Terça-feira, 29 de Dezembro de 2009

A Vantagem da Ingenuidade

A criança abriu o livro e mergulhou lá para dentro. Não sabia que coisas iria encontrar. Sabia apenas que o quer que fosse seria extraordinário. A única coisa que a criança não admite é a banalidade.
À medida que cresce torna-se mais tolerante e habitua-se:
A maturidade constrange a imaginação.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:18
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 28 de Dezembro de 2009

Liliana (Um Livro Aberto)

Com medo de partir, lia o folhetos das agências de viagens e sentia-se longe. Uma vez jurou ter visto Robinson Crusoe. Lamentou-lhe a condição de náufrago, mesmo com Sexta-Feira.

(E afinal era ela quem vivia numa ilha deserta...)

Golpe por Miguel João Ferreira às 22:44
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 27 de Dezembro de 2009

Estranha Rábula

Um dia sem ler, é um dia perdido - Leão X de Castela.
Leão de Castela morreu mais novo, depois de Deus lhe descontar da vida os dias em que não leu.

- O caso é justo - comentou o povo - Também nos roubou vida o seu imposto.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:56
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 26 de Dezembro de 2009

Do Medo (Livre/o Abordagem)

O seu livro de cabeceira era a posologia da aspirina. Florentina Hipocondríaca só se sentia segura com a leitura contínua desse manual. Chegava a levá-lo para as compras, e lia-o atentamente antes de pegar num kilo de maçãs ou de pagar a carne no talho.
Florentina era uma pequena parte da sociedade exterior, uma parte ínfima de si mesma.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:55
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2009

Evoluções, Involuções, Dubitações... (Reformulado)

- ...É como lhe digo, meu caro... O Homem é um animal de hábitos! A ideia é antiga, claro, e eu, que estou velho, sou apenas experiente, não invento nada. Não tenho muitas coisas como certas senão a morte, o imposto,os diabetes e esta coisa que vou agora dizer-lhe...

- Confesso, está a deixar-me curioso...

- E tem razões para isso. É este o caso, robusto, retirado das minhas evoluções: Um homem, qualquer homem , não é como nasce mas depois de nascer o que lhe dão...

- Asneira! Não aceito! Aos trinta anos você não é um abeto à espera de ser podado! É o que quer! Explique-se melhor...

- ...Permita-me, meu amigo; não me deixou terminar. Aconselho-lhe esse licor de malte: é do bom! Dizia-lhe eu, e por quem é, peço-lhe que não volte a interromper-me... Esta circunstância inevitável de, se se lembra, se ser o que lhe é dado, é uma amputação da personalidade...

- ...Homem, você vai de mal a pior!...

- Meu amigo, tenha paciência! Vai ouvir-me até ao fim e depois, sim, se ainda puder, arriscar-se-à a falar! Que diabo, experimente lá o licorzinho! Ao fim de dois ou três golos e de uma pitada de ouvido e paciência, pelas minhas farfalhudas suiças, vai ver que o argumento até lhe cai que nem ginjas!

- Pppfffff...

- Agora, dizia-lhe... É isso! Há uma amputação; e deixemos, faça-me a cortesia, este ponto intocável! Ora, sucedendo isto, quer também dizer que, à partida, a natureza das nossas escolhas (que moldarão e se moldarao pelo nosso carácter) estará condiconada pelo ambiente em que crescemos...

- Bom, cedo-lhe isso. Nesse ponto está certo...

- Agradecido. Vejo que já começou a tomar o gosto ao licor. É escocês. Ora, como é natural, isto é contrangedor...

- Efectivamente, meu amigo, isso dói!

- Será. Mas doi mais a ironia que contém...

- Ironia? Que quer você dizer? Chiça, que efectivamente este licor é do bom!

- Com certeza que é! O cavalheiro deverá tomar mais fé nas minhas palavras...

- ... Pois que realmente... sim senhor! Que belo sumo! Mas ora então o cavalheiro adiantava...

- Pois sim, a ironia...

- Precisamente, a ironiazinha, o meu amigo estava aí...

- Ora, pois então, como eu dizia, se seguirmos a nossa evolução da criança ao Homem, do estudante ao trabalhador, do inconsciente ao responsável, do ingénuo ao avisado, do ignorante ao culto, do rebelde ao institucionalizado…

- ... Que por vezes me parece mais uma involuçãozinha...

- Voilá! La mouche! ... se o fizermos, acabaremos, meu caro, por nos confrontar com o facto de sermos uma fera que se amansa pelas infindáveis leis da vida, acabando depois, com o cansaço dos anos, por precisar do jugo que se tornou familiar...

- Alto e pára o baile! A precisar do jugo?! O meu amigo agora está a esticar a corda!

- Tenha paciência homem! Cheire-me esse licor, que já está outra vez com aqueles ares! Ouça-me até ao fim esta pérola! Esta minha ideia faria as delícias de Darwin e outros como ele se ainda andassem por cá!

- Não duvido, não duvido... Então acabe lá isso antes que se me acabe o copo... O jugozinho, dizia o meu amigo, o jugozinho...

- Assim é... Essas correntes da juventude...

- ... Porque ser jovem é estar preso à aprendizagem...

- ... E livre a outras coisas!...

- Ha! Ha! Ha!...

- ... É muito mais do que isso, meu amigo, muito mais do que isso! Essas correntes, explicava-lhe, foram limadas por anos de habituação e tornaram-se um símbolo de refúgio...

- Ahhhh!

-... A memória distorce-se entre as responsabilidades e as escolhas, fazendo do que era uma vontade uma espécie de tédio, do que era um princípio um exemplo do erro, do que era convicção uma casmurrice, do que era uma crença um devaneio...

- Ohhhh!

-... O que desprezávamos passa a parecer-nos bom; o que evitávamos, desejável; o que nos magoava traz-nos a nostalgia do que pudemos já realizar...

- Entendo, entendo... realmente o licorzinho é bom!...

-... É no fundo como assistir à domesticação de um chimpanzé selvagem, que começa por aprender alguns truques em troca de bananas, para acabar por precisar das bananas por lhe lembrarem os truques que fazia…

- Meu amigo, estou convencido... Sem dúvida! É o malte!

- Sem dúvida...

</style> </p>
Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:49
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 29 de Agosto de 2009

Derrota do Bon Vivant

Toda a diversão se esfuma em tédio...

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:10
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 28 de Agosto de 2009

Novos Pensamentos de Xerxes Depois de Dário e Maratona

A) Ficaram os dedos, foram-se os anéis. Agora  sou só eu com a minha pobreza.

Os dedos que ficaram são a marca da vergonha.

 

B) Foram-se os dedos, ficaram os anéis. Agora sou só eu com a minha riqueza.

Os anéis são a marca da minha peçonha.

 

C) Foram-se os dedos, foram-se os anéis. Agora sou só eu com a minha incerteza.

O Destino cumpre-se quando aos Reis resta nada.

 

-----------------

 

E eu que achei ter a Grandeza destinada!

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:18
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 18 de Agosto de 2009

O Homem Perfeito (Segundo Rudyard Kipling)

                                   IF

 

If you can keep your head when all about you
Are losing theirs and blaming it on you;
If you can trust yourself when all men doubt you,
But make allowance for their doubting too;
If you can wait and not be tired by waiting,
Or, being lied about, don't deal in lies,
Or, being hated, don't give way to hating,
And yet don't look too good, nor talk too wise;

 

If you can dream - and not make dreams your master;
If you can think - and not make thoughts your aim;
If you can meet with triumph and disaster
And treat those two imposters just the same;
If you can bear to hear the truth you've spoken
Twisted by knaves to make a trap for fools,
Or watch the things you gave your life to broken,
And stoop and build 'em up with wornout tools;

 

If you can make one heap of all your winnings
And risk it on one turn of pitch-and-toss,
And lose, and start again at your beginnings
And never breath a word about your loss;
If you can force your heart and nerve and sinew
To serve your turn long after they are gone,
And so hold on when there is nothing in you
Except the Will which says to them: "Hold on";

 

If you can talk with crowds and keep your virtue,
Or walk with kings - nor lose the common touch;
If neither foes nor loving friends can hurt you;
If all men count with you, but none too much;
If you can fill the unforgiving minute
With sixty seconds' worth of distance run -
Yours is the Earth and everything that's in it,
And - which is more - you'll be a Man my son!

 

----------------------------

 

O Homem Perfeito é feito por um se...

Golpe por Miguel João Ferreira às 18:45
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (3) | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 6 de Agosto de 2009

Reminiscências de um Mito - A Mulher Adorada

Pas-

      sou

            De

                 Mais

                         Que

                                Tu-

                                    do

                                        A

                                          Me-

                                                nos

                                                       Na-

                                                              da...

