Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

Senhoras e Senhores, Em Exclusivo Para o Século XXI, Segundo Gume Apresenta, A Latrina Orgânica!

O Gume anda rebelde e não atura paspalhos. Chegou-me agora um e-mail à caixa de correio, do Sr. Incompleto, que publicitava o seu novo canal de fantasias GRANDESSÍSSIMA-CHACHADA.TÊVÊ. Não conhecendo o destinatário e a legitimidade para me enviar o seu lixo, pedi-lhe informações:

 

----

 

Exmos. Srs. da GRANDESSÍSSIMA-CHACHADA.TÊVÊ,

Peço-lhes o favor de me indicarem por que meio tiveram acesso ao meu email e com que legitimidade estão agora a utilizá-lo sem o meu consentimento.

Grato pela atenção,

Miguel João Ferreira.

 

----

 

Para minha surpresa, recebi esta resposta:

 

----

 

Estimado Sr. Miguel Ferreira

 

Muito obrigado pelo seu email. O Sr. Miguel Ferreira foi meu aluno do curso de Escrita Criativa ESCREVER UMA CHACHADA, que decorreu na casa do pobre. Na altura referi que estava a desenvolver um projecto de lançamento de um canal de chachadas. E aí está ele!

O seu endereço de email foi, naturalmente, dado por si na altura da inscrição no curso. A legitimidade… parece-me sensato dar informação aos meus alunos das novidades que estamos a lançar no mercado. Um endereço de email serve precisamente para receber emails e, neste caso, não se trata de “spam” pois, tal como poderá ver no email que lhe enviámos, só tem o seu endereço, pelo que foi personalizado e dirigido especificamente a si.

Entretanto, caso não deseje, de todo, que eu lhe envie mais emails, basta dizer que eliminarei o seu endereço da lista dos meus alunos e não voltarei a importuna-lo.

 

Com os melhores cumprimentos

 

X. Y. Incompleto

 

----

 

Naturalmente, perante uma oportunidade tão rica de dar vazão à bilis, não pude deixar de responder. E foi isto o que o Gume vomitou com delícia e subjectiva justiça:

 

----

 

Estimado Sr. X. Y. Incompleto,

Agradeço-lhe também eu o seu e-mail explicativo. Será no entanto meu dever corrigir-lhe alguns lapsos. Fui efectivamente, como diz, seu aluno no curso que referiu, igualmente no local que indicou. Folgo muito em saber que tem projectos, que os desenvolve e que os conclui ao ponto extraordinário de os ver aparecer. Não folgo porém em ter notícia deles; os seus projectos são seus e ficarão seguramente melhor se os guardar para si. 

É igualmente positivo que saiba concluir que um endereço de e-mail serve para enviar e-mails. Um dos seus lapsos, porém, é supor que servirá para enviar qualquer e-mail de qualquer remetente. O meu endereço de e-mail, como sabe, foi-lhe, de facto, colocado, por mim, à sua disposição (ainda que não com a naturalidade que sugere) para a eventualidade exclusiva de me contactar para participar em trabalhos relacionados com o curso, não para me enviar a sua publicidade. Foi portanto ao sr. X. Y. Incompleto, pelos motivos acima indicados, e não à entidade ou empresa ou fantasia GRANDESSÍSSIMA-CHACHADA.TÊVÊ ou qualquer outra similar a quem eu indiquei o meu endereço de e-mail.

A sua ardilosa explicação de SPAM (termo nem sequer mencionado por mim, mas obrigado por falar nele), ficou incompleta e, como tal, incorrecta, já que SPAM não se caracteriza exclusivamente (nem forçosamente) pelo envio de determinado e-mail a vários destinatários em simultâneo, mas pelo envio não autorizado a determinado remetente de conteúdo não desejado nem autorizado por ele, em particular, publicidade, como aqui acontece. Nunca o senhor me pediu autorização para tal envio, nem eu lha dei. Assim, por distração, o senhor fatalmente fez um uso desonesto do meu endereço de e-mail que, sim, peço para não repetir, sob pena de eu ter de concluir que não se tratou de uma distração, forçando-me a agir em conformidade.

Quanto à subtileza de dizer que foi "dirigido especificamente" a mim, não se esqueça de se lembrar que estará a fazer que se esquece da notável invenção do Bcc (Blind carbon copy, para os leigos, ou melhor, cópia oculta, em tradução livre) que lhe permite, como ambos sabemos, enviar determinado e-mail, em simultâneo, para vários destinatários sem que estes, de modo directo, possam verficar que o dito e-mail foi enviado para outros endereços que não o seu. Não obstante, quase me lisonjeia com a ideia de que pensou em mim exclusivamente para de modo específico e isolado me dirigir a sua publicidade, só a mim, e depois, isoladamente, aos destinatários a, b, c e n. Agradeço-lhe o pensamento poético, mesmo que a prática do Bcc não o confirme.

 Confiante de que fará jus às suas próprias palavras, quando diz, muito convenientemente,  "não voltarei a importuna-lo" não espero  sequer receber resposta a este e-mail.

Com os melhores cumprimentos,

Miguel João Ferreira.

 

----

Felizmente o mundo está cheio de fanfarrões e paspalhos que nos permitem libertar gazes e excrementos, que não têm forçosamente de vir do estômago. Em verdade vos digo, meus leitores, que, dada a sua natureza catártica, certos indivíduos são melhores que uma latrina!

 

GUMEMOS!

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 17:26
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (6) | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 17 de Dezembro de 2009

Um Manifesto Muito Sério E Muito Público

Pedindo desculpas aos meus 5 leitores pelo aborrecimento da seguinte leitura, arrisco-me a deixar aqui 6 páginas A4 da reclamação que fiz à Carris e enviei ao Conselho de Administração. Motivos de deixar como post a referida carta, não mos peçam, já que os não saberia dar. Talvez este seja o meu modo, muito tímido, de ser um pouco político. A utopia de pensar que de algum modo é possível mobilizar alguém ou qualquer coisa. Os 5 leitores que mo digam.

