cuoak, cuoak, cuoak!
Sem Som: A Cavalgada das Sapírias - Sapo Wagner
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 02:07
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 2 de Julho de 2008

Pia Fininho, Scolari - Agora a Mafia É a Sério...

... Adeus Madail...
Olá Abramovich, Le Dictateur...

O super-íntegro presidente do Chelsea já explicou a Scolari que o clube londrino tem de ter pelo menos um jogador russo. Isto sim é um presidente com pulso! O Gume sabe que para um destes dias também já está planeada a recomendaçao da táctica de jogo, subtilmente, claro. Assim do tipo:

"Tenho aqui a sua esposa e os seus filhos. Se até ao minuto 37 nao mudar essa merda para um 4-2-3-1 com o Pavlichenko na frente, o Shevchenko na ponta e o Ashavin, directamente surripiado ao Barcelona, bem no centro do campo a mandar bitaques aos monos ingleses, eu mando-lhe a cabeça da esposa aos bocadinhos. Só para ver que estou a falar muito a sério, mando-lhe já esta orelha - nem precisa de ADN de tao feia que ela é - dúvido, com estas linhas de burgessa, que tenha problemas a identificá-la...


Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!"

P.S.: O Gume está psiquiatricamente doente e viu muitos filmes Gore no fim de semana. É evidente que lhe fizeram mal...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:06
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (1) | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 1 de Julho de 2008

Redescobrindo Siddartha

(A Sérgio Girao e Carlos Côrte)

Onde os comuns se ufanam com as vitórias, eu celebro com orgulho todas as minhas derrotas. Elas sao o meio pelo qual vou ganhar.

(Podes devorar cem figados à Rainha agrilhoada. É o meu peao que te dará o xeque-mate)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:14
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo

Optometrias

Nao é fácil ver adiante dos olhos. Nesta massa de gente que contamina o Mundo, poucos sao aqueles que o conseguem.

Os demais sao cegos.
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:04
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Dos Sìmbolos

Os símbolos sao a síntese de uma grande verdade. Se o teu dogma é extenso, simboliza-o.
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:43
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Diário do Fantasma do Castelo...

Eles fecharam-me as portas desse castelo comum em que se fazem nobres. Foi por isso que dos meus trapos de mendigo, das minhas feridas de leproso lacerado, das minhas lágrimas de tanta solidão, eu erigi estas muralhas de ferro, estes portões cinzentos, estas torres altas guardadas por gárgulas e grifos de magias mais negras que os abismos. Dentro delas me resguardo pelos dias tristes, contemplando o Mundo em redor. Daqui observo os homens do castelo que cumprem as suas vidas na estupidez da ignorância plena. Sao moscas esvoaçando sem propósito ignorando o propósito final de tombarem na teia de uma aranha. Muitas noites vejo archotes no castelo, ouço o gargarejo dos bardos, os gritinhos das damas, as gargalhadas sonoras dos duques e do Rei.
Eles festejam o esplendor da sua côrte; os seus bailes devassos e cruéis são a celebração dos seus actos de vileza, o seu modo de se assumirem como Elite, de se provarem ruins. E nessas noites em que os archotes do mal brilham mais do que as estrelas, eu, mesmo estando longe, rio-me com eles; e também danço ao som das suas modas:

Porque enquanto o Rei se ufana com os seus cães, eu vou no escuro tecendo a minha teia…
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 05:15
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Leão Sem Juba

Sopa de Facas, Chafurdar na Lama

 

Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

Gumoctopus

Últimos Golpes

É Oficial

O Gume Descansa

Fair-Pay (O L Perdeu-se N...

D' ETA Vez É A Sério!

E Depois Dos Votos, Obama...

Dióxido de Carbono Em Min...

Liberdade Individual A Vo...

BPN (The Bank Robbers)

White Out (Para o Fim do ...

Melancolia De Um Dia de I...

Das Lágrimas

The Book and The Cover

2010 - O Gume Está Lavado...

Adeus Ano Velho!

História de Família (De 1...

A Vantagem da Ingenuidade

Liliana (Um Livro Aberto)

Estranha Rábula

Do Medo (Livre/o Abordage...

Justiça Terrestre (À Falt...

Sras. E Srs., Parece Cert...

O Anticristo (Quase Liter...

Sonha E Serás Mestre!

Rouba em Paz E Que A Benç...

Lisboa Está de Luto (Temp...

Segundo Gume Apresenta......

O Que As Malvadas Nos Faz...

Mundo Binário

Senhoras e Senhores, Em E...

Borracha Sobre As Más Exp...

Um Manifesto Muito Sério ...

Denúncia De Uma Esteticis...

Mãe, Pisei Uma Pastilha E...

O Gume Reflecte - Fisio-P...

Algodão Doce (Memórias da...

Dia das Gomas (Recentemen...

Post Sentido (Come e Cala...

VENDE-SE: ÁGUAS FURTADAS ...

O SubConsciente Explicado...

Partilhou-se Na Net Esta ...

O Gume Lança O Mote Para ...

Twittership (Seja Lá Isso...

Andorra, Dezembro de 2009...

Um Mau Post Sobre um Mau ...

Sobre O Meu Melhor Romanc...

Prevenção Gripe A: Protej...

O Gume (Re)viu... Memento...

Brevíssimas Sobriedades (...

A Bíblia de Jerusalém Rec...

Pergunta do Dia Que Se Ag...

O Gume E O Tempo

Agosto 2012

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Que Farei Com Estes Gumes?

todas as tags

blogs SAPO

Roubar as Facas