 

 

Imagem Roubada a "E Deus Criou A Mulher"

Golpe por Miguel João Ferreira às 08:23
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 2 de Agosto de 2009

De Aristóteles,O Sábio, Um Post Para as Mulheres - Sabei do Vosso Lugar (Diziam os Antigos Que o Gume, Claro, Retrogradamente Subscreve)

"Há carácter quando as palavras e as acções derem a conhecer alguma propensão; se esta for boa, é bom o carácter. Tal bondade é possível em toda a categoria de pessoas; com efeito, há uma bondade de mulher e uma bondade de escravo [contra todas as expectativas e aquilo que o leitor gúmeo e também o aristotélico poderiam eventualmente supor!], se bem que o carácter de mulher seja inferior, e o de escravo genericamente insignificante."

 

In Aristóteles, Poetica, 1454a

(Papiro de Atenas, Séc. IV a.c., coluna de folha de anémona nº 20; INCM, Lisboa, p.123)

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:43
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 27 de Julho de 2009

"Off With His /Her Head!"

 

  

Se este Mundo é uma Wonderland

Eu quero ser a rainha de copas...

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:23
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 23 de Julho de 2009

Breve História do Crime da Caneta: Jean-Marie "La "Pen""

O escritor, Jean-Marie, está em conferência com as suas ambiguidades. A hora é grave. Moveu à caneta com que escreve um processo sumário em que a acusa de burla e traição. A garvidade do caso, diz o escritor, obtém ainda mais peso, pela verificação (indesejada) de claros danos morais.

A prova, afirma o texto do processo, foi deixada pela caneta ela mesma: «há dias - diz o auto - só escreve restos».

Prevê-se, sem surpresas, uma condenação.

 

-------------------------------------

 

(A escrita é um constante extremismo. O escritor é um ditador das suas realdiades).

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:35
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 2 de Julho de 2009

O Mal das Suposições

Ela achava que beleza era vestir Armani. Quando o tecido rasgou, julgou a beleza impossível.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:03
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 29 de Junho de 2009

Do Sossego das Sombras

Sao nove, dez da noite;

(E há)

Luz, luz!, até queimar a vista!

 

--------

 

(Hoje o dia nao quer anoitecer...)

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:13
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 26 de Junho de 2009

Romance de Carta Lacrada

A Marquesa de Alfeizerão, sobre o seu banco de veludo, abriu a gavetinha ao pechiché e tirou dele um envelope lacrado. No selo as iniciais do Conde de La Valetta:

«Pombinha...,» - começava...

E a Marquesa passava o envelope pelas narinas gordas e o lacre sêco pelas mãos crispadas. Aquela carta, de mais de 50 anos, a que nunca tivera a coragem de responder e que ainda, coisa rara!, mantinha o perfume do Conde,  representava, para a Marquesa, todo o romance que o seu idealismo tolerava...

 


Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:55
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 23 de Junho de 2009

Em Tempo de "Crise" O Gume Homenageia Alberto Pimenta Com...

Discurso do Filho da Puta


O pequeno filho da puta
é sempre
um pequeno filho da puta;
mas não há filho da puta,
por pequeno que seja,
que não tenha
a sua própria
grandeza,
diz o pequeno filho da puta.
no entanto, há
filhos-da-puta que nascem
grandes e filhos da puta
que nascem pequenos,
diz o pequeno filho da puta.
de resto,
os filhos da puta
não se medem aos
palmos,diz ainda
o pequeno filho da puta.
o pequeno
filho da puta
tem uma pequena
visão das coisas
e mostra em
tudo quanto faz
e diz
que é mesmo
o pequeno
filho da puta.
no entanto,
o pequeno filho da puta
tem orgulho
em ser
o pequeno filho da puta.
todos os grandes
filhos da puta
são reproduções em
ponto grande
do pequeno
filho da puta,
diz o pequeno filho da puta.
dentro do
pequeno filho da puta
estão em ideia
todos os grandes filhos da puta,
diz o
pequeno filho da puta.
tudo o que é mau
para o pequeno
é mau
para o grande filho da puta,
diz o pequeno filho da puta.
o pequeno filho da puta
foi concebido
pelo pequeno senhor
à sua imagem
e semelhança,
diz o pequeno filho da puta.

é o pequeno filho da puta
que dá ao grande
tudo aquilo de que
ele precisa
para ser o grande filho da puta,
diz o
pequeno filho da puta.
de resto,
o pequeno filho da puta vê
com bons olhos
o engrandecimento
do grande filho da puta:
o pequeno filho da puta
o pequeno senhor
Sujeito Serviçal
Simples Sobejo
ou seja,
o pequeno filho da puta.

        II

o grande filho da puta
também em certos casos começa
por ser
um pequeno filho da puta,
e não há filho da puta,
por pequeno que seja,
que não possa
vir a ser
um grande filho da puta,
diz o grande filho da puta.
no entanto,
há filhos da puta
que já nascem grandes
e filhos da puta
que nascem pequenos,
diz o grande filho da puta.
de resto,
os filhos-da-puta
não se medem aos
palmos, diz ainda
o grande filho-da-puta.
o grande filho da puta
tem uma grande
visão das coisas
e mostra em
tudo quanto faz
e diz
que é mesmo
o grande filho da puta.
por isso
o grande filho da puta
tem orgulho em ser
o grande filho da puta.
todos
os pequenos filhos da puta
são reproduções em
ponto pequeno
do grande filho da puta,
diz o grande filho da puta.
dentro do
grande filho da puta
estão em ideia
todos os
pequenos filhos da puta,
diz o
grande filho da puta.
tudo o que é bom
para o grande
não pode
deixar de ser igualmente bom
para os pequenos filhos da puta,
diz
o grande filho da puta.
o grande filho da puta
foi concebido
pelo grande senhor
à sua imagem e
semelhança,
diz o grande filho da puta.

é o grande filho da puta
que dá ao pequeno
tudo aquilo de que ele
precisa para ser
o pequeno filho da puta,
diz o
grande filho da puta.
de resto,
o grande filho da puta
vê com bons olhos
a multiplicação
do pequeno filho da puta:
o grande filho da puta
o grande senhor
Santo e Senha
Símbolo Supremo
ou seja,
o grande filho da puta.

 

(Por Alberto Pimenta)

Golpe por Miguel João Ferreira às 18:42
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 20 de Junho de 2009

Paulo Lobão Diz...

 

 

  

 

          "Eu

         Fumo

            O

          amor..."  

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:21
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 19 de Junho de 2009

A Cauda do Coelho Branco (Perspectiva de Alice)

 .

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:38
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 18 de Junho de 2009

Jornal de Província, 18 de Junho de 2009

O artista internacional vinha à cidade do interior para apresentar um espetáculo de vaudeville . O projecto, explicava o cartaz de apresentação, consistia em saltar, de um altura de 30 metros, para um pedaço de lona. De acordo com este performer (que também, dizia-se, já actuara na Brodway), isto poria em causa as leis mais elementares da Física e provaria que a experiência não está na ciência mas na improvisação.

 

(...)

 

Uma semana depois da fuga do artista movida por uma espontânea sessão de apedrejamento, o Presidente da Junta pediu publicamente desculpas aos populares declarando-se vítima de fraude. Aquele artista da Brodway vinha afinal fugido de Caxias e sonegara o homem original cujo truque na verdade consistia em cantar o I'm Your Man de Leonard Cohen com voz de castrato.

 

Correram vozes, porém, em como o menor dos males ainda foi o burlão. Segundo apurou este Jornal de Provincia, tivesse o artista genuino (brotado de Nova Iorque) actuado como estava previsto, e ter-se-ia visto, não o artista (alvo de morte instantânea), mas o Presidente da Junta a ser apedrejado...

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:47
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 16 de Junho de 2009

Tercetos de Uma Top Model Pelo Responsável de Iluminação

A modelo tirou a fotografia

Como quem resolve um dilema,

Numa expressão de compenetrado mistério.

 

Ela achava, na sua ingenuidade,

Que deste modo expurgaria da foto

A sua estupidez descomunal.

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:48
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 15 de Junho de 2009

Opinião...

Diziam que ele era a personificação do mal, porque o seu bem particular não agradava...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:26
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 14 de Junho de 2009

O Lenço de Madame Bovary

E.B.                                                                E.B

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 E.B                                                                  E.B

Golpe por Miguel João Ferreira às 14:24
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 5 de Junho de 2009

Tragédia da Conversa do Escritor de Província com o Médico da Aldeia

- Chiça penico chapeu de côco!

- O quê?!

- Nada, esqueci-me do chapeu em casa...