 

Com as sentidas estocadas habituais,

O vosso Gume, segundo, só de nome, não de natureza...

 

O Manifesto:

 

 

Exmos. Srs. Do Conselho de Administração,

 Venho, por este meio deixar o meu caso à vossa apreciação e reclamar de uma situação ou conjunto de situações que considero serem inapropriadas e injustas. Tentarei ser claro e o mais breve possível.

Como poderão constatar pelos registos electrónicos do meu cartão Lisboa Viva e como poderei, se necessário, provar pelos meus extractos bancários, carrego mensalmente, cumprindo a minha parte, o meu cartão, para toda a rede de Lisboa, Carris e Metro, para me movimentar pela cidade.

Ao longo das minhas várias viagens (Metro e Carris, contando aqui, naturalmente, o último caso), tive uma série de más experiências; de várias delas, fiz reclamações quer no livro de reclamações quer ao Provedor do Cliente, por e-mail. Tais reclamações incluíam situações como esperas inadmissíveis por um autocarro (meias horas, uma hora, etc.), má educação ou postura incorrecta por parte de motoristas (mau tom ou postura a dirigir-se ao cliente, respostas ou frases inadequadas, conversar ao telemóvel (sem sequer fazer uso de um auricular) enquanto conduziam, não abrirem a porta, numa paragem, para deixar entrar um passageiro que chegou depois de as terem fechado, constante troca de motorista entre percursos, etc.). De todas as reclamações que fiz (quantas, não sei precisar, mas foram algumas), nunca obtive resposta das feitas no livro de reclamações e, das que fiz por e-mail ao Provedor do Cliente, não senti que tivesse realmente recebido a atenção e o cuidado que merecia. As respostas do Provedor ou Provedores ou seus representantes eram vagas, evasivas, pré-formatadas e miseravelmente adaptadas à minha situação, com retóricas que em nada mostravam um reconhecimento dos pontos por mim apresentados e verdadeira intenção de corrigir os erros. Senti-me desacompanhado enquanto cliente, e desrespeitado e essa sensação de abandono e impotência pareceu-me uma grande injustiça. Não deixei, ainda assim, de cumprir as minhas obrigações, isto é, de carregar e validar o meu título de transporte.

Deu-se porém que, no final de Novembro deste ano, princípio de Dezembro, o meu passe, fruto principalmente do seu uso no Metro, que não fazia abrir as portas e ia sendo torcido pelos funcionários do metro que me assistiam e depois por mim, segundo o seu exemplo, para com, o jeito de determinado ângulo no cartão, permitir a minha passagem, ficou danificado: o chip rachou, inviabilizando qualquer leitura e, consequentemente, o seu carregamento.

Informei-me no Metro sobre o que seria necessário para fazer novo passe. Tive novamente de lidar com funcionários indelicados e deixei reclamação também no Metro de comportamentos menos próprios. Descubro, com surpresa e revolta que para fazer novo passe, preciso de ir a estações específicas, que são muito reduzidas considerando toda a rede do Metro. Que com urgência, o número de estações disponíveis é ainda menor. Cobram 7 euros por uma 2ª via que levam 10 dias úteis a produzir e 10 euros, com urgência, para um prazo de produção de 1 a 2 dias úteis. Esta pequena diferença de 3 euros está feita para o utente inevitável e desesperadamente optar pela produção de urgência e pagar mais por ela. É uma acção baixa com base nos mais elementares princípios de marketing, a meu ver, desleal. As filas para produção do passe, devido ao elevado número de utentes a querer fazê-lo em princípio de mês, ao reduzidíssimo número de estações a cumprir tal função e ao igualmente reduzido número de funcionários a executá-la, eram enormes. Não tinha vida nem tempo (porque tenho outras obrigações e projectos) para estar horas numa fila de metro para produzir um título de transporte que não posso obter de outro modo porque o sistema está mal feito e tem como objectivo primordial o lucro em detrimento da qualidade de serviço, da oferta de alternativas, da preocupação com o cliente.

Para além destes prazos de produção que indiquei, e dos vários obstáculos que encontrei à produção do passe, foi-me dito no Metro que não tinham qualquer cartão alternativo que pudessem dar-me e que eu pudesse carregar para ter um título válido, temporariamente, em substituição do passe. Ou seja, eu que pago passe todos os meses e que o queria pagar uma vez mais para andar livremente pela cidade, via-me forçado a comprar um bilhete diário por cerca de 4 euros ou um bilhete por viagem até que o meu novo passe estivesse pronto, para então comprar o meu passe, acabando assim por o pagar duas vezes no mesmo mês. Achei isto, como o acho, inconcebível. O cliente tem de ter alternativas.

Mais: se quiser pagar uma viagem, já não posso limitar-me a comprar um bilhete simples ou bilhete de ida e volta, como antes. Tenho de comprar um cartão quase descartável, o cartão Viva, a 50 cêntimos, e carregá-lo com, no mínimo, 2 euros. Com uma viagem de Carris a custar 1,40 euros e uma de metro a custar 79 cêntimos, poderá ver-se: a) o quão depressa se esgota o saldo do cartão com apenas 2 ou 3 viagens; b) sempre sobrará dinheiro no cartão que não posso utilizar e que em última análise se perde. Mais incrível ainda é o facto de não poder acumular dinheiro que já tenho em determinado cartão Viva para completar o necessário para o carregamento para um dia. Se tiver um cartão viva com, suponhamos, 60 cêntimos ou 1 euro, e quiser pagar os 3 euros e meio que aproximadamente custa o cartão diário, sou impedido de utilizar a quantia que já tenho, sou forçado a gastar mais 50 cêntimos na compra de um novo cartão para então fazer nele o carregamento diário completo. Isto é roubo.