- De côco?

- Não, de lona, de côco é a expressão. As horas, está a ver? Com o atraso, a pressa...

- O meu amigo é dorminhoco...

- Antes fosse isso, meu caro, antes fosse isso! O meu mal é o trabalho em excesso - Deitei-me de madrugada a rever uns papéis...

- Vida de escritor...

- A quem o diz! Já nem tenho dinheiro para o fio com que possa coser as botas!

- O meu amigo tem fome? Veja lá, à fome não o deixo morrer, compro-lhe uma gracinha, um bolo, eu sei lá...

- Chiça penico, homem, não me insulte! Não vivo na miséria! Sou honrado e sustento-me!

- Claro, claro, era uma ajudazinha... Veja lá, o amigo não deixe que o orgulho o mate...

 

..........

 

O amigo não deixou; mas outra coisa, porém, aconteceu: dois dias depois, os carregadores de lenha foram encontrar, numa valeta à margem da estrada principal, o ainda altivo médico da aldeia... 

 

--------

 

Este post é dedicado a Txu, que exigiu um post com as palavras "penico", "quê", "dormnhoco" e "bolo".

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: caustico
Sem Som: requiem (de freguesia)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:58
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 30 de Maio de 2009

Carolina

Carolina queria ser crescida,

e pintava os lábios;
Cresceu mas sentiu saudades

e vestiu um bibe;
De bibe, ansiou dormir

e fechou os olhos;
Dormindo, teve de sonhar

e pensou num príncipe;
Princesa, precisou de mais

e casou com ele;
Casada quis a completude

e pediu um filho;
Já mãe, desejou sossego,

teve uma criada;
Com tanto achou que era pouco

e sonhou ser rica;
Já rica nunca lhe chegou,

e quis aventura;
No mato, logo se assustou

e exigiu um guarda;
Guardada, tudo receou

e largou um grito;
Gritando, por fim acordou

e buscou alguém;
Mas como não fez, sonhou,

não tinha ninguém;
Sozinha, chorou, chamou

pela sua mãe;

Carolina está bem apenas

com o que não tem.

(PS: A imagem é um quadro a pastel de Carrie Gollar)

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:32
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 29 de Maio de 2009

Ceci N'est Pas Magritte: Surrealismos

- Ceci n'est pas une pipe, mon chèr, c'est un tableau! - E, para o comprovar, René bateu várias vezes com um cachimbo na tela.
- Ao mesmo tempo, - disse Mariën, - "cachimbo" é um conjunto de sons para ilustrar o cachimbo, mas podia chamar-se canguru, porque a língua, na sua origem, é arbitrária! - e bateu com a mãozita na lapela, satisfeito por ter falado tão bem.
- C'est vrai, - continuou Éluard, - e eu posso fumar outras coisas que não são cachimbos... - o argumento era dúbio quanto à sua sinceridade.
- Oui, - confirmou Nougé, - cocaína, por exemplo. Mas os senhores estão a ignorar o problema fulcral: se a tela de Magritte é mera representação, e o cachimbo que se vê não é coisa nenhuma (ou pelo menos um cachimbo), cada um dos senhores resulta num holograma! Regredimos, portanto, ideologicamente, para dar razão a Platão, que é um sujeito que me desagrada! Eu pensava que a revolução francesa nos tiha livrado da caverna do platonismo! É com tristeza que me acho enganado...

Magritte, resmungando, concordou com um aceno, e atirou pela janela o quadro:
-Lixo!, - gritou, - lixo!
Por azar, a tela foi aterrar (intacta!) nas mãos de um crítico de arte.
O resto é História...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:28
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 27 de Maio de 2009

Livro Branco

Acabei de ler este livro: (...) Depois de o completar, fiz-me completo. Não tem editora, não tem ISBN, não tem preço, não tem código de barras, não está à venda. Dá-se quando eu me dou e retorno a mim. Escrevo-o de dentro para fora e de fora para dentro (porque nada tem apenas um sentido ou vem de uma só coisa) e guardei-o de novo nesse bolso largo que está naquele ponto do meu corpo que não podem cobrir casacos e calças.

(O que criei de mim, foi o que li).

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:34
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Brighella, A Quanto Obrigas!

Brighella é dono de uma taberna e bebe mais do que vende. Muitas vezes falei com ele e perdi. Não sei de ninguém que use tanto a palavra como quem usa um punhal. Quando Macbeth perguntou: "is this a dagger I see before me?", não pensava em delírios mas na violência do síndroma de Brighella, isto é, dos verbos e substantivos que lhe cruzavam a mente com ideias roídas de desejo e de culpa. Brighella, porém, não sente culpa; porque Brighella não é um carácter trágico; e não é trágico porque não tem consciência. Inspirador do Figaro de Beaumarchais (que depois inspirou Rossini e Mozart), Brighella é o protótipo medieval/renascentista de Dean Moriarty, o con artist de On the Road de Kerouac. Enganar é uma arte. O Egoísmo uma necessidade moral, movida pelo instinto da boa sobrevivência - que não é o mesmo que mera sobrevivência. Como um camaleão social, Brighella transmuta-se em qualquer coisa e é capaz de reproduzir qualquer sentimento, não apenas para que não o cacem (ou para caçar), mas para dos seus actos retirar um proveito que, indo além da mera perspectiva de um ganho, represente, efectivamente, um grosso lucro. É pai de todos os truques (que terá aprendido com o Diabo) e filho da Sociedade (que o gerou de si mesma). Romântico, reinventa o romantismo, deixando-lhe, como Sade, o perfume insaciável da luxúria. Ser romântico será assim, na óptica deste ser ardiloso, rasgar as roupas da mulher que deseja e, sem cerimónias, morder-lhe vorazmente a carne.
Também ele sabe dividir para reinar; de acordo com alguns, mais informados, foi este personagem diabólico que inventou a expressão idiomática. O método é o da briga, claro está, daí o seu nome. Planta o mal, deixa-o crescer, mata alguém, culpa um outro, e leva, no fim da luta, os pertences dos contendores.
Brighella é o anti-herói perfeito, que faz rir quem nele se retrata. Num momento ou noutro todos o imitámos; mas, como é obvio, estavamos sempre a brincar. Nunca, tal e qual as crianças, cometemos maldades a sério. Por isso mesmo Brighella é uma máscara...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:30
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 26 de Maio de 2009

O Leitor Conquistador (Uma Aventura)

Casanova lia um livro tal e qual como despia uma mulher; pegava no canto de uma página como se fosse uma mão que devesse beijar. Olhava para as linhas delicadas que a compunham, como se as visse pela primeira vez, que seria também a última, como se nelas pudesse ver o destino e se concentrassem todas as suas forças e esperanças; como se ali, naquele momento único, achasse todo o prazer por gozar.
Depois mergulhava no seu conteúdo com a sinceridade do amor adolescente, que dá a alma por uma descoberta; e a cada página repetia o exercício, numa nova conquista. Casanova lia e amava e lendo e amando mentia, com renovadas promessas. Mas a sua infidelidade, por tão intensamente profunda, resultava afinal como sincera.

(Casanova, contra si mesmo, era um burlão honesto...)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:30
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Da Importância da Máscara - Scaramouche

Scaramouche envolve-se na luta apenas para cheirá-la. Depois foge, como convém ao herói humanista. Na verdade fôra à guerra apenas para ver se alguma donzela pedia para ser salva. Precisando, salvava-a como sabia: um lance de guitarra, uma cantiga amorosa, uma promessa de beijo à luz da vela convenientemente acendida...
Porque de acordo com esse comediante da vida, lutar não era mais do que provar o momento; e salvar uma mulher que se achasse em perigo, seria libertá-la da prisão do tédio para se aventurar noutras cantigas, mesmo que passageiras.
Scaramouche era então um conquistador singular que usava da manha em vez da espada.
E, se havia feridos, culpava o Destino (que nos afecta a todos, dizem os fatalistas) e, claro está, os outros: afinal, não estavam todos eles na confusão da guerra?
Daí que, tantas vezes, vingar numa empresa delicada peça primeiro que se gere... a escaramuça...

...........

(Scaramouche escondia-se na confusão de si próprio. Essa era a sua máscara...)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:27
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 21 de Maio de 2009

Ah, Cést L'Amour! (Pleno de Modernidade)

O casal Céfini (parisiense de gema), andava já há uns tempos com problemas de comunicação. Porque a oralidade não funcionava em qualquer dos sentidos próprios à vida conjugal, Monsieur Céfini optou, medida pouco ortodoxa, por lhe escrever uma carta (breve):

 

«O nosso amor está com sono. Talvez pudessemos abrir-lhe as persianas. Há tanto tempo que dorme que não me parece saudável. Talvez devamos preparar-lhe uma festa, algum tipo de evento... Sugiro que passeemos pelos Champs Elysées e que subamos depois à Torre Eiffel... Talvez se lhe dermos asas...»