Revoltado com esta situação, optei, como protesto que considero legítimo para um cliente cumpridor que vê defraudados os seus direitos, optei por não pagar qualquer valor adicional de bilhetes enquanto não pudesse fazer o pedido de um novo passe e ele não estivesse válido.

Não saí de casa durante alguns dias, e, quando fui forçado a sair para tratar dos meus assuntos, não comprei qualquer bilhete. Numa destas raras ocasiões, fui abordado, em Entrecampos, por um revisor da Carris, logo depois de ter entrado no autocarro. Isto sucedeu precisamente num dia em que esperei meia hora pelo 36 (para o Cais Sodré) e depois meia hora pelo 32 (para Caselas). Ou seja, perdi, vergonhosamente, uma hora do meu tempo, só à espera de autocarros. Enquanto estive na paragem de Entrecampos, passaram vários autocarros, alguns repetidos, como duas vezes o 27 (para o Restelo) e o Sr. revisor, que também estava na paragem comigo, não apanhou nenhum deles. Chegando porfim à conclusão que o 27 também me levaria ao meu destino, e devido à demora do 32, fui alterando entre uma paragem e outra para ver quanto tempo faltaria para a chegada de um ou de outro autocarro. Foi com estranheza que reparei que o Sr. revisor me imitava e, como eu, saltava entre uma e outra paragem. Até que finalmente o 32 chegou e eu apanhei esse autocarro. O Sr. revisor, que então estava na paragem do 27, correu para a do 32 para o apanhar também e começou a pedir o título de transporte aos passageiros; naturalmente, a mim também. Aceito que aqui eu possa ter uma apreciação subjectiva da situação, mas nas circunstâncias que descrevi não pude deixar de sentir que o Sr. em questão fez de mim um juízo de valor (eu estava de gorro por causa do frio) e me seguiu com base nesse juízo. Eu procurei explicar-lhe, brevemente, o que relatei aqui. O Sr. em questão limitou-se, não com palavras, mas como modos grosseiros, a exigir-me o comprovativo do carregamento do passe, não se preocupando minimamente em ouvir o que tentei dizer-lhe. Estou convicto de que o papel do revisor não deve ser apenas, cegamente, pedir o passe e/ou respectivo comprovativo de carregamento, mas também ouvir as explicações do clientes, ouvir as circunstâncias em que as situações ocorrem, e agir de acordo com o conjunto de elementos recolhidos. De boa fé, ao explicar a situação, entreguei o meu passe ao Sr. revisor que ficou com ele e se recusou a mo devolver. A meu ver, esta apreensão foi ilegal, já que eu paguei a produção do passe, que está em meu nome. Explicou-me depois o Sr. Luís Ribeiro, também ele revisor de que já falarei, que nas letras ilegíveis do contracto se diz que o passe é propriedade não do cliente, mas da empresa, apesar de o cliente pagar a sua produção e de ser um documento pessoal de identificação para transportes públicos. Ainda me levantei para pedir ao Sr. revisor o meu passe; vendo porém que só poderia obtê-lo através de um confronto físico que, por civismo, quis evitar, saí do autocarro na paragem imediatamente a seguir.

Vendo deste modo gorado o compromisso que tinha para esse dia, o que muito me prejudicou, aproveitei o tempo livre para finalmente fazer o pedido de produção de um novo passe, agora que as filas infernais de início do mês tinham acabado. Estamos a 11 de Dezembro de 2009, sexta-feira.  O passe só estaria pronto, correndo tudo bem, segunda-feira, 14 de Dezembro. Ainda nessa sexta-feira, relutante e frustrado com a injustiça da situação, comprei, para evitar mais dissabores e mal entendidos, um cartão com carregamento de um dia para utilizar enquanto o meu novo passe não estivesse pronto. Felizmente, na segunda-feira, 14, estava já disponível, tendo eu pago os exagerados 10 euros, no Campo Pequeno, para produção com urgência. No entanto, porque ainda não utilizara o cartão Viva que comprara e carregara para um dia (forçado a comprar novo cartão quando já tinha um com determinado valor), viajei, na segunda-feira (como poderão talvez comprovar pelos vossos registos informáticos e como poderei eu provar pela apresentação do referido cartão), com esse cartão Viva, deixando para o dia seguinte, terça-feira, 15 de Dezembro de 2009, o carregamento do passe, como veio a acontecer.

Assim, terça-feira de manhã, 15 de Dezembro de 2009, com o passe já carregado, para comparecer a um dos meus compromissos, no caso, um exame, apanhei o 27 em Entrecampos. A meio do percurso, perto do largo do Rato, entraram dois revisores, um senhor e uma senhora. A senhora abordou-me e pediu-me que apresentasse o meu título de transporte. Expliquei-lhe que a respeitava enquanto indivíduo e que respeitava a sua função, mas que não lhe reconhecia legitimidade para me exigir a prova de que cumpro as minhas obrigações, quando não vejo a Carris cumprir para com os seus clientes. Explicando-me melhor: uma vez mais, como protesto e para defender um princípio, recusei-me, com educação, a apresentar o meu passe, apesar de o ter comigo e de estar válido, por não considerar justo que me peçam que o apresente quando não há instrumentos de protecção e defesa do cliente cumpridor quando as coisas correm mal. Estes dois revisores foram, ao longo de todo o episódio, extremamente educados, correctos e profissionais. Ele era o Sr. Luís Ribeiro; não fiquei com o nome da Senhora. Quer um, quer outro, me explicaram que estavam mandatados pelo Governo Civil e que tinham assim toda a autoridade necessária para me pedir o título de transporte. Mostrei a minha compreensão e respeito por isso, mas mantive-me firme na minha posição de protesto. Expliquei que, naquele contexto, não lhes mostraria o passe e pedi-lhes que chamassem a Polícia; que perante a Polícia me identificaria de imediato e mostraria o meu passe, podendo eles assim comprovar que estava válido.