 

E a resposta de Madame Céfini não tardou, pelo mesmo canal:

 

«Estou de acordo. O diagnóstico é correcto e o plano é bom. Gostei particularmente da subida à Torre. Proponho que um de nós - tu que és mais forte - se chegue mais à beirinha para lhe dar um balanço. Quem sabe, com uma lufada...»

 

Monsieur Céfini arrumou os papéis de carta na gaveta da secretária e foi deitar-se. Para não se esquecer, tomou nota na sua agenda de bolso:

 

«Conversar sim, mas através de advogado»...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:26
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 18 de Maio de 2009

Breve História de Dois Práticos Suicidas

- Eu vou andando para baixo, se quiseres fica - E atirou-se da torre.

Ele ficou perplexo a vê-la descer como uma nave a que tivesse rebentado o motor. Depois olhou em redor e viu a desolação da torre,  sem nada que lhe interessasse. Pensou: «Porque não?»; pediu-lhe que esperasse; e deixou-se cair...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:47
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 17 de Maio de 2009

Tirésias

 

 

 

 

Tirésias não vê, prevê;  e em tudo o mais é cego.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 23:42
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 16 de Maio de 2009

Breve História de Um Sábio de Berlim

Herr Alleswisser fez um castelo de livros e, sem mais delongas, instalou-se nele; ponta a ponta, foi lendo a sua casa e, lendo, sentia-se feliz.
Um dia, de tanto ler paredes e pilares, o castelo ruiu; e Herr Alleswisser achou-se soterrado sob a sua cultura e viu-se nu, com fome, com sede, exposto à bruta crueza do Mundo.
Hoje, Herr Alleswisser é um sem abrigo e vive debaixo da ponte Erscheinigungsbrücker, onde passam os carros que seguem para Berlim Oriental.
Só quando confrontado com a vertente prática das ruas que apenas conhecia como ideia nesses livros que lia é que Herr Alleswisser compreendeu que a Literatura, só por si, não constitui a Cultura. Que ser culto, implica viver na mesma proporção em que se teoriza, sob pena de o sabor de uma carne ou de um peixe não ser a carne ou a peixe mas apenas uma sensação de saliva que surge à boca ao pensar-se uma iguaria abstracta que não é mais do que metáfora.
Ao descobrir isso, Herr Alleswisser obteve o impensável: perdeu tragicamente o seu castelo, para encontrar na condição de sem-abrigo aquela completude que buscava.

Dulcineia, meus Quijotes, está ao virar da esquina, não ao virar da página!

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:37
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 14 de Maio de 2009

Breve Historia do Lobo (Mau?) e do Porco Sobrevivente

Constriu a casa com cuidado, pedra a pedra, não fosse o lobo conseguir soprá-la. O trabalho era duro, mas estava feliz com isso, por representar o esforço como constituinte de um bem: ter o que se faz em vez do que lhe é dado. No Inverno o lobo chegou e prometeu comê-lo. Soprou e a porta tremeu, mas não caiu. Tentou a chaminé, mas os vapores do caldeirão em baixo, sobre o fogo, queimaram-no. Tentou as janelas e amaldiçoou o progresso que trouxe os vidros duplos e o porco, mais sábio, que, sendo porco, não era burro nem sovina. Recriminou-se por estar mais frágil, por ter perdido, por não superar, pela força, a inteligência; e a inteligência de um porco era para si uma grande humilhação. Voltou para a floresta para meditar sobre si mesmo, debaixo dos ramos de um choupo. Estudou com afinco a lógica do mundo e entendeu as ramificações do choupo a que tão placidamente se encostava e também aquelas da economia geral. Viu nos livros de Marx e Engels e de Adam Smith e de outras entidades de eleição na área, os males e bens do capitalismo, que se resumiam apenas a vantagens. Preparado, confiante, regressou a casa do porco.  Falou sobre fraternidade e igualdade, lançou ideiais comunistas de partilha e de bem, falou do valor inerente ao termo "negociar", propôs uma rendição incondicional. O porco abriu-lhe a porta, convidou-o a entrar. O lobo abriu-lhe a boca e convidou-o ao termo. A natureza, àparte as deturpações artificiais da organização dos seres, cumpre-se, afinal, inalteravelmente...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:26
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 11 de Maio de 2009

O Espectro de D. Ramires e Uma Frase de Abranhos (Segundo Eça de Queiroz)

Primeiro gritou muito, um pouco histericamente, e saltou para cima do sofá. Depois atirou-lhe um sapato. O monstro ameaçava toda a sua existência. Infiltrava-se em todos os seus poros, em todos os seus refúgios, em todas as suas realidades; e nada o afugentava. Era um mosquito; e chamava-se Medo; e era voraz.

Depois vieram outros como ele com outras graves doenças. Ramires está acamado e as paredes ruiram. A sua casa nunca mais será a mesma, e há muito que deixou de ser ilustre.

 

......

 

O meu país fundamenta-se na mediocridade. Porque é ai que quem o faz se  fundamenta.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Na Ilustre Casa de Ramires
Sem Som: Lamentationem (Hayden)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:48
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 5 de Maio de 2009

Breve Históra de Uma Incrível Bancarrota nos Matos do Grande Congo (Fábula)

- Todos os animais deverão imediatamente juntar-se no coração da Floresta! A reunião... -

 

era urgente, explicava o rato, mensageiro daquelas partes: o leão ia falar sobre um assunto gravíssimo!

O espanto era geral. Que tema poderia dar azo a tanta azáfama? Estaria a Floresta à beira da catástrofe? Caíra um meteorito? Detectaram-se movimentos na placa tectónica? O rio transbordou? O rato do campo não avançou notícias e o da cidade que depois se lhe juntou era demaisado sisudo e oficial para adiantar o que quer que fosse; mas trazia debaixo do braço um grande livro de decretos.

O pinguim e a tartaruga dos Galápagos foram os últimos a chegar.

 

- O que é isto, - perguntou a lontra, curiosa e desconfiada - uma Assembelia Mundial? Se o não for, nao os quero cá; se o for, quero saber porquê... Isto é altamente irregular!

 

Mas um rugido estrondoso deu-lhe outro ponto de vista.Verificando por fim o plenário e o silêncio, constatando que havia quorum que acatesse o seu dictum, o leão princípiou a exposição dos factos:

 

- Meus amigos, antes de mais, muito obrigado por estarem aqui, que sei que muito vos transtorna. O motivo por que vos trago cá, é este: estamos em crise.

 - Ooooooooooooooooooooooooohhhh!! - fizeram todos.

- Virgem Formiga! - gritou a Formiga Ruiva, - Queimaram-se as minhas provisões!

- Em crise! - guinchou a cegonha.

- Está a acabar-se a areia? - perguntou o camelo.

- Não há bananas? - perguntou o macaco.

- Perdeu-se o milho? - perguntaram os corvos.

- Já não há gomas?! - sondou uma texuga angustiada.

- Gomas?! - inquiriu uma estranheza colectiva.

- Ahhhh... Uhhhh... Hum... Pois... quero dizer... gomos!, gomos! Quis dizer gomos!... Que é o que eu chamo aos pinhões....

- Mas os texugos não comem pinhões! - Desconfiou mais a lontra, que desconfiava de tudo.

- Eu como! - reorquiu a texuga, querendo acabar com a conversa - e tenho o direito de comer o que eu quiser! Ora já viram esta! Humpf!

- Silêncio! - gritavam o ratos, tentanto instaurar a ordem - Silêncio! O Rei Leão vai falar!

 

A contragosto, a Assembleia calou-se.

 

- Como vos dizia, meus amigos - prosseguiu o leão com ar pesado, - estamos em crise... As circunstâncias, as componentes, a conjectura, e infrastructura, a compustura agora descomposta, as dívidas de boa vontade, os juros de perdão de quando não vos comi e podia, enfim... A verdade é que tenho andado com fome...

 - Ooooooooooooooooooohhhhhhhhhhhhhhhhhh!! - fizeram todos.

- Sim, - continuou o leão - tenho andado mesmo esfomeado. E porque as vossas simpáticas oferendas, sendo boas, não são suficientes, vejo-me forçado, perante os roncos miseráveis do meu estômago, a deglutir-vos, meus amigos, pouco a pouco...

- Ooooooooooooooooooohhhhhhhhhhhhhhhhhh!! - fizeram todos.

- A começar, - prosseguiu - já hoje pelo meu almoço...

- Então e como planeias fazer isso?, - perguntou o urso, já a afiar as garras, esperando vender cara a pele.

- Ah, não te inquites, meu irmão, que o farei de uma forma muito democrática. Começamos por ir a votos, e depois, se for preciso, sorteamos...

- Então e como vamos votar? - perguntou o alce.

- Levantamos a pata - respondeu o leão.

- Levantamos a pata a quê? Quem diz o nome de um animal? -, quis saber o búfalo.

- E quem não tem pata?, - perguntou o robalo.

- Aí eu lavo as patas, como Pilatos. Não quero incriminar nenhum dos meus camaradas, nem aceito que depois me incriminem, sob pena de lhes mover um processo... capital...

- Mas alguém tem de apontar alguém, se não ninguém se acusa! Como é que fazemos isto?!

- Só sei que nada sei! - retorquiu o leão.

- Meu Deus, estamos perdidos! - exclamou o cavalo, com ar preocupado.

- Que foi?, que foi? - O coelho, a zebra, o cão, o pintassilgo, vários bichos, já, se lhe juntavam, procurando entender tão grave revelação.

- Este tipo julga que é o Sócrates!

 

............

 

Os felinos, os répteis, os insectos e os porcos, vendo o rumo das coisas, tomaram logo o partido do leão e puseram-se a seu lado. Disseram uns quantos nomes, que mais ou menos sortearam e tiveram um banquete farto. A Floresta vai encolhendo e empobrecendo, mas há uns bichos que engordam. A crise de uns é  sempre a festa de outros, isto está claro. Não há crise em mundo algum que não seja intencionalmente provocada. Repito: intencionalmente provocada.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:52
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 3 de Maio de 2009

Spring, Winter, Spring and Requiescate...

Porque é Maio a flor desabrocha e começa a dançar. Está feliz e faz a sua música. Sabe que em breve a abelha vem aí. Já viu uma há uns tempos, que vem mantendo fisgada... A flor está feliz porque antecipa o jogo

 

... ...........

 

Toda a Felicidade está na antecipação.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:22
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 2 de Maio de 2009

O Vazio de Pyotr Stepanovich Verkhovensky

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:46
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 27 de Abril de 2009

Teatro Curto Para Um Longo Fim...

MULHER (INQUIETA): Estão a bater à porta.

MARIDO (DESPREOCUPADO): Não abro a estranhos.

MULHER (APOQUENTADA): Estão a meter-lhe uma chave...

MARIDO (DESDENHOSO): Com certeza é engano.

MULHER (ALARMADA): Entraram em casa!

MARIDO (EM PÂNICO): Chama a guarda! Ladrões!

O INSTRUSO (OFICIAL): Idalécio Gonçalvez Zarco Mendes, você viveu 18.743 dias. Chegou a sua hora!

MULHER (SARCÁSTICA): AI marido que é a Morte! Chegou p'ra te levar!

MARIDO (DEBAIXO DO SOFÁ): Pois diz-lhe que se vá embora...

MULHER (ARDILOSA): Diz que ir embora não pode, mas que podemos trocar... Ir eu em teu lugar...

MARIDO (VIRILMENTE): Pois diz que sim, que eu aceito!

MULHER (CHOROSA): Então...

MARIDO (IMPACIENTE): Já ias...

 

.................

 

MULHER (NAS ESCADAS): Jean-Pierre, vieste mesmo buscar-me!!!

O INTRUSO (SENSAULMENTE): Oh!, mon bombom... 

 

Que Farei Com Estes Gumes?: ,
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:54
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 19 de Abril de 2009

O Gume Leu... Maus

E sentiu-se um rato.

 

....

 

The world is your oyster?

Then try not to be the pearl...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:38
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 14 de Abril de 2009

Buenos Aires (Para Amar)

Piazzola fez um tango para a juventude. Ele e ela vão para o centro da sala. Ela, põe-lhe a mão no ombro, acaricia-lhe o rosto. Ele prende-lhe os cabelos num gesto de volúpia, passa-lhe os lábios pelo pescoço delgado, sugere-lhe um movimento para a esquerda:

 

- «Mi corazón está aca. Bailemos para este lado»

 

Ela deixa-se levar como o junco que se inclina ao sabor do vento. Depois sussurra-lhe um desejo escondido. A música pára (porque devia mesmo parar ali) mas eles continuam para além da música. Porque este tango não se ouve por fora: a música (qualquer música) toca-nos sempre por dentro.

 

Piazzola tocou o amor, em contratempo...

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:59
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 12 de Abril de 2009

O Princípio do Fim do Amor de Lobão

Nunca me compreendeu. Deitada a meu lado, apontou-me o dedo logo depois do cigarro. Disse-me com raiva que eu não lhe tinha amor: mas o seu amor não continha a amizade...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:24
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 2 de Abril de 2009

Porque Um Dia Me Pintei e Me Olhei ao Espelho (Desabafo de Uma Gata Borralheira)

Disse-me com tristeza que vaidade é pecado. Depois agitou as asas e subiu pela chaminé como um fumo das fábricas. Eu, orgulhosa como sou, encolhi os ombros indiferentes à moral e medi a temperatura das palavras. O Inverno era agreste e rigoroso; mas o seu coração! 

Quando era criança e me contavam histórias, havia sempre no percurso uma fada. Ela chegava do seu próprio feiiço e fazia um milagre de espantar as pedras; e nisso eu via um gesto de bondade. Esperei muitas vezes por elas e apenas recebi em  minha casa mulheres que doutrinavam a moral que não seguiam (porque em verdade ninguém pode seguir uma moral). Perguntei-me de que nos serve um poder se o usamos apenas com palavras; de que nos serve um propósito se só temos o nosso; de que nos servem varinhas se só queremos coisas que se gastam e morrem.

As histórias que me liam em criança falavam de mulheres que transformavam as abóboras em carroças e produziam coisas belas com o intuito unico de dar a ilusão da felicidade impossível. Eram uma forma de passear pelos sonhos e de entender o milagre de criar qualquer coisa. Mas a voz que contava essas histórias escondia um segundo propósito (que era afinal o único que tinha): incutir na liberdade de um outro uma precisa forma de pensar - a de todos os outros...

 

........

 

(Nunca mais li histórias para crianças; passei eu a escreve-las)...

 

.......

 

Será que todos os Homens se corrompem?

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:06
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 30 de Março de 2009

A Lição do Chefe Pé de Vento

Estar na vida é como enfrentar um rio:

 

A corrente irrita o corpo cansado, engolimos muitas coisas que não queremos e largos troncos vêm bater-nos no rosto. Mas, chegues ou não ao ponto a que esperavas, a viagem compensa: tens só de apreciar o que há nas margens - é de passagem, é certo; mas que importância pode ter o quanto dura na qualidade que há na sensação?

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:04
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 18 de Março de 2009

A Cegueira Branca - (O Pior Cego É O Que Não Quer Ver...)

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:33
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 17 de Março de 2009

A Bandeira de Ulysses Simpson Grant e Robert Edward Lee - 9 de Abril de 1865

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:25
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 16 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte X

 

 Pediram-me um post com sal; mandei-os ler Gedeão:

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:56
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 15 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte IX

 

Pediram-me um post com pele, mas confundiram-me com São Bartolomeu...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:08
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 14 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte VIII

 

 

Pediram-me um post com tinta, mas a caneta acabou.

 

(O Amor acabou com a caneta)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 01:05
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 13 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte VII

 

Pediram-me um post com sexo; mas faltou-me a vontade.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 01:04
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 12 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte VI

Pediram-me um post com peixe; mas morreu no aquário.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:00
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 11 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte V

 

Pediram-me um post com dia; mas anoiteceu...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:59
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 10 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte IV

 

 

 

 Pediram-me um post com calor; mas este é um blog indiferente.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:59
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 9 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte III

 

Pediram-me um post com mãos, mas todas estão ocupadas...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:58
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 8 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte II

 

 

 

 

Pediram-me um post com trigo - mas só me deixaram as pragas...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:12
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 7 de Março de 2009

Série de Ausências Materiais Verdadeiramente Insubstituíveis - Parte I

 

 

Pediram-me um post com orquestra; mas faltavam-me os instrumentos...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:21
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 3 de Março de 2009

A Tragédia de Errol Flynn (Versão Pouco Infantil)

Errol Flynn, Gato das Botas,

Galgou as sete colinas

E salvou sete donzelas;

Todas sete eram felinas,

Todas sete muito belas.

No  mapa viu sete rotas

E seguiu por todas elas,

Saudou sete libertinas

Que espreitavam às janelas

Com sete cabeças finas...