Por falha de comunicação, que não é responsabilidade de nenhuma das partes, mas resultado normal de qualquer diálogo, percebi tarde de mais que: a) chamar a Polícia implicava, absurdamente, parar o autocarro a meio do percurso e aí ficar até à chegada dos agentes da autoridade, prejudicando, sem sentido, todos os passageiros; b) chamar a Polícia implicava também, de acordo com o que serão as regras internas da Carris, a meu ver, igualmente absurdas, não ter já possibilidade de mostrar o meu passe; ou seja, a partir do momento em que o revisor comunica com a Central e pede a chamada dos agentes da autoridade, neste caso, a meu pedido!, não poderá já aceitar ver o meu passe, confirmando que está válido, e terá legitimidade para me multar?!  Escusado será dizer que estas conclusões me deixaram perplexo.

Para não prejudicar os restantes passageiros, eu mesmo tomei a iniciativa de sair do autocarro. Acompanhado do Senhor Luís Ribeiro, dirigi-me de imediato aos agentes da Polícia que se achavam já no passeio, no largo do Rato, com a Senhora revisora. Apresentei-me de pronto, entreguei aos Srs. Agentes o meu bilhete de identidade, mostrei-lhes o meu passe, que estendi também aos Srs. revisores que se negaram a aceitá-lo. Sendo feita a identificação, o Sr. Luís Ribeiro e a sua colega, cumprindo as anormais regras da empresa, passaram-me uma multa, como puderam ver, sem nexo. Neste ponto, os Srs. Agentes despediram-se, eu fiquei com o triplicado da multa e ainda viajei no 106 com os Srs. revisores, já que precisava de ir ter ao Cais Sodré, podendo eles assim comprovar que de facto o meu passe estava válido. Aconselharam-me ainda a escolher outras formas de protesto que não esta, o que naturalmente farei, ainda que não veja exactamente que mais poderei fazer para, mais do que ser ouvido, como a Sra. revisora sugeriu, ver que o que está mal se corrige e que as normas são aplicadas não apenas por serem normas mas com justiça em relação a cada situação; e aconselharam-me ainda a apresentar-me no serviço de Fiscalização da Carris, no Alto de Santo Amaro, num prazo máximo de 5 dias úteis após a passagem da multa, para aí expor o meu caso e verificar qual a melhor medida a tomar. Foi o que fiz:

Ontem, 16 de Dezembro de 2009, mal me foi possível, fui até ao serviço de Fiscalização da Carris no Alto de Santo Amaro, onde fui atendido pelo Sr. J. Rosa, de acordo com a chapa de identificação. Eram aproximadamente, se não estou em erro, as 2 e meia da tarde. Apresentei o caso, o melhor que pude, ao Sr. J. Rosa, que, mais uma vez, prestou uma má imagem da Carris, que tem, é verdade, óptimos funcionários, mas também vários exemplos miseráveis como o do Sr. J. Rosa. Este Sr., como tentei explicar no livro de reclamações na reclamação que logo a seguir apresentei, nunca mostrou interesse pelo que tentei dizer-lhe. Preocupou-se apenas em dizer que ali, ou pagava ou ia “lá fora” apresentar uma reclamação. Perguntei-lhe qual era então a sua função ali dentro, perguntou-me, com tom impróprio, se eu era jornalista. Fez outros comentários incorrectos que não consigo lembrar, não tentou inteirar-se do meu caso e apresentar-me guias, soluções; tirou notas do que lhe disse, desvirtuando-o, crendo eu ingenuamente, no início, que seriam apontamentos sobre as minhas queixas; eram antes notas que pudesse usar contra mim, para sua desnecessária defesa; chamou o segurança, também desnecessariamente, quando se cansou das minhas perguntas, alegando que eu estava a provocá-lo. O Sr. segurança poderá comprovar que sempre fui correcto no meu tom e comportamento. Desfeiteado por este descalabro, sem ser incorrecto nos modos ou no tom, eu não pude evitar dizer ao Sr. J. Rosa que era mentiroso. Ao sair, disse-lhe ainda que deveria ter vergonha da sua postura e que não tinha categoria para ocupar aquela posição ou representar a empresa em que estava. Saí e fui ter com a Sra. Maria de Fátima, da divisão de Reclamações do Alto de Santo Amaro, que foi extremamente atenciosa e profissional e me sugeriu que escrevesse aos Srs. Membros do Conselho de Administração, como agora estou a fazer.

A minha esperança, por meio desta carta, é que os Srs. Membros do Conselho de Administração, possam melhor compreender, através deste longo relato, os dissabores por que passa um utente da Carris, que é, acima de tudo, um cliente que merece atenção e respeito pelo serviço que paga a peso de ouro tendo em conta a pequena dimensão da nossa cidade, a mais pequena dimensão da nossa rede de transportes e o baixo nível de vida do comum português. Que possam inteirar-se das várias injustiças que vão ocorrendo e que, por mais que se deva aceitar a existência de regras que idealmente são cumpridas para o bem comum, porque em tudo é necessária uma ordem, também deve ter-se em atenção que o cumprimento exclusivo e cego de uma regra leva inevitavelmente a injustiças que não deveriam ocorrer. Toda a regra tem uma excepção e faz parte dessa excepção contemplar o contexto em que um determinado incumprimento ocorre, para se compreender se foi ou não legítimo.

Aquilo para que procuro, portanto, sensibilizar-Vos, é para o facto de, podendo talvez não ter sido, o modo de protesto escolhido por mim, o mais adequado, foi o que na altura me ocorreu e teve a legitimidade da boa fé e da justa causa da manifestação de insatisfação contra o que não está bem. Porque há de facto muita coisa nos transportes públicos em Portugal que tem de mudar, em particular na Carris:

a) As paragens que ainda não têm os sinalizadores, como acontece noutros países da Europa, a indicar o tempo de espera – está melhor do que estava há uns tempos atrás, mas ainda há muito a fazer;  b) as paragens que, tendo os sinalizadores, não têm os tempos visíveis ou que c) tendo os tempos visíveis não têm os tempos reais; casos em que 3 minutos do sinalizador podem resultar em 10 minutos ou mais de tempo real; d) os condutores que depois de fecharem as portas, mesmo estando ainda parados na paragem, não as abrem ao passageiro que chegou atrasado; e) os condutores que são grosseiros ou agressivos ou de algum modo desrespeitadores a responder às perguntas dos passageiros; f) os revisores que pedem o passe como quem dá uma ordem, sem dizer bom dia ou boa tarde sequer, e o devolvem com brusquidão, sem sequer agradecer; g) os autocarros que têm determinado percurso pré-estabelecido, mas que de repente param a um terço do percurso e aí ficam, com única justificação para o cliente, se a houver: “ordens da Central” – caso do 7, que faz Praça do Chile ora Odivelas, ora Sr. Roubado e por vezes (não tão poucas quanto isso) fica só no Lumiar; h) os condutores que estão por vezes a falar ao telemóvel sem sequer terem um auricular; sim, enquanto conduzem; i) os condutores que, por alguns segundos, param a meio do percurso, quando se encontram com colegas de outros autocarros que vêm em sentido oposto, para conversar – sobre o futebol, sobre o café, sobre as horas de trabalho para a frente ou para trás; j) as trocas de turnos a meio de um percurso, que por vezes tomam vários minutos; eu compreendo que, para o bem-estar dos condutores, que é essencial, e para que as horas de turnos sejam cumpridas sem prejuízo dos trabalhadores ou da empresa, que inevitavelmente esta troca tenha de ocorrer a meio de viagens; não estou certo porém que ela tenha de ocorrer com tanta frequência e com certeza que não deverão ocorrer, como por vezes acontece, com demoras inusitadas porque os senhores condutores estão a escrever no “livro de horas” por diversos minutos (5 minutos é neste contexto muito tempo) ou (já vi acontecer) a trocar galhofeiramente ideias triviais, atrasando a viagem; k) uma reclamação no livro de reclamações não recebe resposta ou, com sorte, recebe-a e evasiva, um mês depois; uma reclamação por e-mail ao Provedor do cliente chega, com sorte, uma a duas semanas depois (quando um e-mail leva segundos a ser enviado), numa resposta pré-formatada que em pouco ou nada reflecte a queixa apresentada; mas uma multa chega a casa do cliente, em carta registada com aviso de recepção, em apenas 2 dias úteis; l) a ausência completa e inexplicável de revisores e segurança durante a noite, em particular nas carreiras da madrugada; nunca, em todos estes anos em que usei transportes públicos, vi um revisor durante a noite ou nessas carreiras; e é precisamente aí que mais são precisos; é nessas carreiras que com frequência encontramos os utentes que são desrespeitadores, muitas vezes marginais, armados se for preciso com canivetes, ponta e mola, etc., que chegam em grupos, se espalham no autocarro, gritam de uma ponta à outra do veículo, importunam o condutor e os passageiros, ameaçam, roubam, etc. Onde estão os representantes da Carris nessas alturas? m) Sugiro a criação de títulos de transporte diários, semanais e/ ou a re-implementação dos módulos de viagens como antes a Carris tinha à venda nos seus quiosques; fui informado, talvez mal, que já não se encontram à venda; n) peço-lhes que estejam mais atentos às necessidades dos vossos clientes, que demonstrem mais interesse pelas suas queixas e que mostrem mais iniciativas para corrigir estes vários pontos que mencionei e outras de que me possa ter esquecido ou que não conheça.

Peço-lhes, porfim, tendo em conta estas 6 páginas de exposição, indulgência das duas multas que me foram passadas, dado o seu contexto e a sua natureza. De minha parte, continuarei a cumprir mensalmente, como sempre aconteceu até hoje, com a minha obrigação/ carregamento do passe, pedindo-lhes que, de Vossa, corrijam as várias falhas do serviço prestado e sensibilizem mais os vossos funcionários faltosos a corrigir o seu comportamento.

Sem mais de momento,

Agradecendo a Vossa atenção e aguardando a Vossa resposta,

Com os melhores cumprimentos,

 
Miguel João Ferreira

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 15:46
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 22 de Setembro de 2009

Famigerado Regresso! - Declaraçao

O Gume aplicou-se um correctivo severíssimo por se ter abstido por tao largo período de aqui redigir umas breves palavras aos breves leitores que brevemente o lêem. O Gume penitencia-se como pode e sabe, isto é, com mais palavras e sem outros esforços de maior, à imagem de uma classe política que, em ou fora de época de campanha eleitoral, prima pela qualidade do verbo em detrimento da qualidade do acto.

O Gume deixa aqui a promessa, igualmente política, de a partir de amanha redigir ferozmente os mais variados e extraordinários posts, sem, para qualquer outro dia de tempo presente ou futuro voltar a falhar-se e a falhar áqueles que o idolatram (que sao nenhuns, aparte o Gume, está claro).

O Gume agradece aos que o entendem e perdoam, apoia os que o renegam e o insultam e prepara-se para degolar sem escrúpulos ou laivos de piedade os que nao o conhecem ou que conhcendo têm a falta de espinha de nao ter opiniao.

Isto é, o Gume prepara-se para degolar sem escrúpulos ou laivos de piedade o português comum...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:08
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Terça-feira, 1 de Setembro de 2009

Manifesto Moderadamente Exacerbadíssimo Sobre A Necessidade de Ilegalizar as Dobragens

Não é segredo que o cinema é ilusão, em particular, de óptica. Umas das suas singularidades é o contraditório da ausência: o objecto ou, neste caso, o actor está à nossa frente, mas não está à nossa frente. Vêmo-lo e ouvimo-lo, mas não lhe tocamos, não o cheiramos, não interagimos fisicamente com ele.