Errol Flynn, Gato das Botas,

Era "o tal" para as meninas,

Era "o Galã de Frielas",

"D. Juan das pequeninas"

Tal e qual o das novelas...

Errol Flynn, Gato das Botas,

Estava em constante folia,

Cada beijo que ele dava

Era tido por magia,

Cada coisa em que tocava

Como que resplandecia,

Errol FLynn, Gato das Botas

Era gato porque queria -

Todos queriam imitá-lo,

Todas queriam cortejá-lo,

Mas ninguém o conseguia:

Errol Flynn nunca cedia!

 

Até que de noite, um dia...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:35
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 1 de Março de 2009

Lamento de Alexandre O Grande

Quis sempre ter tudo por interio; por isso, senti-me sempre incompleto...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:17
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 27 de Fevereiro de 2009

Breve História do Sensível D. Cagufas

D. Cagufas choraminga por uma unha encravada... Sei de homens que são como este coelho. Qualquer coisa lhes dói, até a sua apatia. Mas receiam arriscar o instante em que teriam de agir; e lamentam-se, naturalmente.

 

.....................

 

(Coelho roubado a Formato TXT)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:10
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 22 de Fevereiro de 2009

Uma Homenagem A Almada-Negreiros (Só Porque Sim)

O povo completo será aquele que tiver reunido no seu máximo todas as qualidades e todos os defeitos. Coragem, portugueses, só vos faltam as qualidades!

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:17
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 18 de Fevereiro de 2009

Un Verre au Caffé Royal

- O que é isso?

- Amêndoa amarga.

- E isso é o quê?

- É uma poção que, sendo amarga, é doce...

- Ah, então é tal e qual as mulheres!

- Sim, mas em estado líquido...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:19
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 17 de Fevereiro de 2009

Breve História do Adereço Constituinte

D. Raimundo de manhã põe os óculos. Ainda tem a touca de dormir, as ramelas nos olhos, o pijama às riscas, os lençois por cima do seu sono curto e esbraceja e boceja e retorce-se como um urso esfomeado. Mas a sua identidade só se acha com aquele pedaço de metal e vidro sobre as linhas da cara.

D. Raimundo não é Raimundo nem Dom sem ter esse suporte de si mesmo e é sobre ele que os seus dons se controem; é uma imagem que moldou, claro está. D. Raimundo nem precisa de óculos... mas o que tem de ver da realidade parece-lhe desfocado sem a sua fachada de homem prezado, sem a sua roupa de estar com alguém, sem a sua pele de ser conjunto. Assim, mesmo quando está sozinho, para que esse esforço seja natural, D. Raimundo, ao despertar para o que supõe ser a vida, prende de imediato essa réplica ao rosto e exercita-se condigno e inteligente.

E é com grande satisfação que, uma vez despertado com o conforto do falso em que se fez, salta da caminha sacudindo as carnes e se prostra diante de um espelho muito largo, batendo as palmas de contente e proclamando em urros o repetido sucesso de se esconder do que é.

Não tem mais agora que memorizar aquela imagem e de a levar consigo para onde quer que vá, mostrando a toda a gente que o que finge é um fingimento tão humanamente natural que não pode ser senão o mais profundo reflexo de si próprio.

E os outros, que são como ele, nem sonham que estará a mentir. Não lhes interessa, porque isso seria por em perigo a sua naturalidade.

E de noite, antes de dormir, vão a clubes comuns criados para esse efeito de trocar impressões sobre as suas máscaras e os seus adereços constituintes e orgânicos, entre os fumos das palavras ôcas, os éteres dos sentidos dúbios e as hipocrisias prazenteiras das palmadas nas costas.

A Felicidade, enfim, é uma escolha, e a escolha de Raimundo é isto...

E tu, meu amigo, como escolhes? Também tu és Raimundo?

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:00
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (3) | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 16 de Fevereiro de 2009

Considerações de Um Cavalheiro Só Antes de Se Anunciar Por Companhia no Diário de Notícias...

Foi curioso hoje o meu almoço. Em minha companhia, à mesa, com postura de lord, um coelho e um cão. Um leopardo entrava altivo pela porta do restaurante, com uma gata pelo braço. Uma cegonha desengonçada e estridente servia bebidas e recolhia pedidos ao longo das mesas. Um sapo bonacheirão investigava o cardápio. Um alce arranjava uma lâmpada, um rato roía um queijo (que estranha normalidade neste caso!), um lince esganava um frango...

 

Tudo mudava, tudo era fabuloso. Só o meu tédio se mantinha invariável...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 10:05
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 10 de Fevereiro de 2009

A Vida Segundo Maître Keval

Maître Keval déviait aussi vers la physique.

- Le Monde, nous expliquait-il, et une somme de tout petits élements que nous ne pouvons percevoir, mais qui existent toutefois. (...)

«Il existerait des élements qui sont encore plus petits, poursuivait Maître Keval, mais il ne faut pas nécessairement croire tout ce que disent (...) les autres (...).

Croyez vos yeux, mes enfants. Lorsqu'ils seront usés comme les miens, raisonnez! Mais que vos bons yeux ne vous empêchent pas de déjà raisonner aujourd'hui. Décidez par vous-mêmes. Soyez humbles, pourtant, car de grands savants ont existé avant nous et ils savaient des choses qui sont aujourd'hui oubliées.

In Luc Leruth, La Machine Magique.

.................

 

Voir est un acte. L'oeil voit comme la main prend.

 

In Paul Nougé, Quelques Bribes

.................

 

Pensa e faz pensando. Descura jamais qualquer dos dois (para a vida, nova forma de sintaxe : olha e faze).

 

 

Dedicado a A., de Antagonices, pela pertinência da crítica a este texto.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:54
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 8 de Fevereiro de 2009

Sobre-Humano, Sub-Orgânico... (O Dilema de Rorschach)

Cansei-me de ser Super-Herói. O stress dá-me cabo dos xacras. A rotina pesa-me. O dia não rende. Vou retirar-me da vida tributária. Não devo nada a ninguém, esqueço o que todos me devem. Vou ver desmaiar um pôr do sol em Cuba, tombar as estrelas em Tokyo, passar os barcos em Sydney,  as gaivotas morrer nos portos de Lisboa, onde a Terra acaba e começa o mar...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:15
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 2 de Fevereiro de 2009

Breve História dos Três Esquálidos Chineses

A Tríade do Vento Leste conspirava a um canto. Num ábaco de cartão faziam contas aos mortos:

 

1,2,3,4,5... 20.000...

 

Dois montes elevavam-se acima dos telhados. Dois montes de corpos sobrepostos. Que noite dura!

Xao Ding Dong,  Feng Ping Pong e Tchong Xau Min olhavam-se cabisbaixos. Depois punham a vista na paisagem. Que desolação!

 

- Esta não é a Xangai que conehço - disse o primeiro.

- Esta não é a China onde cresci - disse o segundo.

- Este não sou eu - concluiu o terceiro. E feneceram.

 

Depois chegaram os corvos. O corvo chinês é mais negro e mais triste; e os seus olhos são mais amarelos. Os três homens falaram na manhã por ser e as suas três vozes confundiram-se:

 

- Olha, um corvo! Não sabia que havia corvos na China!

- Há corvos em todo o lado.

- Sim, em Daotsun Fo, onde o meu avô me criou desde o berço, havia sempre um corvo que à noite me embalava.

- Também em Liutsin Po! E acompanhava-me à escola...

- ... E nas aulas!...

- ... E durante os deveres...

- ... E em casa...

- ... E quando saí de casa...

- ... E quando me casei com Flor de Lotus...

- ... E quando me separei de Flor de Lis...

- ... E quando engravidei Flor de Jasmim...

- ... E quando os meus filhos nasceram...

- ... E quando me mataram um...

- ... Era mulher...

- ... Estava a mais...

- ... Tanta coisa na China está a mais...

- ... Menos os corvos...

- ... Os corvos nunca estão a mais...

- ... Eles são bons...

- ... Muito bons...

- ... Os corvos governam a China...

-... E entretanto cresceu-me uma asa...

- ... E a mim uma cauda preta e um bico baço...

- ... E da minha boca saem penas que regorgito enojado...

- ... Também nós nos tornámos corvos...

- ... Por fazermos o trabalho deles...

-... Dois montes mais altos do que estes telhados...

- ... E este pôr do sol que nunca mais se levanta...

- ... E este temporal que nunca mais termina...

- ... E este nevoeiro que nunca mais parte...

- ...Temos de Sair da China...

- ... Temos de acabar com a China...

- ... Temos de matar os corvos...

 

.....

 

O Vento soprou no beco de Djin Tsu. Xangai enegrecia mais um pouco. Outro grupo de nuvens chegava de malas feitas para morar na cidade.