 

Como diz Paul McDonald, apesar desta ausência do actor, não se deve esquecer que também o uso da câmara, a iluminação, a edição, mas, mais importante, o corpo e a voz do actor, contribuem determinantemente para a construção da personagem e a transmissão do seu carisma. Por isso, a pergunta "Como pode a representação construir presença de modo a compensar a ausência física do actor?" é crucial e deve ser seriamente colocada.

 

Efectivamente, é devido a esta necessidade de compensação da ausência que a voz do actor se torna no principal traço da representação. É também por isto que a dobragem resulta num crime que destroça, no ritual da sétima arte, o esforço que o actor faz para oferecer ao espectador essa ilusão de estar alí, de uma partilha entre o que finge que age e o que finge que acredita no que vê.

A dobragem, mais do que a quebra da ilusão cinematográfica da presença do actor, e mais do que a adulteração do seu carisma (e do seu talento), para além de uma limitação da inteligência, é um verdadeiro insulto ao trabalho daquele que representa e, como tal, do ponto de vista da representação, terrorismo cinematográfico.

 

ABAIXO AS DOBRAGENS!

ACIMA OS DECRETOS CONTRA ELAS!
FORA COM AS CABEÇAS DOS QUE DOBRAM, SEJA (O QUE DOBRAM) MERAS FRASES OU PÁGINAS!
QUE O VERBO DOBRAR SEJA EXCLUÍDO DA GRAMÁTICA!
A PARTIR DE HOJE UM PAPEL NÃO SE DOBRA: DEBRUÇA-SE SOBRE SI MESMO,

COMO A ALMA SOBRE O UNIVERSO,

E VOMITA COM A NÁUSEA DE O ESTAR FAZENDO!

A PARTIR DE HOJE SÓ SE LEGENDA, E COM CUIDADO!

A PARTIR DE HOJE O ACTOR FALA POR SI SEM VOZES EMPRESTADAS!

SE EU APANHO ALGUÉM A DOBRAR EU CORTO-LHE O PIPO!

EU ESVENTRO-LHE AS ENTRANHAS ENCARNADAS E FEIAS,

PÚTRIDAS E NAUSEABUNDAS!

EU ESCANCARO-LHE O CRÂNEO COM BLOCOS DE ARGAMASSA

E CARREGO-O COM TERRA E ESTRUME DE BOIS!

NÃO DOBREM DIANTE DO GUME!

NÃO DOBREM POR DETRÁS DO GUME!

NÃO DOBREM EM PARTE ALGUMA EM QUE O GUME ESTEJA OU NÃO ESTEJA!

QUEM DOBRAR, É DOBRADO ATÉ QUE OS OSSOS QUEBREM E AS COSTAS SE COLEM COM A PELE DA FRONTE!

QUEM DOBRAR É MERDA!

QUEM DOBRAR, NUM SOPRO, DESAPARECE DO MAPA!

ALÍNEA B DO DECRETO MIL DE DOIS MIL E SEMPRE:

SE UM HOMEM DOBRA É UM RATO E RECEBERÁ VENENO!

SE UM HOMEM DOBRA É UM VERME E SERÁ ESMAGADO!

SE UM HOMEM DOBRA NÃO TEM FUTURO, TEM PASSADO

E O SEU PRESENTE É ASQUEROSO!

SE UM HOMEM DOBRA É UM BICHO E OS BICHOS ENXOTAM-SE!

XÔ! XÔ, DOBRADOR DE SENTIDOS!

AK! USHI! SPLASH! PAH!

RUA! EMBORA!

DESAPAREÇAM TODOS!

SE UM DOBRADOR MAIS É VISTO NESTAS PARAGENS,

EU DEVORO-LHE A ALMA!

--------

 

(- Dr. Freudo, preciso de mais calma!)...

 

Golpe por Miguel João Ferreira às 08:34
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 9 de Abril de 2009

The Free Minded Society (No Comment)

       

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Em Negação
Sem Som: Outro Som
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:29
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Domingo, 30 de Novembro de 2008

ERROR: NO GUME - This Post Is Not Available

Hoje o Gume tirou férias de si próprio:

 

Incomode-se, mas não incomode!

 

 

 

 

 

 

                                                                                                     Chief Sitting Fork (No knives today)

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 08:58
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quarta-feira, 22 de Outubro de 2008

Segundo Gume: O Regresso do Regresso

Nao. O Gume nao morreu. Descansou. Mas volta agora em força para acordar os mortos e espevitar os vivos. Agarrem-se às cadeiras e ao que tiverem à mao - Blogomundo apresenta:

 

O REGRESSO DAS ESTOCADAS - Num PC perto de si...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 18:26
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 9 de Agosto de 2008

Gumanize-se! Beba um Delirio Connosco!

O Joao Baptista do Gume, o Sr. Bruno Candelária Santos, por acaso meu amigo (mera coincidência) recebeu este fim de semana a seguinte mensagem promocional da empresa Galp Energia: "Beba um café por 30 euros e nós oferecemos-lhe o combustível": Nao, nao era bem assim. Julgo que era isto: "Beba um combustivel connosco e nós oferecemos-lhe 30 euros (se conseguir faze-lo)". Nao, creio que tambem nao era exactamente assim... Por favor deixem-me pensar um pouco... "Beba 30 euros connosco e nós oferecemos-lhe o carro"... Caramba! Também nao! "Ganhe 30 euros pelo seu combustível"? Chiça, com licença, que eu vou buscar a mensagem...

 

(...)

 

Ora cá está! Veja-se:

 

"Gratis! Às segundas-feiras, tome café connosco. Abasteça 30 euros de combustível num posto Galp e receba um café Gratis. Válido nos postos Galp com loja Aderente".

 

O Gume achou que a Galp estava a fazer piadinhas, mas depois de confirmar o calendario viu que ja nao era o primeiro de Abril. Ficou intrigado (o Gume este a estudar afincadamente o modo de falar Jardeliano, gracas a Deus) e foi investigar. Nao descobriu muito, mas decidiu retaliar:

 

"Grátis! Às segundas-feiras (e nos restantes dias, porque não somos fuínhas), tome delírios connosco.  Abasteca 30 gargalhadas de prazer num post Gúmeo (muitas mais hão-de vir), e receba um bem-estar completamente grátis. Válido nos posts Gumeos e seus blogs aderentes.  Gumanize-se! Seja feliz connosco!".

 

A Galp agora que invente o que quiser. Nao há patranha que cubra tamanha carga de sebo, nem que supere a beleza deste post. O Gume é arrogante, mas é puro. E sabe sempre o que diz, mesmo quando se esquece.

 

P.S: Mil perdoes ao gumoleitor pelas fotografias. Um erro ocorreu na introducão das imagens e elas nao representam o que deveriam representar. À esquerda, onde está o panhonha do beato, devia ver-se o meu amigo Bruno. E à direita, devia estar a Galp. Mas eu e a informática... Nao me entendo! Acho que vou beber um cafe (mas cá dos nossos, portentoso, genial, e afiado!!!), para normalizar...

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 23:29
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sexta-feira, 8 de Agosto de 2008

Acumen Secundus - Gumanifestemo-nos!

 

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 20:20
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 2 de Agosto de 2008

Morte ao Sol!

Fui fazer canoagem à Lagoa Azul. A Lagoa era azul e eu era branco, e o Mundo era bom.

Vim de fazer canoagem da Lagoa Azul. A Lagoa era Azul e eu era vermelho às manchas. O Mundo é feio e faz mal aos pobres.

O Gume é contra a canoagem ao Sol.

Abaixo a canoagem diurna!

Fora com o astro da Vida!

Hoje, em consciência, manifestamo-nos hostilmente contra o astro criador!
Citemos GNR:

"Directo assim, eu declaro morte ao sol"...

O Sol foi o monstro que inventou os escaldões. E os monstros sempre nos meteram muito medo...

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Escaldado e c medo d'agua fria
Sem Som: Morte ao Sol
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:25
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Quinta-feira, 3 de Julho de 2008

O Virus Vai Alastrando - Chegámos à Sapo!!! - Evacuem as Populações...

O Gume explora outros domínios e vai mais longe. Hoje vem conquistar a Sapo. Amanhã a Selva. Protejam-se, ò blogonautas, que vao vibrar as estocadas!

 

O Gume espalha-se:

Ninguem está seguro!

 

 

 

Manifesta-se pelo presente que O Gume é o pão dos pobres e a cicuta dos parvos:

 

Tomai e comei todos, este é o meu blog e será lido por vós -

 

Boa Sorte

Good Luck

Buena Suerte

Bonne Chance

Buona Fortuna...

 

(etc.)

Sinto-me, Sento-me, Ressinto-me...: Cuoak, cuoak, cuoak!
Sem Som: A Cavalgada das Sapírias - Sapo Wagner
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 02:07
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Segunda-feira, 2 de Julho de 2007

Manifestação da Mordaça

Hoje o Gume faz Greve de Fome.
«No Comment is my way to Comment», disse um anónimo inglês do século XIX quando viajava na América do Norte.

Subscrevo-o.

Silêncio para toda a gente, que o Governo está a passar.

Depois sim arremessem pedras.

Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 01:02
Hipertensões | Estocadas | Os Golpes Que Eu Amo
Sábado, 25 de Março de 2006

O Manifesto do Segundo Gume


 