Xao Ding Dong,  Feng Ping Pong e Tchong Xau Min já não podiam olhar-se. Cobertos completamente de penas, eles eram o espelho dos seus actos, do seu consentimento com um regime que apenas os encolhia, os retalhava, que apenas os tolhia de tudo quanto tinham de mais individual. Olharem-se era verem o que se haviam tornado, era aceitarem de braços abertos o carrasco, o Inquisidor, o ladrão de identidades. Olharem-se era reconhecerem a derrota. Agora que se achavam perdidos de tudo, sõ uma coisa ainda lhes sobrava: a vergonha e o medo. E era isto que os impedia ainda de arrancarem as penas e de renegar a sua nova natureza de corvos. O  repressor pode parecer implacável e olhar de frente para a Morte; mas é certo que não a olha verdadeiramente nos olhos. Se o fizesse, algo, infalivalmente, mudaria em si próprio.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Tristezas do Sol Nascente...
Sem Som: Não Só A Lua Nos Mente
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:57
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

Diário de Um Traidor

A minha lealdade é contrária à minha conveniência...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:15
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 26 de Janeiro de 2009

Curvaldia, Gurdulù e Serei Eu?

- Procuro o meu patrão (...)

- Dentro do frasco?

- O meu patrão é alguém que não existe. Tanto se pode não existir num frasco como numa armadura.

(...)

- Tornar-se-ão todos cidadãos de Curvaldia (...) e terão uma situação de acordo com o seu mérito.

- Deverei considerar-me igual ao meu escudeiro Gurdulù, que nem ao menos sabe se existe ou não existe?

- Também ele aprenderá... Nenhum de nós sabia que existia no mundo... O existir também se aprende..

 

In Il Cavaliere Inesistente, de Italo Calvino.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:38
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 25 de Janeiro de 2009

De Bradamante e Agilulfo - Desejo e Contradicção

"Quando uma mulher perdeu o desejo por todos os homens existentes, o único desejo que lhe resta é por um homem que não existe"

 

In Il Cavaliere Inesistente, Italo Calvino.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:37
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

De Mãos Vazias (Mr. Cellophane)

Chorei como se chora na Tristeza:

 

Lágrimas na touca,

e a emoção na mesa...

 

(Foi uma aflição,

mas não foi surpresa)

 

........................

 

Chorei como se chora na Tristeza:

 

Lágrimas na boca,

e a coração na mesa...

 

................

 

(Não ter é a minha única certeza).

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:00
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Diário do Rei Pasmado

Tudo o que fiz foi com sono.

Vivi com os olhos fechados.

 A minha experiência de vida

Reúne apenas duas possibilidades:

 

O sonho

E o pesadelo.

 

Ambas são instatisfatórias...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:29
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 3 de Janeiro de 2009

Bilhete de D. Raimundo Depois Que Partiu Ramona

Que bem que tu estás bem nesse teu Bem!

E eu por cá estou, no meu poço interior...

Se estás Além não deixes de ir Além;

Se é o Longe que tu queres, fá-lo maior...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:20
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 31 de Dezembro de 2008

Tristeza? Nao!

(Por Gwynplaine):

 

O que mais pesa na minha solidao

É o ter de viver as alegrias sozinho...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:28
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008

Breve História do Insuportável Calor da Madame Cremilda...

- D. Cremilda, se me permite... Não faz sentido o seu ar condicionado. É Inverno, está frio, não precisa de arrefecer a sala...

- Eu tenho calor. Eu sou a dona deste cabeleireiro e tenho calor! Se fôr ver o letreiro à entrada, vai ler: «CABELEIREIRO CREMILDA». Cremilda, e não Maria Inácia!

 

Maria Inácia agitou-se, indignou-se; gritou que não podia ser,  atirou com os rolos para cima da banca, levantou-se e arrancou para a saída, aos desabafos:

 

- Ora já viram isto?! A malcriada! Tratar assim uma cliente! Eu mereço respeito! Olha a gorda! Tenho lá culpa que o excesso de carnes a deixe afobada como um porco?! Se pago, é o meu frio que importa! O meu! E que não pagasse!

- Gorda? Enguia! Bruxa! Saia! Rua!... E você o que quer, seu paspalho?

 

Maria Inácia desaparecia no cinzento da rua. Um rapazinho com barba por crescer tremia nervosamente à entrada:

 

- Eu... Eu... Eu peço mil perdões... Vim apenas inquirir se a Madame Cremilda desejava café... Porque é Natal, sabe, e então o Chefe Silva...

 

O Chefe Silva era o conhecido "Rei dos Bolos" da «PASTELARIA "O PASTEL"». Confessado amante das mulheres volumosas, há anos que nutria uma paixão ardente pela cabeleireira. Também ele passava o dia afobado. Porque não os juntavam as estrelas?

 

- Que quer esse trouxa?!

- O trou... O Chefe Silva mandou-me aqui ter consigo, oferecer-lhe este miminho... E manda saber se quer jantar esta noite...

- Ai manda? É claro que quero jantar! Que raio de pergunta!

- ... Na sua companhia...

- Na minha?!

- ... Não, não Madame Cremilda... Quis dizer... na dele...

- Olha o desenvergonhado! Fora daqui camafeu! Já viram o descaramento? Rua! Rua! Eu sou só comigo! O Natal é merda! As festas são lixo! As tradições dão-me um calor que não posso! Tudo me enerva! Só me alivia o meu ar condicionado...

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:53
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 25 de Dezembro de 2008

Discurso do Sr. Nazaré Na Cama 7B do Hospital dos Capuchos

Cansei-me, Sr. Popper, do seu balde mental. Cansei-me de acumular experiências. Vou ligar o meu corpo a uma tomada e esperar que a corrente faça o resto; como uma máquina que fique a carregar baterias. Porque hoje nao me apetece dar suor à vida. Porque hoje eu quero ligar-me ao Prorgresso, ser um com a sociedade, de acordo com a quadra,  perfeitamente feliz e humano, naturalmente artificial e incompleto.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:57
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 23 de Dezembro de 2008

Breve História da Nova D. Flôr

Um dia, D. Flôr perdeu os seus dois maridos: um fugiu pela porta, o outro pela janela. Da fartura sentimental, D. Flôr transitou para um período de crise de natureza íntima. O seu antigo império estava agora desmembrado,  inteiramente condenado à Solidao. Que duro golpe! Ela era ainda bonita e desejável, o espelho nao lhe mentia, nem ela mentia ao espelho... como entender que a tivessem deixado? D. Flôr nao podia aceitar que beleza e desejo fossem apenas ornamentos do amor, nao partes que o compusessem. O afecto que os dois maridos nutriam por ela perdera o esmalte com que estava enfeitado.

 

- Ah!, o amor! - Desdenhava agora a Imperatriz sem súbditos, - O amor é furtivo e tem memória curta, como um rato que come muito queijo!

 

E sentou-se no morro a lamentar-se, sofrendo com a paisagem.

 

.................

 

(D. Flôr era desse tipo de pessoas que acha sempre um meio de descartar as culpas de si própria...)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 14:12
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 21 de Dezembro de 2008

Breve História do Índio "Pé-De-Vento"

Havia água no coração da árvore. Furei-a com um dente de lobo e enchi o cantil. TInha tanta sede! Depois vi que era seiva e que a árvore  estava morta. O meu desejo foi maior do que o tamanho da árvore e sequei-a por dentro, como sempre se secam as pessoas. É isto o egoísmo.

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:24
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 20 de Dezembro de 2008

O Dilema do Suicida Asseado

O problema de cortar os pulsos está em sujar  a faca...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Sentir? Para Quê
Sem Som: Requiem (De Mozart)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:16
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 11 de Dezembro de 2008

De um Estranhíssimo Hedonismo

Sou escravo dos meus prazeres.

 

E sabe bem...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:09
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (4) | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 9 de Dezembro de 2008

Dormindo Com O Assassino - (O Pesadelo de Charles Perrault)

Barba-Azul dormia sempre com um espelho...

 

(O seu nome, Mr. Verdoux)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Azul, Como a Tristeza
Sem Som: Bela Bartok
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:54
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Quarto Escuro - Fragmentos de Um Gnomo da Floresta Negra

Hoje só quero apagar as luzes.

 

Ponham um pano no sol,

furem as lâmpadas,

quebrem os candeeiros,

desfaçam os candelabros,

derretam as velas,

extingam os lumes,

fechem as taipadas

e as frinchas das janelas,

enclausurem tudo!