Anuncia-se orgulhosamente que o Gume nasceu e não chorou, nem berrou mas tinha a língua de fora e já fazia um manguito.
O Gume é o blog onde tudo é possível.
O Gume é o Futuro.
O Gume é Eterno.
O Gume é Supremo.
O Gume é Inteligente.
O Gume é Sarcástico.
O Gume é Irónico.
O Gume é Soberbo.
O Gume não é Moral, nem Imoral, mas Amoral.
O Gume é a Flor do Mal que quer o Bem.
O Gume é um ultrage,
E é ultrajante,
Mas nunca será ultrajado.
O Gume não publicita: faz.
O Gume não promete: cumpre.
O Gume não se conforma mas conforma, reforma, informa, deforma, dá forma.
O Gume não dá festas nem palmadinhas nas costas:
O Gume dá sôcos que parecem pedras atiradas de perto e de longe.
O Gume punge.
O Gume estoca.
O Gume fere.
O Gume não se mascara:
O Gume dá a cara e dá na cara.
O Gume não se coíbe,
Não se inibe,
Não se esconde.
O Gume tem espinha.
O Gume é Vertical,
O Gume é Vigoroso,
O Gume é Viril.
As mulheres do Gume são grandes Amazonas.
O Gume é Justo.
O Gume é Culto.
O Gume é Raro.
O Gume é Sério.
O Gume é Sóbrio.
O Gume é Sensual.
O Gume é um disparate pegado.
O Gume é Belo mas sabe ser Horrível.
O Gume é irresponsável mas assume o que diz.
O Gume não é de uma causa, mas tem causas.
O Gume não é Supersticioso mas é Precavido:
Não cruza facas, arremessa-as.
Não passa sob escadas: sobe-as.
Não avança por detrás de gatos pretos, mas pela frente. E não lhes liga quando usam gravata.
Não parte espelhos: atravessa-os.
O Gume é Arrebatador.
O Gume é Poético.
O Gume não tem vergonha por saber que a vergonha é um preconceito.
O Gume não se submete à vontade alheia. Pelo contrário:
O Gume institucionaliza uma vontade.
O Gume não acredita na liberdade de opinião nem tampouco na liberdade em geral, mas defende-as.
O Gume agradece a quem diz bem do Gume.
O Gume aplaude quem diz mal do Gume.
O Gume aniquila quem não sabe o que diz.
O Gume não é extremista nem maniqueísta:
Quem não é do Gume não tem de ser contra o Gume.
Quem é contra o Gume não tem de morrer, basta estar calado.
O Gume não se contraria, complementa-se.
Se defende dois pólos opostos, fá-lo em favor do ponto de vista.
O Gume é tolerante, mas não é parvo:
O Gume não tolera a estupidez.
O Gume tem académicos mas despreza as academias.
Os membros do Gume são, por natureza, GENIAIS.
O Gume é Segundo mas não está atrás de ninguém, antes, senta-se com pompa e arrogância sobre as cabeças ôcas dessas avestruzes engripadas da nossa Sociedade!
O Gume é Segundo porque traz à tona o que a poeira do tempo e a mentira do Homem querem há tanto esconder.
O Gume é Segundo porque corta e ataca dos dois lados da pena. O inverso de um rosto belo é o rosto normal do Gume: o Gume é o retrato da Sociedade Portuguesa, trazendo à luz do sol a alma desse Dorian Gray de palmo e meio.
O Gume é o Mr Hyde desses Jeckyll de condescendências, servidões, cinismos, hipocrisias, vassalagens.
Não se aproximem do Gume, porque ele morde!
O Gume tem dentes afiados e má digestão. Não queiram experimentar a bilis do Gume!
O Gume é polimorfo, poliglota, politeista, polígamo, poligráfico, político, polémico, plural.
O Gume diz sempre a verdade, mesmo quando está a mentir.
O Gume é acutilante e imesericordioso: perfura sem dó as bestas quotidianas e com os seus restos faz um arroz de cabidela que devora impiedoso lambendo, sem maneiras, mãos e beiços.
O Gume nutre uma paixão grotesca pelo sangue das suas vítimas descarnadas: não queiram ser inimigos do Gume!
O Gume vai dominar o espaço português e depois disso quer conquistar o Mundo! Acautelem-se: O Gume tem um plano!
O Gume é, sem escrúpulos, megalómano e magnânimo.
O Gume é um assombro.
O Gume mete medo!
O Gume não é Comunista mas come criancinhas!
O Gume não é de esquerda, nem de direita, nem do centro:
O Gume é de todo o lado e despreza democrática e plenamente todos os partidos políticos.
O Gume insulta sem modos por entender que os modos desprestigiam o insulto.
O Gume não tem religião mas todas as religiões incluem o Gume e se esventram, incautas, com os seus contrasensos.
O Gume diz que os Judeus deviam governar Portugal para acabar com o buraco financeiro.
O Gume é Fiel.
O Gume é Desportista.
O Gume é parcial por saber que a imparcialidade é o Mito de Couro com que se encobre o hipócrita.
O Gume não quer ser árbitro, quer ser carrasco.
O Gume tem sempre fome.
O Gume quer sempre mais.
O Gume é o pasquim do absurdo!
O Gume é ideologicamente pornográfico.
O Gume é sublimamente erótico.
O Gume é perfidamente obsceno.
O Gume não se lava para não se sujar continuamente com a podridão Humana.
O Gume é Venenoso.
O Gume é Bélico.
O Gume é Feliz.
O Gume não é nacionalista, é Nacional.
O Gume é o Gume.
O Gume tem bis,
Mas nunca se cansa,
Nunca se repete,
Nunca se curva,
Nunca está desprevenido,
Nunca aceita ordens,
Não tem hierarquias,
Não tem depressões,
Não tem fraquezas
Não tem falhas no rosto.
O Gume não tem papas na língua,
Não tem hesitações,
Não tem dúvidas,
Não se engana,
Não recua:
O Gume é Essêncial.
O Gume é Revolucionário,
O Gume é Puro,
O Gume é Inovador,
O Gume é Original,
O Gume é Perfeito,
O Gume é Brutal.
O Gume luta com cravos, com espadas, com penas, com o que tiver à mão.
O Gume é um Poema.
O Gume é um Incêndio.
O Gume é Único.
O Gume quer a discussão construtiva ou o vaticínio aniquilador, mas não tolera o debate vazio.
O Gume tem ideias, dá ideias, pede ideias, quer ideias, idealiza e impõe que não há ideia sem acção.
O Gume vai arrasar metaforicamente o Palácio de São Bento e o Palácio de Belém e o Palácio da Preguiça Universal.
O Gume vai arrasar fisicamente as banalidades do tédio, as casmurrices dos tolos, as ignorâncias do ódio, os estapafúrdios da lógica, as tiranias da lei, as cobardias da força, a mesquinhez da discriminação.
O Gume tem a cura para a estupidez: açoitar até à morte os idiotas.
O Gume é Inacabado e Inacabável.
O Gume é Fraterno.
O Gume não exclui, elimina.
O Gume quer,
O Gume pode,
O Gume manda.
O Gume veio,
O Gume viu,
E já venceu.
Celebrações!
Olha o Gume!
O Gume saiu à rua!
Viva o Gume,
Viva o Gume,
Acendam velas!
Toquem sanfonas!
Façam fanfarras!
Apaguem a luz ao dia!
É o Prometido!
É o Desejado!
É o Messias!
Nasceu o Gume! Nasceu o Gume!
O Gume nasceu!
Que Farei Com Estes Gumes?:
Golpe por Miguel João Ferreira às 16:04
Hipertensões | Estocadas | Abrir As Feridas (2) | Os Golpes Que Eu Amo

O Leão Sem Juba

Sopa de Facas, Chafurdar na Lama

 

Agosto 2012

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
31

Gumoctopus

Últimos Golpes

Senhoras e Senhores, Em E...

Um Manifesto Muito Sério ...

Famigerado Regresso! - De...

Manifesto Moderadamente E...

The Free Minded Society (...

ERROR: NO GUME - This Pos...

Segundo Gume: O Regresso ...

Gumanize-se! Beba um Deli...

Acumen Secundus - Gumanif...

Morte ao Sol!

O Virus Vai Alastrando - ...

Manifestação da Mordaça

O Manifesto do Segundo Gu...

O Gume E O Tempo

Agosto 2012

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Novembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Que Farei Com Estes Gumes?

todas as tags

blogs SAPO

Roubar as Facas