 

Cresceu-me com a manhã uma masmorra na alma...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:25
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (4) | Os Golpes Que Eu Amo

Breve História de Um Amor Infeliz

Madame Waterloo gostava de conquistar. Um dia apaixonou-se pelo Senhor Ipiranga, um latifundiário caçador de borboletas.

Determinada como era, detectando o seu desejo, correu ao seu encontro com os dois braços em riste e pediu-lhe amor.

O Senhor Ipiranga falou dos seus afazeres, da sua terra por lavrar, do seu cavalo por selar, dos seus papéis por assinar, da sua amiga doente além do monte mais alto, das complicações da sua liberdade.

- Independência ou Morte! - disse-lhe, - Impossível!

Ela enxugou os olhos com a renda do vestido, ele enxugou as mãos com uma toalha. O amor que os atraía tinha defeito no íman:

Ele queria-a, mas não queria estar preso; ela queria-o mas só para si.

Choraram os dois.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 07:34
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 7 de Dezembro de 2008

Georges Grosz, Da Suavíssima Tristeza...

Hoje sentei-me e deixei-me envelhecer...

 

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Ou Talvez Nem Sinta Nada
Sem Som: Violinos, Ao Fundo da Sala
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 11:48
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2008

Entrevista

- Quasimodo, o que é a mulher?

- É o género que me repele...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Observador
Sem Som: Tristeza Nao Tem Fim
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:08
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Desgosto do Sr. Fortes (Segundo South Park)

Eu escrevo para ser feliz.

 

............

 

Que falhanço enorme!!!

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:21
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 2 de Dezembro de 2008

Ponto de Encontro - (Amólicos Anónimos)

Orídice: Cheguei às 5, nao estavas...

Eufeu: Cheguei às 6, tinhas ido...

 

..................

 

 

Amámos fora de tempo...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:26
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo

Estrabismos - Le "Jean Paul Sartre"

Se os olhos são o espelho da alma,

É evidente que a minha está torta...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 09:18
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

Se Vês em Mim Bom e Bem... (Nota de Um Caixeiro Viajante)

(Para o Bem e para o Mal...)

Sou menos do que pensas e mais do supoes.

Nao te desiludas - Ilude-te comigo...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Viagilizando...
Sem Som: High Hopes
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:45
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

Porcelana (Vista Por Uma Dama de Versailles Enfasteada)

O Amor é tao frágil! Qualquer coisa o parte!

 

(E a Dama embuchou mais dois ou três croissants e lambeu os dedos...)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Frágil como eu sei lá
Sem Som: porcelian (smashing pumpkins), Fragil (Jorge Palma)
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:31
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Dalila

Tenho qualidades, como toda a gente. Mas a minha força nao está no corpo. Sou um Sansao intelectual que se destrói a si mesmo.

 

(Dalila sempre me cortou o cabelo)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Que Me Cortaram o Cabelo
Sem Som: Que Estranha Forma de Vida
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:06
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Uma Homenagem A Quem Me Lê E Pergunta:

Obrigado. E uma Hidra: ...

 

(Teoria, de Wikipedia, Brasil):

 

A Hidra de Lerna era um animal fantástico da mitologia grega com inúmeras cabeças de serpente (diferentes versões dizem ser 7, 8, 9 ou até 10 cabeças) que se regeneravam (ou seja, matava-se uma e surgia pelo menos mais uma em seu lugar) e corpo de dragão, cujo hálito era venenoso. Uma das cabeças era imortal.

Foi derrotada por Hércules em um de seus doze trabalhos, que atirou uma pedra na cabeça imortal ou, em outras versões, destruiu cada cabeça e, para não se regenerarem, pediu a seu sobrinho Jolau para queimar cada cabeça após ser cortada. Segundo a tradição, o monstro foi criado por Hera para matar Hércules. Quando percebeu que Hércules iria matar a serpente, Hera enviou-lhe ajuda – um enorme caranguejo -, mas Hércules pisou-o e o animal converteu-se na constelação de caranguejo (ou Câncer).

Hércules, após a matar, aproveitou para banhar suas flechas em seu sangue, para as deixar venenosas também.

 

(Prática de Anónimo):

 

 

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Diadático
Sem Som: Uma Harpa
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:51
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

D. Afonso II, o Gordo, Desabafa com Seu Pagem... (Apócrifo)

- Chiça, que desarranjo nas tripas!

- Santo Deus, que comestes senhor?!

- Nada! Meditei sobre o Mundo...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 19:17
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

Demóstenes Parlamentar - Sec. XXI

Toda a minha integridade se transmite em palavras. Os meus actos sao-lhe avessos como à alergia da pele. Repelem-na ao convir das várias conveniências. Desta ciência se faz a minha arte.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 22:54
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 5 de Novembro de 2008

Ensaio Sobre A Tristeza

E nisto consiste a minha Paz:

Sofrer sossegadamente...

 

:::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

Qui suis-je, oh je suis

L'Homme qui pleur

Quand il rit,

Oh, je suis l'homme qui rit,

L'homme qui rit,

 L'homme qui rit,

Je ne suis rien

(Come on dit)

E ce grand rien

Me suffit.

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Como Sempre
Sem Som: Para Quê?
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 21:45
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 10 de Setembro de 2008

Estranhezas - de César e Cleopatra (Invulgaríssimo Romance)

Uma melga vem zurzindo toda a noite. Não me dá calma nem sono. Não, não é o remorso, é o medo. É o medo de voltar a ser mordido. ................ (Aí não meu amor, morde mais abaxio. Se deixas marca as pessoas vêm)...
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:27
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 1 de Setembro de 2008

Do Declínio da Mentira Para Além de Oscar Wilde

A abstracção é o meu maior segredo. Fujo para fora do real para que a verdade não me encontre. Mas a verdade tem as manhas do Diabo, e encontra-nos sempre.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:36
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

Mr Celophane to Mrs. Ghost

És uma presença abstracta como Deus. Estiveste sempre presente nos meus sonhos, mas nunca me ouviste chorar. 

 

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:22
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

O Comprimido de Mr. Shallowheart

 

Matar-me? Com certeza! Como um cobarde, docemente, tal e qual um sonho...

 

Mais água!

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:14
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 15 de Agosto de 2008

Diário de Peter Pan

A inocência é sonhar sem sonhar fugir.

Todos os meus sonhos foram sonhos para a fuga:

 

Eu nunca fui inocente.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 13:46
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

"I'm A Genuine Failure" - And Then, There Was The Devil...

I saw you girl,

And tried the perfect kiss.

My logic twirled

I got the perfect miss.

 

Only  to others

Imperfection

 Is a bliss.

 

 

 

(And in my broken heart I heard a hiss).

 

 

::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::::

 

 

(Todo o Mal vem por falta de Amor...)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 12:53
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo

O Leão Sem Juba

Sopa de Facas, Chafurdar na Lama

 

Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

Gumoctopus

Últimos Golpes

A Vantagem da Ingenuidade

Liliana (Um Livro Aberto)

Estranha Rábula

Do Medo (Livre/o Abordage...

Evoluções, Involuções, Du...

Derrota do Bon Vivant

Novos Pensamentos de Xerx...

O Homem Perfeito (Segundo...

Reminiscências de um Mito...

De Aristóteles,O Sábio, U...

"Off With His /Her Head!"

Breve História do Crime d...

O Mal das Suposições

Do Sossego das Sombras

Romance de Carta Lacrada

Em Tempo de "Crise" O Gum...

Paulo Lobão Diz...

A Cauda do Coelho Branco ...

Jornal de Província, 18 d...

Tercetos de Uma Top Model...

Opinião...

O Lenço de Madame Bovary

Tragédia da Conversa do E...

Carolina

Ceci N'est Pas Magritte: ...

Livro Branco

Brighella, A Quanto Obrig...

O Leitor Conquistador (Um...

Da Importância da Máscara...

Ah, Cést L'Amour! (Pleno ...

Breve História de Dois Pr...

Tirésias

Breve História de Um Sábi...

Breve Historia do Lobo (M...

O Espectro de D. Ramires ...

Breve Históra de Uma Incr...

Spring, Winter, Spring an...

O Vazio de Pyotr Stepano...

Teatro Curto Para Um Long...

O Gume Leu... Maus

Buenos Aires (Para Amar)

O Princípio do Fim do Amo...

Porque Um Dia Me Pintei e...

A Lição do Chefe Pé de Ve...

A Cegueira Branca - (O Pi...

A Bandeira de Ulysses Sim...

Série de Ausências Materi...

Série de Ausências Materi...

Série de Ausências Materi...

Série de Ausências Materi...

O Gume E O Tempo

Agosto 2012

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Que Farei Com Estes Gumes?

todas as tags

blogs SAPO

Roubar as Facas